Confira nossa versão impressa

‘Não tenhais medo dos homens!’ (Mt 10,26)

12º DOMINGO DO TEMPO COMUM 21 DE JUNHO DE 2020

Jesus encoraja os discípulos: “Não tenhais medo dos homens!” (Mt 10,26). Ele previa que, por anunciar o Evangelho, muitos sofreriam uma morte violenta. Sabia, também, que, além do martírio de sangue, os cristãos passariam ao longo da história pela tentação do que chamamos “respeitos humanos”. Esta expressão designa o medo excessivo que podemos experimentar ao ter de manifestar publicamente a nossa fé em Jesus ou ao ter de, em virtude de nossas convicções, agir de modo diferente de como “todos” agem.

É preciso pagar um preço por nos declararmos publicamente cristãos! Pode ser apenas um sorriso irônico. Ou um rótulo de “fanáticos”, “fundamentalistas”, “antiquados”. Para alguns trabalhadores – médicos e enfermeiros que se recusam a fazer um aborto, comerciantes que rejeitam vender coisas indecentes ou agentes públicos que se negam à corrupção -, a objeção de consciência pode custar um emprego ou oportunidade de trabalho. Em casos extremos, como em países islâmicos ou comunistas, a fé cristã pode levar à cadeia ou mesmo à morte.

Por isso, o Senhor exorta: “Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma! Pelo contrário, temei aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno!” (Mt 10,28). Segundo São João Crisóstomo, com estas palavras, Jesus quer levar-nos a um santo temor a Deus. Afinal, temer ofender o Senhor é o que nos liberta do medo de desagradar aos homens. Quem não teme a Deus treme diante dos juízos e ameaças humanos. Quem teme o Senhor se vê livre de preocupações inúteis, pois sabe que nada vale mais do que ter a consciência limpa diante do Criador.

Tanto é assim que Jesus chega a ponto de dizer: “Felizes sois quando vos injuriarem e vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e regozijai-vos, porque será grande a vossa recompensa nos céus” (Mt 5,11s). Está de certo modo previsto que quem for fiel ao Senhor encontrará incompreensões e contrariedades dos homens. Ele alertou: “O discípulo não está acima do mestre; se chamaram de Beelzebu ao chefe da casa, o que não dirão de seus familiares!” (Mt 10,25). Jamais devemos ver o preço da fé como excessivamente alto!

Para que não titubeemos, Nosso Senhor é enfático: “Portanto, todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor dele diante do meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante do meu Pai que está nos céus” (Mt 10,32s). Podemos exercitar essa coragem a partir das coisas pequenas: ao rezarmos antes de comer, ao fazermos o sinal da cruz em público, ao fazermos uma genuflexão devagar e com devoção quando entramos na igreja. Sendo fiéis nas coisas pequenas, será mais fácil não o renegar nas coisas grandes.

O Senhor conhece o íntimo dos corações e nos perscruta a cada instante. Agradá-lo vale mais do que toda a honra do mundo; estar na sua graça vale mais do que todas as riquezas da terra!

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Dez dias de fé e devoção a Santa Cecília

Festa da padroeira aconteceu entre os dias 13 e 22 A Paróquia Santa Cecília celebrou a festa da padroeira entre os dias 13 e 22....

Bispos da Guatemala pedem diálogo e calma em protestos no país

Manifestações são motivadas pela forma controversa pela qual o orçamento público para 2021 foi aprovado

O Papa: num momento difícil, o Advento é a “grande esperança”

Na sua saudação aos fiéis de diversas línguas, no final da audiência geral, Francisco convidou-os a dedicar momentos de oração inspirados nas semanas que...

Dom Odilo: ‘Quem confia em Deus pode esperar a salvação’

Em missa na capela da residência episcopal na manhã desta quinta-feira, 26, transmitida pela rádio 9 de Julho e pelas plataformas digitais da Arquidiocese...

Maradona jogou pela paz a pedido de Francisco

Campeão do mundo com a seleção da Argentina, em 1986, um dos maiores jogadores de todos os tempos morreu nesta quarta-feira, 25. Ele encontrou-se com o Papa, no Vaticano, em 2014

Newsletter