Seis décadas da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II

A bimilenar e atuante Igreja de Cristo está celebrando, em 2022, seis décadas da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II, cujos trabalhos se iniciaram oficialmente em 11 de outubro de 1962. No limiar dos anos 1960, do século XX, no pontificado de São João XXIII, a Esposa de Cristo respondia às urgências do homem contemporâneo. 

Nos seus 2 mil anos de História, a Igreja de Cristo tem-se mostrado sempre presente e, coerentemente atuante, na sociedade em que está inserida. Os fatos históricos e os documentos pontifícios nos mostram o atualizar da Mãe e Mestra, em todos os tempos e em todas as circunstâncias. Nos Arquivos e nas Bibliotecas, há muito material que afirma a presença da Igreja, sobretudo quando pesquisamos e estudamos a atuação dos papas no exercício do Magistério Petrino. 

A eleição do Papa São João XXIII, em 28 de outubro de 1958, foi momento de alegria e expectativa. Qual seria o itinerário pontifício do ancião e recém-escolhido pontífice da Igreja de Cristo? Seria um papa de transição? Traria alguma novidade para a Igreja? Surpreenderia a humanidade? 

Em 25 de janeiro de 1959, na Basílica de São Paulo Fora dos Muros, em Roma, São João XXIII surpreendeu a Igreja e a humanidade, quando anunciou um Sínodo para a Diocese de Roma e um concílio ecumênico. Queria falar aos seus diocesanos, como Bispo de Roma. Queria falar aos homens e mulheres de seu tempo, como Sumo Pontífice da Una, Santa, Católica e Apostólica Igreja de Cristo. O que esperar de tais pronunciamentos? Qual o significado do aggiornamento falado pelo Vigário de Cristo? 

São João XXIII, desde o momento do anúncio do Concílio Ecumênico, não propôs nenhuma alteração na Doutrina Cristã. Seu desejo era apresentar Jesus Cristo ao mundo contemporâneo. A palavra aggiornamento ganhava força na voz do Pontífice Romano. O Santo Padre estava propondo uma atualização da Igreja. Nenhuma mudança na Doutrina Cristã, mas almejava a presença vivaz e comprometida dos cristãos no mundo. Para tanto, o Romano Pontífice apresentava, também, o Diálogo com os homens e as mulheres do nosso tempo. A Igreja de Cristo estava sendo atualizada na História. O Pontífice propunha o Diálogo Ecumênico, o Diálogo com os judeus e o Diálogo Inter-religioso, com todas as demais religiões.

São João XXIII, quando se dirigia aos católicos, falava com docilidade. Vislumbrava a Igreja como Mãe e Mestra, capaz de ouvir com atenção e admoestar com ternura. Expandia sua maneira de ser aos homens e mulheres de boa vontade. Exortava como um pai bondoso e com total gesto de misericórdia. 

Eram tempos difíceis para a humanidade, em 1958, quando o Papa João XXIII iniciou o seu pontificado. Quando anunciou o Concílio Ecumênico, em 1959, houve muitos questionamentos. Porém, quando o momento eclesial se iniciou, descortinavam-se alegria e confiança. Em 2022, lembrar e celebrar os 60 anos da abertura do Concílio Vaticano II se torna um alento para a Igreja de Cristo e uma esperança para a humanidade desejosa de tempos melhores. 

Padre José Ulisses Leva é professor de História da Igreja na PUC-SP. 

1 comentário em “Seis décadas da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II”

  1. Muito feliz a reportagem que nos reaviva a importância dos 60 anos de um Concílio que nos ajudou a encontrar a Igreja como Mãe e Mestra que entendia a minha geração.
    " Nenhuma mudança na Doutrina Cristã, mas almejava a presença vivaz e comprometida dos cristãos no mundo" . Foi a partir deste Concílio que nós pudemos participar mais efetivamente tanto da Celebração da Palavra quanto da Celebração da Eucaristia. Destaque para a Celebração da Reconciliação ainda tão pouco praticada, mas uma grande facilidade para o encontro com a Misericórdia Divina.

    Responder

Deixe um comentário