Papa: “Peçamos ao Sagrado Coração a graça de podermos consolar”

“Contemplando o Coração de Cristo, podemos nos deixar guiar por três palavras: recordação, paixão e conforto”. Palavras do Papa Francisco na homilia Santa Missa na Universidade Católica de Roma por ocasião do 60° aniversário da inauguração da Faculdade de Medicina e Cirurgia que se encontra junto ao Hospital Gemelli

Papa:
Vatican Media

Na sexta-feira, 5, o Papa Francisco presidiu uma Santa Missa na Universidade Católica de Roma por ocasião do 60° aniversário da inauguração da Faculdade de Medicina e Cirurgia que se encontra junto ao Hospital Gemelli. Na sua homilia o Papa disse que gostaria de compartilhar algumas reflexões sobre o nome da Universidade. “Ela é intitulada ao Sagrado Coração de Jesus, a quem este dia, a primeira sexta-feira do mês, é dedicado. Contemplando o Coração de Cristo, podemos deixar-nos guiar por três palavras: recordação, paixão e conforto”.

Recordação

“Re-cordar significa ‘retornar com o coração’. Ao que o Coração de Jesus nos faz retornar? Ao que Ele fez por nós: o Coração de Cristo nos mostra Jesus que se oferece: é o compêndio da sua misericórdia. Olhando para Ele, é natural recordar sua bondade, que é gratuita e incondicional, não depende de nossas obras. E isso nos comove”

Francisco adverte que com o nosso ritmo de vida “estamos perdendo a capacidade de nos comover e de sentir compaixão, porque estamos perdendo este retorno ao coração, à memória. Sem memória perdemos nossas raízes e, sem raízes, não crescemos. É bom para nós alimentar a memória daqueles que nos amaram, cuidaram de nós, nos encorajaram. Hoje eu gostaria de renovar meu “obrigado” pelos cuidados e afeto que recebi aqui”.

Então o Pontífice questiona: “Como funciona nossa memória? Dito de forma simples, poderíamos dizer que nos recordamos de alguém ou algo quando toca nosso coração, quando está ligado a um determinado afeto ou falta de afeto. Bem, o Coração de Jesus cura nossa memória porque a traz de volta ao afeto de origem. Ele a enraíza sobre a base mais sólida. Isso nos lembra que, aconteça o que acontecer conosco na vida, nós somos amados”.

Memorizar os rostos que encontramos

O Papa disse que esta memória, pode ser reforçada quando estamos ao lado do Senhor e nos deixamos amar por Ele na adoração. E continua: “Mas também podemos cultivar entre nós a arte da recordação, valorizando os rostos que encontramos”.

“É bom para nós, à noite, rever os rostos que encontramos, os sorrisos que recebemos, as boas palavras. São recordações de amor e ajudam nossa memória a se reencontrar. Como essas recordações são importantes nos hospitais! Elas podem dar sentido ao dia de um enfermo. Uma palavra fraterna, um sorriso, uma carícia no rosto: são recordações que curam por dentro, fazem bem ao coração. Não esqueçamos a terapia da recordação!”

Paixão

A palavra é paixão. Depois de dizer que temos que recordar que o Coração de Cristo não é “uma devoção piedosa para sentir um pouco de calor interior”, Francisco afirma ao invés que é “um coração apaixonado, ferido de amor, dilacerado por nós na cruz”. “Trespassado, doa; morto, nos dá vida”.

“O Sagrado Coração é o ícone da paixão: nos mostra a ternura visceral de Deus, sua paixão amorosa por nós e, ao mesmo tempo, sob o peso da cruz e cercado de espinhos, nos mostra quanto sofrimento custou nossa salvação. Na ternura e na dor, esse Coração revela, em suma, qual é a paixão de Deus: o homem”

E explica: “O que isso sugere? Que se realmente queremos amar a Deus, devemos ser apaixonados pelo homem, por todo homem, sobretudo aqueles que vivem a condição na qual o Coração de Jesus se manifestou: dor, abandono, descarte”. “Porque – continua o Papa – o Coração de Deus dilacerado é eloquente. Fala sem palavras, porque é misericórdia em seu estado puro, amor que é ferido e dá vida. É Deus”.

“Quantas palavras dizemos sobre Deus sem demonstrarmos amor! Mas o amor fala por si mesmo, não fala de si mesmo. Peçamos a graça de ser apaixonados pelo homem que sofre, de ser apaixonados pelo serviço, para que a Igreja, antes de ter palavras para dizer, possa custodiar um coração que pulsa de amor”.

Conforto

Ao falar sobre a palavra conforto no contexto das três palavras pelas quais nos deixamos guiar ao contemplar o Coração de Jesus afirma:

“Ela indica uma força que não vem de nós, mas daqueles que estão conosco. Jesus, o Deus conosco, nos dá esta força, seu Coração nos dá coragem nas adversidades. Tantas incertezas nos assustam: nesta época de pandemia, descobrimos que somos pequenos e mais frágeis”.

Nossa fragilidade precisa de conforto

Somos frágeis aos enfrentarmos adversidades, podemos nos sentir desencorajados, por isso precisamos de conforto, portanto afirma:

“O Coração de Jesus bate por nós, sempre repetindo estas palavras: ‘Coragem, não tenha medo’. Coragem irmã, coragem irmão, não desanime, o Senhor teu Deus é maior que teus males, ele te pega pela mão e te acaricia. Ele é seu conforto”

Na conclusão de sua homilia afirma:

“Se olharmos a realidade a partir da grandeza de seu Coração, a perspectiva muda, nosso conhecimento da vida muda porque, como São Paulo nos lembrou, conhecemos ‘o amor de Cristo que supera todo conhecimento’ (Ef 3,19). Encorajemo-nos com esta certeza, com o conforto de Deus. E peçamos ao Sagrado Coração a graça de, por nossa vez, podermos consolar”.

(Com informações de Vatican News)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter