Papa na missa pelos cardeais e bispos falecidos: “Na dor encontramos a esperança”

“No auge da dor, os que estão unidos ao Senhor veem que Ele derruba o sofrimento, transforma-o em uma porta através da qual entra a esperança”. Palavras do Papa Francisco na homilia da missa em sufrágio pelos cardeais e bispos falecidos no decurso do último ano

Vatican Media

O Papa Francisco celebrou a missa de sufrágio, na quinta-feira, 4, na Basílica de São Pedro, pelos cardeais e bispos falecidos nos últimos doze meses. A homilia foi centrada neste convite: “É bom esperar em silêncio a salvação do Senhor” (Lam 3,26)”.  Esclarecendo que “esta atitude não é um ponto de partida, mas um ponto de chegada. De fato, o autor chega a este ponto no final de um percurso, um percurso acidentado, que o fez amadurecer”. Francisco disse que para que isso aconteça, é necessária uma longa transformação interior marcada pelo sofrimento. “Esta paciência não é resignação, pois é alimentada pela expectativa do Senhor, cuja vinda é certa e não desilude”.

A arte de esperar o Senhor

“Queridos irmãos e irmãs, como é importante aprender a arte de esperar o Senhor! Esperando-o mansamente, com confiança, banindo fantasmas, fanatismos e clamores; preservando, especialmente em tempos de provações, um silêncio cheio de esperança. É assim que nos preparamos para a última e maior prova da vida, a morte”

“Mas primeiro – advertiu o Papa – há as provas do momento, há a cruz que temos agora, e para a qual pedimos ao Senhor a graça de saber esperar ali, bem ali, por sua salvação vindoura”.

Francisco explicou que precisamos amadurecer neste aspecto pois “diante das dificuldades e problemas da vida, é difícil ser paciente e permanecer serenos”. Muitas vezes somos tomados pela irritação e desconforto, e levados ao pessimismo e resignação. Acrescentando que “na provação, nem mesmo boas lembranças do passado podem consolar, porque a aflição leva a mente a se deter em momentos difíceis”.

Mudança de rota

“Neste ponto”, continua o Santo Padre, “o Senhor nos apresenta uma mudança de rota, no exato momento em que, ainda continuamos a dialogar com Ele, e parece que estamos no fundo do poço. No abismo, na angústia da nossa desorientação, Deus se aproxima para salvar. E quando a amargura atinge seu auge, a esperança volta a florescer de repente”.

A chegada da esperança

“No auge da dor, os que estão unidos ao Senhor veem que Ele derruba o sofrimento, transforma-o em uma porta através da qual entra a esperança. É uma experiência pascal, uma dolorosa passagem que se abre à vida, uma espécie de trabalho espiritual que na escuridão nos faz vir novamente à luz”

Aqui Francisco ponderou: “Esta reviravolta não é porque os problemas desapareceram, mas porque a crise se tornou uma misteriosa oportunidade de purificação interior. A prosperidade, de fato, muitas vezes nos torna cegos, superficiais e orgulhosos. Por outro lado, a passagem pela provação, se ela for vivida no calor da fé, apesar de sua dureza e lágrimas, faz com que renasçamos e nos encontremos diferentes do passado.

Na dor encontramos a esperança

Um Padre da Igreja escreveu que “nada mais do que sofrimento leva à descoberta de coisas novas” (São Gregório de Nazianzo, Ep. 34). O Papa confirmou essas palavras:

“Sim, porque Deus nos acompanha sobretudo em nossas dores, como um pai que ajuda seu filho a crescer bem estando ao seu lado nas dificuldades sem tomar o seu lugar. E, antes de chorarmos, a emoção já tomou conta dos olhos de Deus Pai. A dor permanece um mistério, mas neste mistério podemos descobrir de uma nova maneira a paternidade de Deus que nos visita nas provações, e vem dizer, com o autor das Lamentações: ‘O Senhor é bom para aqueles que esperam n’Ele, para aqueles que O buscam’ (v. 5).

Saber esperar em silêncio pela salvação do Senhor é uma arte

Por fim o Papa Francisco disse:

“Hoje, diante do mistério da morte remida, pedimos a graça de olhar a adversidade com olhos diferentes. Pedimos a força para saber viver no silêncio manso e confiante que espera a salvação do Senhor, sem lamentações e descontentamentos. O que parece ser um castigo se revelará uma graça, uma nova demonstração do amor de Deus por nós. Saber esperar em silêncio pela salvação do Senhor é uma arte. Cultivemo-lo.”

Continuando a falar sobre a riqueza do silêncio afirmou: “É precioso no tempo em que vivemos: agora mais do que nunca não há necessidade de gritar e fazer alarde, mas cada um de nós deve testemunhar com a vida a fé, que é uma espera dócil e esperançosa. O cristão não diminui a seriedade do sofrimento, mas levanta seus olhos para o Senhor e sob os golpes da provação confia n’Ele e reza pelos que sofrem. Mantém seus olhos no céu, mas suas mãos estão sempre na terra, para servir concretamente ao seu próximo”.

Concluindo Francisco disse ainda: “Neste espírito, rezamos pelos Cardeais e Bispos que nos deixaram no ano passado. Alguns deles morreram por causa da Covid-19, em situações difíceis que agravaram o sofrimento. Desejamos a estes nossos irmãos a alegria do convite evangélico que o Senhor dirige a seus servos fiéis: “Vinde, benditos de meu Pai, recebei por herança o reino preparado para vós desde a fundação do mundo” (Mt 25,34).    

(Com informações de Vatican News)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter