Lideranças católicas na América Latina discutem sobre a defesa da vida e o crime do aborto

Lideranças católicas na América Latina discutem sobre a defesa da vida e o crime do aborto, Jornal O São Paulo
Pixabay

Teve início no sábado, 23, o II Seminário Internacional de Bioética, com o tema “O drama do aborto e experiências de proteção da vida nascente”, uma iniciativa conjunta da Academia Latino-Americana de Líderes Católicos, da Universidade Privada Peruano-Alemã e do Instituto de Estudos Superiores sobre Mulheres do Pontifício Ateneu Regina Apostolorum, de Roma. 

O seminário acontecerá de modo on-line, sempre aos sábados, até 23 de maio. Segundo os organizadores, a atividade tem por objetivo fomentar a reflexão sobre a temática a partir dos fundamentos antropológicos, filosóficos e éticos do valor e do caráter inviolável da vida humana; recordar o ensino do Magistério Social da Igreja sobre a vida; e, sobretudo, aprofundar os fundamentos antropológicos e bioéticos do início da vida humana; avaliar as consequências, sequelas e danos causados pelo aborto; elucidar o debate público da vida humana em um mundo plural e diversificado. Também serão mostradas experiências concretas de proteção à vida em diferentes países da América Latina. 

INVIOLÁVEL 

Na conferência de abertura, com o tema “O evangelho da vida no Magistério da Igreja Católica”, Dom Javier del Río Alba, Arcebispo de Arequipa, no Peru, e membro do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, fez um resgate histórico sobre o valor da vida desde a concepcão, tomando por base as declarações dos pontífices, a Doutrina Social da Igreja (DSI), o Evangelho e a Ciência. 

Dom Javier enfatizou que o direito à vida é inviolável e que os direitos humanos compõem a fundamentação da vida cristã. “O homem é a imagem e semelhança de Deus. Garantir a vida e não matar está na essência cristã”, afirmou, recordando a declaração sobre o aborto feita em 1974 pela Congregação para a Doutrina da Fé. 

“A vida humana é preciosa, a vida permanece e tem como dom se multiplicar. O aborto é um ato imoral e uma prática violenta contra a vida”, ressaltou, mencionando que todos devem se opor a tal prática. “O aborto é um crime. Ao defender a vida, não devemos temer a impopularidade”, acrescentou. 

DEFESA DA VIDA 

Marco Antonio Adame, médico-cirurgião e vice-presidente da Centrista Democrática Internacional e da Organização Democrata Cristã da América, do México, pontuou a realidade e o contexto internacional da defesa da vida. 

Ele ressaltou os principais documentos pontifícios acerca do tema, como a Gaudium et spes (1965) e Humanae vitae (1968), de São Paulo VI; Evangelium vitae (1995), de São João Paulo II; Laudato si’ (2015) e Fratelli tutti (2020), do Papa Francisco. 

Adame enfatizou alguns dos principais desafios dos organismos internacionais frente à atrocidade do aborto e o desrepeito à vida do nascituro, como as legislações permissivas a tal prática nos países; sua oferta como política de saúde pública em alguns casos; e a urgência de se encontrar novas formas de tratar a defesa integral da vida desde a concepção. 

ESPERANÇA 

Adame ressaltou que, apesar dos desafios, há um horizonte de esperança: “A cada dia, surgem iniciativas e debates promovidos por indivíduos, grupos, movimentos locais e internacionais contra o aborto, contra o tráfico de pessoas e órgãos. Isso é extremamente necessário e importante para a conscientização e defesa da vida em todas as esferas”, afirmou. 

O médico ressaltou, ainda, que outro sinal de esperança é “as famílias abertas à vida, à adoção, ao acolhimento dos abandonados”, disse, evidenciando também os avanços da Medicina, como a investigação biomédica e a maior conscientização de que o cuidado com a casa comum envolve também zelar pela vida humana. 

TESTEMUNHOS 

Durante o seminário, o testemunho de escolha pela vida de Dolores Aveiro, mãe do jogador de futebol Cristiano Ronaldo, foi recordado em vídeo. 

Quando grávida, Dolores buscou duas tentativas para abortar: primeiro, procurou um médico, que se recusou a realizar o procedimento, sob a alegação de que ela era jovem, saudável e sem impedimentos para criar a quinta criança. Em seguida, desesperada, procurou ainda uma outra tentativa de interromper a gravidez. “Eu afirmo – abortar e aborto nunca mais!”, diz Dolores no vídeo. 

Em seguida, o casal Loyola Martinez, pais de cinco filhos, compartilhou as alegrias e desafios de uma família numerosa. “A vida é uma dádiva de Deus e nunca pensamos em abortar. Nossos filhos são bênçãos divinas”, disseram, ao afirmar o compromisso com a inviolabilidade da vida. 

Padre Julio Adolfo Kocha Aquino, da Argentina, relatou a dura realidade de pobreza que o país enfrenta devido à crise político-econômica nos últimos anos, e ressaltou que tem crescido o número de procura por abortos em clínicas clandestinas. 

“A realidade de desespero de muitas mulheres, a pobreza, a insegurança, faz com que optem por esse caminho”, afirmou o Sacerdote, questionando-se em como garantir a vida em meio a miséria e sofrimento. 

CONTINUIDADE 

Até o final do seminário, cujas inscrições já foram encerradas, também ministrarão aulas e reflexões outras pessoas com destacada atuação pró-vida no continente latino-americano, entre os quais o Padre José Ángel Córdova Villalobos, ex-presidente do Conselho de Administração da Organização Pan-Americana da Saúde; Hernán Garrido-Lecca, reitor da Universidade Privada Peruano-Alemã; Carmen Asiaín Pereira, senadora uruguaia; Elizabeth Bunster Chacón, diretora e fundadora da Corporación Proyecto Esperanza; e Angela Gandra Martins, secretária da Família do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos do governo federal brasileiro. 

Outras informações sobre o seminário podem ser obtidas em
www.liderescatolicos.net/bioetica2

Deixe um comentário