Unifai: 50 anos de compromisso e promoção humana por meio da Educação

O Centro Universitário Assunção (Unifai) completa 50 anos de fundação e para marcar este jubileu aconteceu na sexta-feira, 12, um evento comemorativo no auditório “Maria Rosa Mística”, na sede da instituição, no bairro Vila Mariana, zona Sul da capital.

Unifai: 50 anos de compromisso e promoção humana por meio da Educação
Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO

Participaram o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo e Grão-Chanceler do Unifai; Dom Carlos Lema Garcia, Bispo Auxiliar da Arquidiocese e Vigário Episcopal para a Educação e Universidade; a professora doutora Karen Ambra, Reitora; o professor doutor Alessandro Fuentes Venturini, Vice-Reitor; e outros professores, gestores, estudantes, ex-alunos e colaboradores.

À SERVIÇO DA IGREJA E DA SOCIEDADE

Na abertura do evento, Dom Odilo recordou a história do Unifai e destacou que o itinerário acadêmico e formativo da instituição sempre esteve pautado pelos princípios da doutrina e moral cristã, assegurando a liberdade de ensino e de expressão do pensamento.

“O Unifai está a serviço da Igreja e a serviço daquilo que é próprio da sua missão”, e, portanto, “extensivo à sociedade por meio dos cursos aqui oferecidos, comprometidos com a educação e a formação integral”, afirmou.

O Arcebispo acrescentou que o Unifai contribui para a edificação do Reino de Deus a partir da sua missão enquanto centro universitário.

“Como comunidade acadêmica, o Unifai é sinal da construção de uma sociedade mais humana, pautada nos valores da vida e da verdade”, sublinhou o Cardeal, reforçando o desejo para que a instituição cresça em oferta de cursos e serviços de qualidade e possa oportunizar o acesso ao conhecimento acadêmico as classes mais vulneráveis “oferecendo  alternativas e modalidades de estudos a todos, sem distinção”, pontuou.

HISTÓRIA

O Unifai é atualmente mantido pela Fundação São Paulo. Surgiu a partir do desejo do Cardeal Paulo Evaristo Arns, então Arcebispo Metropolitano, de que o curso de Filosofia dos seminaristas fosse reconhecido, certificado.

“A finalidade principal da fundação, baseada nos valores cristãos, é a contribuição para a formação humana da sociedade brasileira, tendo como finalidade a formação do clero, de religiosos, agentes de pastoral e leigos no pleno contexto universitário brasileiro”, descreve a missão da instituição.

Em 1970, foi criado o Instituto Educacional Seminário Paulopolitano (IESP), estritamente ligado ao Seminário de São Paulo – fundado por Dom Antônio Joaquim de Melo, em 1856, e criado para atender à política educacional brasileira e às propostas do Concílio Vaticano II presentes na constituição apostólica Gaudium et spes.

Em sua longa história, o seminário foi, a partir de 1908, a sede da primeira Faculdade de Filosofia do Brasil, concedida pela Santa Sé, com direito de oferecer graus acadêmicos de licenciatura e bacharelado.

Formou inúmeros leigos e sacerdotes das Províncias Eclesiásticas dos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e de outras partes do Brasil. Com as mudanças introduzidas pelo Concílio Vaticano II, o imóvel do Seminário Ipiranga foi ampliado para funcionar como um grande centro de estudos. Assim, o IESP implantou as Faculdades Associadas do Ipiranga (FAI), em 1971, agregando as Faculdades de Filosofia, Ciências e Letras.
Em 1973, introduziu-se neste núcleo as Faculdades de Administração e Ciências Contábeis, possibilitando à FAI crescer com a criação de novos cursos.
Em 1980, a partir da necessidade de um novo espaço que pudesse abrigar, com conforto e acessibilidade, criou-se o campus na Vila Mariana para atuar, paralelamente ao campus Ipiranga, os cursos de Pedagogia, História, Letras, Matemática e Geografia. Ao longo dos anos, foram implantados os cursos de Direito, Biblioteconomia, Serviço Social entre outros.
No ano 2000, a FAI passou a se chamar Centro Universitário Assunção (Unifai). Em 2010, a instituição transferiu-se definitivamente para o campus Vila Mariana.

COMPROMISSO ACADÊMICO E SOCIAL

Em entrevista ao SÃO PAULO, a reitora do Unifai, Karen Ambra, afirmou que, desde a sua criação, o Centro Universitário Assunção é reconhecido por sua atuação acadêmica e social.
“O Unifai é reconhecido pela qualidade da formação, pela produção de conhecimento e por seu impacto social”, destacou, ressaltando ser a primeira mulher à frente da reitoria.
Karen enfatizou o caráter comunitário da instituição que, além de formar profissionais, atua diretamente na sociedade com projetos ligados no campo do saber, com os migrantes, o apadrinhamento afetivo, atendimento jurídico à população carente, entre outros.
“São ações que evidenciam o caráter social e evangélico do Unifai que vai ao encontro e promove a dignidade às pessoas em situação de vulnerabilidade, uma atuação conjunta do corpo docente e discente”, assegurou.

“O nosso intuito é formar consciências, cidadãos, pessoas comprometidas com o bem comum”, acrescentou a reitora, que é docente da instituição há mais de 10 anos.

Unifai: 50 anos de compromisso e promoção humana por meio da Educação

IDENTIDADE CATÓLICA

Dom Carlos Lema Garcia ressaltou que o Unifai é uma entidade intrinsecamente ligada à Igreja Católica com o intuito de oferecer o serviço acadêmico à sociedade e a formação de pessoas e profissionais nas diversas áreas do saber.

“O Centro Universitário tem uma identidade que é confessional e uma vocação própria de amor ao saber e da busca pelo conhecimento da Verdade”, disse, reforçando que a instituição contribui para a promoção da Cultura.

Ao mencionar o documento Ex corde ecclesiae, de São João Paulo II, Dom Carlos lembrou que “a comunidade educativa deve estar formada por docentes que não só possuam competências profissionais, autonomia, capacidade crítica, criatividade, facilidade de relacionamento, abertura à inovação, interesse sincero pela pesquisa, amor a verdade, mas sejam, também, docentes verdadeiramente conscientes da sua função educativa, da sua verdadeira identidade em empenhar-se no serviço a sociedade e a missão da Igreja”.
O Bispo Auxiliar recordou ainda que, em visita recente ao Unifai, pôde conhecer os trabalhos sociais desenvolvidos e a atuação da Pastoral Universitária: “A dimensão social é um aspecto próprio do Unifai que contribui para a formação de seus estudantes no âmbito intelectual e prático com ações e campanhas concretas junto às pessoas em situação de vulnerabilidade social”.

CELEBRAR E AGRADECER

Ascânio João Sedrez, diretor pedagógico do Instituto de Educação Bonni Consilii, das Missionárias do Sagrado Coração e ex-aluno do Unifai, destacou a gratidão e os vínculos com a entidade.

“Sou fruto da Educação católica. Desde criança, estudei em colégios católicos e no âmbito acadêmico o Unifai compõe um capítulo da minha jornada acadêmica, a quem sou grato”.
Thiago Rodrigues, é membro do corpo docente do Unifai. Ele recordou o papela do Centro Universitário Assunção em sua formação humana e profissional: “Fui aluno de escola pública na periferia de São Paulo e ingressei no Unifai para cursar Filosofia. A Instituição me abriu portas e oportunidades para crescer como pessoa e como docente”, destacou.

Augusto Cezar Pandino de Oliveira, ex-aluno e ex-membro da Pastoral Universitária, formou-se em Direito em 2019. “Ser Unifai é motivo de alegria. Retornar por ocasião dos 50 anos é sinônimo de reconhecimento e gratidão”, contou ele, que animou o evento tocando seu violoncelo.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter