Eleita a nova diretoria da Irmandade de São Pedro dos Clérigos

Criada há 260 anos, organismo tem por finalidade o culto divino, a devoção ao seu padroeiro São Pedro, e a assistência espiritual, material e cultural aos seus associados

Na manhã da segunda-feira, 1, em assembleia geral ordinária, a Venerável Irmandade de São Pedro dos Clérigos elegeu sua nova diretoria para o triênio 2022 – 2025.

Foi eleito Provedor o Padre Jorge Bernardes. O Vice-Provedor é o Padre Reinaldo Torres; o Tesoureiro, o Cônego José Bizon; e o Secretário, o Padre Eduardo Binna. O Conselho Fiscal foi formado pelos irmãos de cada região episcopal.

Após o encerramento da assembleia, houve o agradecimento aos trabalhos realizados pela diretoria anterior: Cônego Walter Caldeira (Provedor); Padre Assis Donizeti de Carvalho (Vice-Provedor); Cônego José Bizon (Tesoureiro); e Padre Jorge Bernardes (Secretário), que se dedicaram aos trabalhos durante o período difícil da pandemia de COVID-19.

HISTÓRICO E MISSÃO

A Venerável Irmandade de São Pedro dos Clérigos da Arquidiocese de São Paulo completou no dia 31 de julho, 260 anos de existência. Criada em 1762, por Dom Frei Antônio da Madre de Deus, 2° bispo da então Diocese de São Paulo, a Irmandade é regida por um estatuto que contém 76 artigos, pelo Código de Direito Canônico, pela legislação brasileira e por disposição da Arquidiocese de São Paulo.

Sem fins lucrativos, desde sua criação, teve por finalidade o culto divino, a devoção ao seu padroeiro São Pedro, e a assistência espiritual, material e cultural aos seus associados.

Mais de dois séculos e meio depois, a Irmandade congrega 278 padres (residentes na capital e fora dela).

Segundo o ex-Provedor da Irmandade, Cônego Walter Caldeira, a missão da Irmandade se mantém: “é estar junto com os sacerdotes, acompanhando-os em todas as suas instâncias, possibilitando acolhida e formação, solidariedade e assistência em momentos de enfermidade. Aos idosos, possibilita acompanhamento médico para que tenham condições de viver com dignidade”.

A nova diretoria ressalta a importância de os novos padres inserirem-se na Irmandade. Podem associar-se apenas diáconos transitórios e padres seculares incardinados na Arquidiocese de São Paulo, mediante pagamento de uma taxa única de adesão de três salários mínimos.

As adesões, somada às coletas da Capela Santa Cruz das Almas dos Enforcados e dos alugueres dos imóveis doados por antigos padres à irmandade, ajudam na manutenção da Sede destinada para o auxílio esporádico de remédios e tratamentos odontológicos aos irmãos remidos, para a Casa São Paulo, destinada ao acolhimento dos padres, além dos 28 colaboradores que se dedicam às suas funções com dedicação e amor.

“Há padres que não veem necessidade em se associar à Irmandade, o que é uma pena, por que esse é um espaço de convívio para a confraternização, comunhão e agradecimento a Deus pelo nosso ministério entre as gerações”, disse o padre irmão remido com 40 anos de sacerdócio.

Enfim, a Venerável Irmandade disponibiliza de dois apartamentos em Santos (SP), uma chácara em Guararema, e cinco diárias por ano, para os padres que desejem visitar a cidade de Campos do Jordão e se hospedarem na Casa São Carlos. Também possui quatro jazigos no Cemitério do Santíssimo Sacramento da Catedral de São Paulo, onde são realizados os sepultamentos dos sacerdotes irmãos que expressam tal desejo.

(Com informações do Padre Jorge Bernardes)

6 comentários em “Eleita a nova diretoria da Irmandade de São Pedro dos Clérigos”

  1. Parabéns pela nova diretoria almejando o sempre presente serviço sacerdotal e missionário. Não participei da assembleia por esta morando em Água de S. Pedro. Devido à pandemia optei por “ficar em casa” cuidando da saúde a qual vai indo bem, graças a Deus. Espero notícias da arqukdiocese e da Ordem de São Pedro.

    Responder

Deixe um comentário