'Para nós católicos, deve ficar claro que na política não se deve ver os adversários como inimigos'

O Arcebispo de São Paulo ressaltou a importância do diálogo e participação política em seu programa diário na rádio

'Para nós católicos, deve ficar claro que na política não se deve ver os adversários como inimigos', Jornal O São Paulo
Luciney Martins /O SÃO PAULO

Falando diretamente do Mosteiro de Itaici, em Indaiatuba (SP), onde participa da 84a Assembleia dos Bispos do Regional Sul 1 da CNBB, o Cardeal Odilo Pedro Scherer comentou, no programa “Encontro com o Pastor”, da quarta-feira, 8, na rádio 9 de Julho, sobre o papel cristão em meio ao período eleitoral.

Em Itaici, estão bispos de mais de 40 dioceses localizadas no estado de São Paulo, incluindo os encarregados pelas dioceses, os eméritos e os bispos auxiliares.

Dom Odilo destacou que as reflexões têm se dado sobre a realidade da Igreja, da sociedade e sobre a situação do Brasil. “Enfim, sobre os desafios que nós, bispos, temos diante de nós para sermos pastores do povo, para sermos guias das nossas comunidades cristãs nas comunidades católicas. E para sermos os missionários do Evangelho, anunciando a Palavra de Deus nesta situação que estamos”.

Dom Odilo comentou que um dos pontos tratados foi a atual polarização política no Brasil, com a proximidade das eleições de outubro. “O povo fica muito envolvido, porque a política é uma paixão muito forte e cada um tem as suas convicções, os seus gostos, a sua tendência política”, observou.

Comentou, ainda, que é natural que cada pessoa expresse aquilo que crê ser a melhor forma, com a natural diversidade de ideias, gostos e preferências. Ressaltou, também, que é importante que o católico seja participante na política, pois se as pessoas boas se ausentam do processo democrático, as com más intenções tomam conta.

“A política é o exercício do bem comum e, por isso, quem se dedica à política deve visar e servir o bem comum. Não simplesmente o bem particular ou então de um grupo que apoie”, comentou.

O Cardeal também falou sobre a rivalidade política e a inimizade: “Para nós católicos, deve ficar claro que na política não se deve ver os adversários como inimigos”, enfatizou, lembrando que é possível dialogar sobre o tema sem ofender o próximo.

Por fim, o Arcebispo de São Paulo recomendou que os eleitores reflitam sobre o voto, apoio político e o exercício da cidadania.

OUÇA A ÍNTEGRA DO PROGRAMA “ENCONTRO COM O PASTOR”

Deixe um comentário