‘A vacina é a única solução para conter a COVID-19. Precisamos vacinar toda a população, e rápido’

Afirmou Margareth Dalcolmo, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em entrevista ao O SÃO PAULO

Margareth Dalcolmo (foto: Peter Iliciev/Fiocruz)

Margareth Dalcolmo é pneumologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Formada em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), ela é membro de Comissões Científicas da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia e da Sociedade Brasileira de Infectologia, da REDE TB de Pesquisa em Tuberculose e membro do Steering Committee do Grupo denominado RESIST TB, da Boston Medical School. Integra o Expert Group for Essential Medicines List, da Organização Mundial da Saúde (OMS), e o Regional Advisory Committee do Banco Mundial para projetos de Saúde na África Subsaariana em Tuberculose e doenças respiratórias ocupacionais. É docente da Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e presidente eleita para a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o biênio 2022-2024. 

Nesta entrevista, a médica fala sobre sua experiência e contribuição para a saúde pública brasileira no enfrentamento da pandemia e sobre a pesquisa que avalia o uso da vacina BCG na prevenção e redução dos impactos do coronavírus.

O SÃO PAULO Estamos em meio à chamada segunda onda da pandemia. Como a senhora avalia a realidade que temos enfrentado, no que se refere ao alto número de mortes e ao andamento da vacinação no País? 

Margareth Dalcolmo – Estamos, ainda, em um momento grave da epidemia no Brasil por várias razões: primeira, a taxa de transmissão continua elevada; segunda, a presença de novas variantes circulando pelo País e, ainda, não sabemos ao certo o nível de proteção das vacinas contra essas variantes; terceira, é que, infelizmente, ainda grande parte da sociedade civil não compreendeu a complexidade do momento pandêmico que vivemos. E, a quarta razão, a política de vacinação está muito aquém do desejado. 

O Brasil errou em não encomendar as vacinas no tempo certo, que era quando estávamos desenvolvendo estudos de Fase 3 de boa qualidade. Isso contribuiu para a atual situação. Para melhorar essa realidade, nós precisamos vacinar 2 milhões de pessoas por dia. E isso não está acontecendo.

Os meses de março e abril tiveram um alto índice letal. O que esperar dos próximos meses e quais medidas precisam ser mantidas ou adotadas para frear a pandemia?

Neste momento, a população já está cansada de fechamentos, de lockdowns malfeitos, ressalva à cidade de Araraquara (SP), que mostrou que o lockdown funciona e controlou a transmissão epidêmica. Podemos esperar, se não tivermos a “terceira onda”, sem dúvida nenhuma, um grau de estabilidade, considerando-se a taxa de vacinação. Isso é uma equação que tem a ver com a cobertura vacinal, ou seja, quantas pessoas estão vacinadas com as duas doses. Ainda estamos enfrentando, porém, uma alta taxa de mortalidade, com números que superam as 2 mil vidas perdidas, diariamente. Isso, infelizmente, ainda representa um mês de maio muito letal. 

É possível uma terceira onda no Brasil? 

Temos chances reais, sim, da “terceira onda” no País. Lamento informar isso, e gostaria muito de estar errada, mas, infelizmente, vamos enfrentar essa nova fase da pandemia.  São muitos os fatores que me levam a afirmar que essa nova onda seja realidade: sabemos que o Sar-CoV-2 sofreu mutações e as variantes do vírus já estão em nosso meio e, recentemente, foi anunciada a nova variante indiana no Brasil, que chegou pelo Maranhão.  

A senhora está na linha de frente desde o começo da pandemia. Imaginou que chegaríamos a esse cenário atual?

No registro da História, houve outras epidemias, mas, nenhuma, desde a Gripe Espanhola de mais de 100 anos atrás, foi tão pandêmica como esta. A pandemia se disseminou e o mundo todo notificou casos de COVID-19. Então, desde o início, quando verificamos que a taxa de transmissão era muito alta, que era uma doença de transmissão logarítmica, na qual uma pessoa contamina várias outras, imaginamos, sim, que a pandemia poderia ser duradoura, mas não imaginávamos que seria tanto, pois estamos há mais de um ano convivendo com ela. 

Como avalia a estratégia de vacinação adotada no Brasil?

A estratégia teórica, as prioridades definidas, a meu juízo, estão corretas. Entretanto, a disponibilidade pequena e tão aquém do desejável das vacinas é uma grande preocupação. Eu avalio como sofrível o ritmo de vacinação que estamos vivenciando no País.

Sim, a solução para todas as viroses agudas, historicamente, é a vacina. A vacina é a única solução. Precisamos vacinar toda a população, e precisa ser rápido.

O enfrentamento da COVID-19 esbarrou em uma série de disputas entre o governo federal, estados e municípios. Como essa situação afetou o controle da pandemia? 

Sem dúvida, o controle epidêmico ficou muito prejudicado pela politização que foi impressa no controle sanitário. Evidenciou-se discussões desnecessárias, confusão da opinião pública, prioridades não levadas em conta, o paradoxo entre o discurso científico e o discurso político, tudo isso gerou a tragédia que acompanhamos nos índices de mortalidade e para a disseminação da pandemia no País. 

Como estão as pesquisas que a senhora coordena sobre a eficácia da vacina BCG para COVID-19?

A vacina BCG é muito conhecida no Brasil – utilizada desde 1972 e, por normativa do Ministério da Saúde, desde 1976 para todo recém-nascido no País. Ela é usada como uma forma preventiva contra a tuberculose. 

É uma pesquisa BRACE Trail, que é um estudo de Fase 3 contra placebo utilizando a BCG. A BCG é uma vacina muito curiosa porque ela provoca uma reação imunológica muito variada. Assim, se ela é capaz de proteger contra outras viroses respiratórias, a hipótese é que ela também possa proteger contra a COVID-19. 

A pesquisa é de um ano e já terminamos com a inclusão de todos os voluntários e a participação de 2,3 mil profissionais de Saúde do Brasil. Estamos acompanhando e monitorando para fazer uma análise interina ou parcial desses resultados até o meio do ano. 

O que nós esperamos é que, se não for capaz de impedir a doença, pelo menos será capaz de atenuar a virulência dos episódios de COVID-19.

Há mais de um ano de COVID-19, houve algum momento que considera de mais esperança e de desesperança?

A maior esperança é diante do feito extraordinário de, em poucos meses, idealizar plataformas vacinais, tão espetaculares e eficazes e colocá-las em uso em um prazo relativamente curto. A vacina mais rápida que conhecemos levou quatro anos para ser colocada em uso. Esse foi um feito do ser humano que precisa ser registrado e traz grande esperança.

Por outro lado, tivemos muitas decepções com os tratamentos testados. A COVID-19 é uma doença para a qual, até o momento, ainda não há um tratamento medicamentoso eficaz. 

Espero que a humanidade saia disso tudo um pouco melhor, embora os indícios mostram o contrário, pois o que temos visto é uma exclusão e uma desigualdade social absolutamente iníquas. Mas tenho esperança de ver o ser humano menos egoísta e mais generoso.    

Já temos uma previsão para voltar ao normal”? Como será a vida na pós-pandemia?

Teremos, ainda, um ano de 2021 muito difícil e, ao que tudo indica, nos próximos dois anos, o mundo terá que continuar com alguns cuidados coletivos de proteção. A COVID-19 é, com certeza, um fenômeno divisor em nossas vidas e vamos levar tempo para superar. 

Para mim, não existe um novo ”normal”, existe uma retomada da vida e das atividades. Muitas coisas vão mudar, sobretudo em relação aos locais de trabalho, às relações de consumo… Enfim, a pandemia nos provou que não precisamos de tanto consumismo para viver. 

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter