Confira nossa versão impressa

O valor das tradições

Há um famoso filme, musical, que gosto muito: “Um violinista no telhado”. O filme trata da vida de uma comunidade judaica na Rússia Czarista do século retrasado. A personagem principal, Reb Tevye, um homem religioso, piedoso, bom pai de família e muito trabalhador, diz logo na primeira cena: “É pela tradição que sabemos quem somos e o que Deus espera de nós”. Churchill disse que “a fortuna fica justificadamente indignada com aqueles que rompem com os costumes do passado”

O tempo atual é iconoclasta e tende a desprezar costumes e tradições. Parece que há um mórbido e esfomeado desejo de desconstrução da identidade de todos os povos, especialmente na porção ocidental do mundo.

Meu objetivo não é tratar das causas, pois necessitaria de rios de tintas, algo que não posso dispor neste espaço, e de muita paciência do amigo leitor, eis que tratar de temas agudos e espinhosos – relativismo moral, materialismo militante, hedonismo, revisionismo histórico, entre outras formas de ativismo ideológico – não é algo fácil de se fazer. Quero, apenas, talvez despretensiosamente, comentar a importância da tradição, algo fundamental para qualquer sociedade e que permeia a psique dos homens e mulheres de boa-vontade, daqueles que se esforçam na preservação de valores fundamentais e não aceitam viver na superfície das coisas.

Valorizar as tradições é, antes de tudo, respeitar a própria história e defender a identidade. A valorização da própria história não impede análises críticas, honestas, e a defesa da identidade não se confunde com abominações como o nacionalismo, o etnocentrismo, a intolerância e qualquer coisa que implique odioso sentimento de pretensa superioridade ou desprezo por tudo o que for diferente, que estiver na esfera “do outro” (outro povo, outra pessoa, outra cultura, outra religião).

Gosto de pensar que o respeito ao conjunto de valores que marca a identidade nada mais é do que a máxima socrática “conheça a ti mesmo” e, sem dúvida alguma, a melhor forma de respeitar as diferenças em geral. Quem se conhece, quem sabe realmente quem é e qual é sua posição no mundo, tende a superar melhor as adversidades, gostar mais da própria vida e, portanto, abrir seu coração ao próximo, ao outro, ao diferente.

Isso parece tão óbvio que eu nem deveria perder tempo a escrever. Parece, mas, infelizmente, não é e justamente por não ser é que escrevo e espero ser lido e compreendido. A tendência atual em destruir a própria identidade e pisotear nas tradições é algo triste, preocupante e que revela perturbadora desordem moral, portanto, também social. Parece existir, sabe-se lá orquestrado por quem e para quê, um plano muito bem construído de corrosão de cultura ocidental, cristã, florescida na Europa e difundida em muitas partes do mundo.

Sataniza-se quase dois milênios de história, de elevada cultura e de tradições impossíveis de serem exaltadas dignamente. Para falar da grandiosidade da civilização cristã ocidental, eu precisaria de livros e livros. Tenho a impressão que aquele que se dedica a diabólica arte de destruir as tradições, simplesmente ignora a grandeza invulgar da civilização ocidental, que tem em sua organicidade a filosofia grega, o Direito romano, os valores e princípios cristãos. Se não ignora, age com má-fé, orientando-se para a destruição do que é belo, justo e valioso. Nunca é demais lembrar que a civilização cristã ocidental deu ao mundo as belas artes, a ciência, a exuberante arquitetura (simbolizada nas catedrais medievais), o sistema de ensino, as melhores práticas de piedade e os mais elevados ideais. A democracia é essencialmente um valor ocidental.

É claro que entre as luzes exuberantes, esses dois milênios foram também pontilhados por sombras e, mesmo, pontos constrangedores de abissal escuridão, mas o produto da soma destes não ofusca toda a grandiosidade da civilização ocidental, muito menos desautoriza sua história e suas tradições.

Cada um de nós, a seu modo, conforme seu estado, deve ser uma sentinela, um defensor das tradições, ajudando a preservar a cultura que herdamos de nossos antepassados. Ou assumimos esse compromisso ou sucumbiremos, perdendo-nos em uma zona cinzenta inferior a triste medida da mediocridade. Preservar tradições não é viver no passado, tampouco se fechar ao novo. Não! Muito pelo contrário: preservar tradições é buscar no passado a inspiração para o presente e discernir quando o novo há de ser abraçado e difundido e quando há de ser deixado de lado ou repelido. Há entre tradição e sabedoria uma união quase hipostática, íntima, inexorável.

É pela tradição que sabemos quem somos e o que Deus espera de nós. Em sendo assim, saberemos melhor respeitar as diferenças, admirar culturas, tradições e costumes alheios, bem como buscar a justiça social, proteger e elevar os mais fracos e vivenciar a mandamento de “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”.

Paulo Henrique Cremoneze, advogado, mestre em Direito Internacional pela Universidade Católica de Santos, especialista em Direito do Seguro pela Universidade de Salamanca, pós-graduado em especialização teológica pela Faculdade de Teologia Nossa Senhora Assunção, vice-presidente da União dos Juristas Católicos de São Paulo (Ujucasp)

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

‘Estás com inveja porque sou bom?’

25º DOMINGO DO TEMPO COMUM 20 DE SETEMBRO DE 2020 Um patrão sai de madrugada a contratar trabalhadores para...

Quem foi o sacerdote Melquisedeque?

O Ricardo Paiva, que mora no bairro do Itaim, pede que eu fale a respeito de Melquisedeque, citado na Bíblia.

Para ter a paz no coração

É possível ter paz no coração em um tempo tão difícil como o que estamos vivendo? Minha mãe repetia-nos muitas vezes (tanto...

Ecologia integral

A celebração do Dia da Árvore, estipulada no Brasil para o próximo dia 21, antevéspera da primavera, nos dá a ocasião de...

Vem trabalhar na minha vinha

Para pregar o retiro do Ano Santo do Grande Jubileu de 2000, São João Paulo II convidou o Cardeal vietnamita François-Xavier Nguyên...

Newsletter