Confira nossa versão impressa

Catequese: parte importante na missão da Igreja

O novo Diretório para a Catequese, publicado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, válido para a Igreja em todo o mundo e apresentado no fim de junho deste ano, trata do lugar central e insubstituível que a Catequese ocupa na missão evangelizadora da Igreja. Toda vez que, na História, a Igreja tratou de rever e de aperfeiçoar sua ação evangelizadora, isso passou sempre pela renovação da Catequese.

Por aí compreendemos o motivo pelo qual a Santa Sé preparou longamente e, agora, publicou esse Diretório, a fim de que sirva de base a todas as conferências episcopais e dioceses na revisão e renovação da Catequese nas suas jurisdições próprias. É mais um passo importante para dar consistência à “nova evangelização”, da qual já estamos tratando há cerca de 30 anos na Igreja.

A Catequese, para não ser vazia e desviada, precisa estar inserida no anúncio e no processo de comunicação do desígnio salvador de Deus, revelado à humanidade por meio de Jesus Cristo, Filho de Deus que se fez homem, “rosto humano de Deus e rosto divino do homem”. Deus revelou seu amor misericordioso por toda pessoa e o desejo de lhe comunicar os bens da salvação. Revelando a si mesmo ao homem, Deus manifestou também a grande dignidade de cada pessoa e seu chamado, a cada um, a ser seu filho querido. Ao mesmo tempo, Jesus entregou à comunidade dos discípulos os dons da salvação, conferindo-lhes a autoridade e a missão de fazê-los chegar a todas as pessoas, em todos os tempos e lugares. Nossa Catequese não pode deixar de ter essa perene referência a Jesus Cristo.

Ao mesmo tempo, porém, a Catequese interpela a pessoa para dar sua resposta de fé pessoal ao “mistério da salvação”, que lhe é anunciado. A fé pessoal de cada uma a insere na comunidade de fé, a Igreja de Jesus Cristo. A Igreja crê e nós cremos com ela, e como ela crê. Essa resposta de fé nasce do encontro pessoal com Jesus Cristo e, também, se transforma, inseparavelmente, num encontro pessoal com a comunidade dos discípulos que creem: a Igreja. Não cremos sozinhos, e a participação na fé eclesial é uma experiência riquíssima, que amplia a compreensão daquilo que cremos. Ao mesmo tempo, ajuda a expressar melhor o testemunho da fé acolhida, que se enriquece com o testemunho da comunidade crente. Isso é necessário para superar a pretensão de uma fé individualista e isolada da Igreja que crê, celebra e professa a fé com as obras e a vida.

De fato, a transmissão fiel da Revelação divina compete à Igreja, no seu conjunto, animada e conduzida pelo Espírito Santo. É Ele que não deixa a Igreja crente se desviar da verdade e a ajuda a se renovar constantemente na expressão da fé, no testemunho e na comunicação dos tesouros da fé às novas gerações, aos povos e culturas nos contextos sempre mutantes da história humana. Estejamos seguros de que também este momento, que nós vivemos na história da Igreja, está sendo misteriosa e sabiamente conduzido pelo Espírito Santo. Cabe- -nos estar atentos e “ouvir o que o Espírito diz à Igreja” (cf. Ap 2). A renovação da evangelização e, especificamente, da Catequese, faz parte dessa busca de docilidade Àquele que é o divino animador e guia da Igreja no cumprimento de sua missão na História.

A evangelização tem como fim último ajudar o homem a alcançar o objetivo final de sua existência: a superação do mal e da morte e a salvação eterna, que é participação nos bens de Deus, a começar pela misericórdia e o perdão, a felicidade plena na companhia de Deus e a vida eterna. Em Jesus Cristo, Deus se fez homem para que todo ser humano se torne aquilo que Deus quis para ele, quando o chamou à existência (cf. nº 30). Desde agora, pela fé, já podemos experimentar isso, embora ainda de maneira muito inicial e incompleta. Somos animados, porém, pela esperança da participação na plenitude da salvação.

A Catequese está a serviço da Revelação desse “mistério da vontade de Deus” a nosso respeito (cf. Ef 1,4-5). Na Criação, esse “desígnio salvador de Deus” já está presente, pois Deus não nos fez para a morte e para a frustração absoluta. Criação e redenção são inseparáveis. O desígnio salvador de Deus veio sendo revelado ao longo de todo o caminhar da humanidade e se manifestou de forma excelsa e definitiva em Jesus Cristo, Filho de Deus Salvador. E a Catequese faz parte desse processo de narrar, “de geração em geração”, as grandes obras do Senhor em nosso favor, e de ajudar cada pessoa a responder com fé a Deus que se lhe manifesta também hoje.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

‘Por que duvidaste?’

Certa vez, Jesus dormira na barca, durante uma forte tempestade. Acordado por discípulos desesperados, repreendeu-lhes a falta de fé e conjurou os...

‘Um padre pode celebrar um casamento fora da Igreja?’

O autor da pergunta preferiu não se identificar. Inicialmente, respondo que, claro, um padre pode celebrar casamentos fora da Igreja. Entretanto, há...

Escola e família em tempos de pandemia

Esta quarentena, que a princípio seria reduzida, prolongou-se muito e estamos há aproximadamente 150 dias vivendo uma rotina completamente diferente da habitual.

O Brasil precisa do compromisso cristão centrado no Evangelho

Diante das dificuldades que o Brasil está enfrentando, é preciso que todos os cristãos se mobilizem e exerçam a sua responsabilidade de...

Newsletter