Confira nossa versão impressa

‘Não tenhais medo dos homens!’ (Mt 10,26)

12º DOMINGO DO TEMPO COMUM 21 DE JUNHO DE 2020

Jesus encoraja os discípulos: “Não tenhais medo dos homens!” (Mt 10,26). Ele previa que, por anunciar o Evangelho, muitos sofreriam uma morte violenta. Sabia, também, que, além do martírio de sangue, os cristãos passariam ao longo da história pela tentação do que chamamos “respeitos humanos”. Esta expressão designa o medo excessivo que podemos experimentar ao ter de manifestar publicamente a nossa fé em Jesus ou ao ter de, em virtude de nossas convicções, agir de modo diferente de como “todos” agem.

É preciso pagar um preço por nos declararmos publicamente cristãos! Pode ser apenas um sorriso irônico. Ou um rótulo de “fanáticos”, “fundamentalistas”, “antiquados”. Para alguns trabalhadores – médicos e enfermeiros que se recusam a fazer um aborto, comerciantes que rejeitam vender coisas indecentes ou agentes públicos que se negam à corrupção -, a objeção de consciência pode custar um emprego ou oportunidade de trabalho. Em casos extremos, como em países islâmicos ou comunistas, a fé cristã pode levar à cadeia ou mesmo à morte.

Por isso, o Senhor exorta: “Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma! Pelo contrário, temei aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno!” (Mt 10,28). Segundo São João Crisóstomo, com estas palavras, Jesus quer levar-nos a um santo temor a Deus. Afinal, temer ofender o Senhor é o que nos liberta do medo de desagradar aos homens. Quem não teme a Deus treme diante dos juízos e ameaças humanos. Quem teme o Senhor se vê livre de preocupações inúteis, pois sabe que nada vale mais do que ter a consciência limpa diante do Criador.

Tanto é assim que Jesus chega a ponto de dizer: “Felizes sois quando vos injuriarem e vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e regozijai-vos, porque será grande a vossa recompensa nos céus” (Mt 5,11s). Está de certo modo previsto que quem for fiel ao Senhor encontrará incompreensões e contrariedades dos homens. Ele alertou: “O discípulo não está acima do mestre; se chamaram de Beelzebu ao chefe da casa, o que não dirão de seus familiares!” (Mt 10,25). Jamais devemos ver o preço da fé como excessivamente alto!

Para que não titubeemos, Nosso Senhor é enfático: “Portanto, todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor dele diante do meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante do meu Pai que está nos céus” (Mt 10,32s). Podemos exercitar essa coragem a partir das coisas pequenas: ao rezarmos antes de comer, ao fazermos o sinal da cruz em público, ao fazermos uma genuflexão devagar e com devoção quando entramos na igreja. Sendo fiéis nas coisas pequenas, será mais fácil não o renegar nas coisas grandes.

O Senhor conhece o íntimo dos corações e nos perscruta a cada instante. Agradá-lo vale mais do que toda a honra do mundo; estar na sua graça vale mais do que todas as riquezas da terra!

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

‘Estás com inveja porque sou bom?’

25º DOMINGO DO TEMPO COMUM 20 DE SETEMBRO DE 2020 Um patrão sai de madrugada a contratar trabalhadores para...

Quem foi o sacerdote Melquisedeque?

O Ricardo Paiva, que mora no bairro do Itaim, pede que eu fale a respeito de Melquisedeque, citado na Bíblia.

Para ter a paz no coração

É possível ter paz no coração em um tempo tão difícil como o que estamos vivendo? Minha mãe repetia-nos muitas vezes (tanto...

Ecologia integral

A celebração do Dia da Árvore, estipulada no Brasil para o próximo dia 21, antevéspera da primavera, nos dá a ocasião de...

Vem trabalhar na minha vinha

Para pregar o retiro do Ano Santo do Grande Jubileu de 2000, São João Paulo II convidou o Cardeal vietnamita François-Xavier Nguyên...

Newsletter