Confira nossa versão impressa

Abre tua mão ao teu irmão

Todos os anos, desde 1971, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) dedica o mês de setembro ao estudo e à contemplação da Palavra de Deus, com a instituição do Mês da Bíblia. Neste ano de 2020, a frase que lhe serve de lema foi extraída do livro do Deuteronômio. Convém, de início, citar por inteiro tal versículo: “Nunca faltarão pobres na terra e, por isso, dou-te esta ordem: abre tua mão ao teu irmão necessitado ou pobre que vive em tua terra” (Dt 15,11). Aliás, o número de pobres e necessitados, tanto na face de todo o globo quanto na do País em que vivemos, parece ter aumentado com a pandemia de COVID-19. Na verdade, além de desmascarar a pobreza oculta e silenciada, o flagelo do coronavírus os trouxe às ruas e praças, e contribui, por sua vez, para criar novos desempregados e subempregados, que, como aves de arribação, erram de um lado para outro ao sabor dos ventos e das migalhas do capital.

O contexto daquele preceito, entretanto, deve ser buscado um pouco mais adiante no mesmo livro bíblico: “Quando colheres as uvas da tua vinha, não deves colher os cachos que ficaram. Deixa-os para o estrangeiro, o órfão e a viúva. Lembra-te de que tu também foste escravo no Egito. Por isso te ordeno que procedas assim” (Dt 24,21-22). Por trás desse comportamento diante dos mais necessitados – estrangeiros, órfãos e viúvas –, está a lembrança inesquecível da escravidão no Egito. A experiência da escravidão em um país estranho deve servir de antídoto para qualquer tipo de opressão futura. Uma vez que foste escravo sob a tirania de faraó, deves cuidar do estrangeiro que vive a teu lado!

A esse trinômio dos prediletos de Deus, que aparece repetidamente no Antigo Testamento, porém, não seria difícil acrescentar outros rostos igualmente marcados por séculos de abandono, penas e dores, como “feições sofredoras de Cristo”. É o que fez, por exemplo, o documento final da Assembleia dos Bispos da América Latina e Caribe de 1979, em Puebla, no México. “Desfilam, entre outros, os rostos de crianças, jovens e anciãos, bem como de indígenas e afro-americanos, camponeses e desempregados” (Documento de Puebla, 31-39). Já na assembleia de Aparecida, os rostos se ampliam, incluindo não somente os migrantes e os dependentes de drogas, como também os enfermos, os prisioneiros, as mulheres e o meio ambiente, este último como face devastada e dilacerada do planeta Terra (Documento de Aparecida, 411-475).

Emerge com força o conceito de cuidado, tão caro ao Papa Francisco, seja na encíclica Laudato si’, de 2015, seja em sua atitude solidária para com os imigrantes e refugiados. Cuidado, em primeiro lugar, com o teu irmão de sangue, que, às vezes, mesmo no interior de casa e da família, debaixo do mesmo teto, se sente abandonado e esquecido. Cuidado, em seguida, com o teu irmão pobre, excluído e descartável, órfão de trabalho, de direitos e de pátria, errando à deriva pelas estradas do êxodo, do exílio e da diáspora. Cuidado, enfim, com a preservação do ar, das águas e do meio ambiente, “nossa casa comum”, no sentido de que ninguém nela se sinta jamais estrangeiro, mas convidado a uma cidadania universal e sem fronteiras, sinal e antecipação da Boa-Nova do Reino de Deus.

Colunas relacionadas

Comentários

  1. Gostei desta reflexão. em nosso mundo tão cheio de fracos sinais de solidariedade é indispensável acolher este “mandamento” do Deuteronômio. Um Deus que olha para todos e nos ordena auxiliar o irmão em busca de uma vida mais plena e satisfatória. O progresso será progresso se chegar para muitos. grato.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Missionários Claretianos comemoram 125 anos de presença no Brasil

Uma missa presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, na Paróquia Imaculado Coração de...

Prefeitura pede que no Dia de Finados cerimônias religiosas em cemitérios ocorram em espaços abertos

Em nota divulgada à imprensa na tarde da segunda-feira, 26, a Prefeitura de São Paulo recomendou que...

‘Acolhamos com fé a semente e o fermento do Reino de Deus’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 27, na capela...

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre eles estão os arcebispos de Washington (EUA) e de Santiago do Chile Três...

Capela São Camilo de Lellis é a presença da Igreja no Hospital do Mandaqui

O templo localizado no hospital da zona Norte de São Paulo é o último retratado na série especial de reportagens do O...

Newsletter