Vocação, um caminho espiritual

O mês vocacional, há pouco concluído, nos despertou, mais uma vez, para a necessidade urgente da oração pelas vocações e o compromisso de promovê-las para o bem do povo de Deus, o serviço da evangelização. Toda a Igreja, ou todos nós, batizados, é responsável para que não faltem os bons operários e operárias da messe, que expressem a riqueza, diversidade, complementaridade e multiplicidade dos dons, carismas, serviços e ministérios. Como nos recorda São Paulo, na Carta aos Coríntios, “a cada um é dada a manifestação do Espírito, em vista do bem de todos” (1Cor 12,8). 

Sabemos que a experiência vocacional é sempre fruto de uma atração, uma sensibilidade, às vezes uma curiosidade. Como nos mostra o Evangelho, os apóstolos se aproximam de Jesus, atraídos pelo seu testemunho e suas palavras, e lhe perguntam: “Mestre, onde moras?” (Jo 1,38).  Eles foram e com Ele permaneceram. De fato, a vocação é um chamado e uma graça. Vai além de nossas possibilidades, é o Espírito que a inspira e a faz nascer e crescer. A iniciativa é divina, mediada pela realidade, e a Igreja. Trata-se de uma constante nas vocações bíblicas, e o mesmo Jesus nos diz: “Não fostes vós que me escolhestes; fui eu que vos escolhi e vos designei, para dardes fruto e para que o vosso fruto permaneça” (Jo 15,16). É preciso rezar e trabalhar, acolher e discernir, acompanhar, formar e fazer frutificar.  

A vocação é um caminho de maturação da fé, em um diálogo com Deus que dura a vida toda. Basilar no percurso vocacional é o crescimento da vida cristã, em todos os seus aspectos. Uma sólida personalização da fé, fundamentada no encontro pessoal com Jesus Cristo, na comunidade eclesial, e uma consistente vida interior, sustentada pela oração, são condições essenciais para que uma proposta e projeto de seguimento do Senhor se realize. Como no encontro de Jesus com o jovem rico (cf. Mt 19,16-26), não é suficiente viver honestamente, cumprir a Lei, mas é preciso acolher o misterioso convite que transforma toda a existência, o deixar tudo pelo Reino de Deus. 

A experiência vocacional é pessoal: Deus tem um projeto para cada um, e disso devemos ter consciência. No grande dom da vida, todos somos chamados, pelo Batismo, a ser santos e trilhar o caminho da santidade. A nós cabe contribuir para que as pessoas acolham o seu chamado, discirnam sua vocação, seja para uma vida plenamente cristã no mundo secular, na vocação familiar, e nos vários serviços e ministérios da comunidade, seja também para uma forma de consagração religiosa, seja nos ministérios ordenados. Na vida social e eclesial, é preciso chamar, convidar, propor um caminho vocacional. Não é suficiente falar genericamente, mas apresentar aos adolescentes, jovens e adultos uma proposta concreta. E dizer, como Jesus: “Vinde e vede” (Jo 1,39) e “segue-me” (Jo 1,43). Importante um convite explícito e o acompanhamento espiritual, capaz de um diálogo profundo e decisivo, que contribua para a compreensão do chamado, indicando os passos e as condições para ouvir o apelo do Senhor, seu projeto de amor. Rezemos sempre pelas vocações e façamos da vivência de nossa própria vocação um verdadeiro caminho espiritual.  

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter