Nas fronteiras e estações de trem da Europa, ucranianas encaram a ameaça do tráfico humano

Nas fronteiras e estações de trem da Europa, ucranianas encaram a ameaça do tráfico humano
Arquivo pessoal

O êxodo de mulheres e crianças ucranianas se tornou uma grande oportunidade para ações escusas que envolvem o tráfico humano. O alerta foi feito por clérigos católicos, que estão tomando as medidas necessárias para proteger os refugiados.

Até mesmo o Papa Francisco destacou a situação em um tuíte recente: “Pensemos nessas mulheres e crianças que, com o tempo, sem trabalho, separadas de seus maridos, serão procuradas pelos ‘abutres’ da sociedade. Por favor, vamos protegê-las”.

Na Alemanha, a Polícia vem alertando há semanas que todas as pessoas devem estar vigilantes nas áreas de acolhida de refugiados.

MUNIQUE E BERLIM

Na principal estação de trem tanto de Munique quanto de Berlim, centenas de refugiados ucranianos se misturam diariamente aos trabalhadores humanitários, voluntários e cidadãos comuns que os recebem. De acordo com vários relatos, entre esses “ajudantes” há um número crescente de homens que querem forçar as mulheres à prostituição.

“Aqui na estação principal, muito está sendo feito: há um centro de aconselhamento especializado, com funcionamento 24 horas por dia”, disse Bettina Spahn, líder da missão católica da estação ferroviária em Munique.

“Estamos no local 24 horas por dia; a Cáritas está aqui 24 horas por dia. A Polícia está no local. É indicado pu- blicamente em panfletos multilíngues que as mulheres devem ter cuidado. Não é um fenômeno de massa, mas já vivemos casos isolados de tentativa de tráfico de pessoas e podemos ajudar a

Arquivo pessoal preveni-lo. Estou confiante de que temos esse problema sob controle aqui, mas ele existe”, concluiu.

Em Berlim, cidade alemã que fica a apenas 80 quilômetros da fronteira polonesa, homens mais velhos foram vistos abordando mulheres ucranianas de um determinado biotipo e faixa etá- ria e, em certas circunstâncias, também lhes ofereceram dinheiro.

EUROPA

Os governos da Alemanha, Áustria, Eslováquia, França e Romênia relataram que uma das medidas que adotaram foi o monitoramento de buscas on-line depois que um aumento foi observado na procura por mulheres ucranianas por sexo e casamento. Também distribuíram folhetos traduzidos para o ucraniano para informar as pessoas sobre seus direitos e opções.

Catholic News Service

Deixe um comentário