‘Jesus, cheio de compaixão’

6º Domingo do Tempo Comum

No Antigo Testamento, diante da suspeita de lepra, os israelitas deviam ir até um sacerdote que lhes examinasse a pele (cf. Lv 13). Havendo dúvida sobre o diagnóstico, era-lhes imposta uma quarentena. Se o exame visual constatasse “lepra”, o enfermo, declarado “impuro”, era “isolado” da comunidade. Caso viesse a ser “purificado” – devido à precariedade da Medicina, outras doenças eram possivelmente confundidas com a lepra –, deveria comparecer de novo à presença do sacerdote para confirmar a cura antes de retornar à vida social (cf. Lv 14).   

A lepra é uma doença temível e mortal! Decompõe os indivíduos ainda vivos, fazendo-os exalar odores insuportáveis. Reduz seus portadores a um aspecto irreconhecível. Na Antiguidade era, além de tudo, incurável e não raro considerada uma punição divina (cf. Nm 12,9; 2Rs 15,5). Desse modo, sua purificação possuía também um sentido religioso de reconciliação. Mas, principalmente, sendo uma doença contagiosa, trazia consigo repercussões para toda a comunidade. A lepra impunha um conflito entre dois bens: de um lado, a obrigação de compaixão pelo enfermo; de outro, o dever de proteção da comunidade. 

O instinto de sobrevivência é o mais forte e agressivo no homem, e frequentemente tende a prevalecer sobre a compaixão. Assim, os leprosos eram evitados com veemência. “Com as vestes rasgadas, os cabelos em desordem e a barba coberta”, os acometidos desse mal deveriam gritar: “Impuro! Impuro!” (Lv 13,45), ao se aproximarem de outras pessoas. Foi nesse contexto que “um leproso chegou perto de Jesus e, de joelhos, pediu: ‘Se queres, tens o poder de curar-me’” (Mc 1,41). Duas coisas impressionam no gesto: a fé desse homem, que atribui a Jesus um poder divino; e a sua confiança absoluta, que o leva a se aproximar, ajoelhar-se, e implorar ajuda a Nosso Senhor. 

Então, “Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele” (Mc 1,41). Esse gesto seria repetido por tantos discípulos do Senhor para os quais a caridade foi mais forte que a autopreservação! Uma das ocasiões mais famosas foi aquela em que, mil anos depois, São Francisco venceu a repulsa para, enfim, abraçar e beijar um leproso. Foi um dos gestos de “conversão” da sua vida, que depois se tornaria um hábito. Séculos depois, o sacerdote Damião de Molokai se ofereceria para viver em uma ilha de leprosos. Optou por se expor ao contágio e morrer lá, isolado do “mundo são”, para que os leprosos não fossem privados dos sacramentos e pudessem, assim, obter a salvação eterna. Morreu de lepra e é conhecido como São Damião, o leproso. 

Neste tempo de COVID-19, peçamos ao Senhor a verdadeira prudência, para que o necessário cuidado em não propagar o vírus jamais se torne uma desculpa para que a caridade esfrie. Que nos abstenhamos das situações de risco desnecessárias, mormente em favor dos mais vulneráveis. Entretanto, que não nos fechemos no egoísmo! A compaixão não pode ser posta “em espera”, e o amor é mais forte que a doença e a morte. Que Deus nos ilumine!  

Colunas Relacionadas

‘Jesus, cheio de compaixão’

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Assine nossa Newsletter