Confira nossa versão impressa

A oração do Papa às vítimas do terremoto que há 4 anos devastou cidades da Itália

Solidariedade e esperança são as palavras usadas pelo Papa para lembrar do terremoto de 4 anos atrás, além de temas enaltecidos nesta segunda-feira, 24, pelo bispo de Rieti, Dom Domenico Pompili, ao voltar o olhar para a reconstrução que avança lentamente na região central da Itália. Por esse motivo, segundo o presidente do país, Sergio Mattarella, é necessário recuperar “determinação e eficiência”.

A oração do Papa às vítimas do terremoto que há 4 anos devastou cidades da Itália
ANSA

O quarto aniversário do terremoto que devastou cidades da região central da Itália é lembrando nesta segunda-feira (24) nas palavras do Papa Francisco que, em um tweet lançado no perfil oficial em língua italiana, também se une em oração à comunidade local. Diz a mensagem no @Pontifex_it:

“Renovo a oração pelas famílias e as comunidades que mais sofreram danos para que possam seguir em frente com solidariedade e esperança.”

Já no domingo, 23, no Angelus, Francisco havia falando sobre a reconstrução desses “belíssimos territórios dos Apeninos”. Para o presidente da Itália, Sergio Mattarella, “apesar de muitos esforços significativos, o trabalho de reconstrução das cidades destruídas está inacabado e prossegue com dificuldade, entre muitas dificuldades também de natureza burocrática”. Portanto, para o chefe de Estado, que divulgou uma mensagem para este dia, “a República – em todas as suas instituições, territoriais e de setor – deve considerar como prioritário o destino dos concidadãos mais desafortunados, afetados por desastres naturais, recuperando, em todos os níveis, determinação e eficiência”.

A vigília e as missas em Amatrice e Accumoli

299 foram as vítimas daquela noite trágica entre 23 e 24 de agosto de 4 anos atrás, revivida na zona vermelha de Amatrice, na vigília desta noite. Às 3h36 em ponto, os sinos tocaram e foram acompanhados da leitura de cada um dos nomes das pessoas que ficaram sob os escombros. Pela manhã desta segunda-feira, 24, foi realizada uma missa solene em memória às vítimas, celebrada pelo bispo da diocese de Rieti, dom Domenico Pompili. Ao final do dia, enfim, a recordação parte de Accumoli, com a segunda celebração eucarística, sempre em respeito às normas de contenção da Covid-19.

O bispo de Rieti: a população está desorientada

Ao Vatican News, dom Pompili, enfatizou que a “esperança” de quem espera pela reconstrução agora não deve ser desapontada. E sobre este quarto aniversário do terremoto na região central da Itália comenta:

“Certamente está sendo vivido como uma ferida que se reabre. No sentido de que, embora a dor pela perda de entes queridos nunca tenha sido curada, o aniversário acaba sendo um dia ainda mais difícil para a memória. E, ainda, junto a esse sentimento de dor que se repete, há também um sentimento de desorientação. Porque parece, mesmo após 4 anos, que não exista certeza em relação ao futuro, o que significa, de uma forma particular, aquele da própria casa, de um retorno àquilo que foi apagado no arco de poucos segundos na noite de 23 e 24 de agosto. Passamos por estes anos numa condição em que os tempos têm se tornado cada vez mais longos. As questões ainda não foram enfrentadas, tanto às relativas à reconstrução propriamente dita, como aquelas relativas às estradas e à infraestrutura, e ainda aquelas relativas ao trabalho. Portanto, o que se espera é uma esperança, de que se fosse desapontada mais uma vez, seria verdadeiramente doloroso”.

Idosos estão na categoria de maior risco

A situação do lado da região de Marche também é difícil. Cidades inteiras, como Arquata del Tronto, não existem mais; outras, como Aquasanta Terme, foram fortemente danificadas. O presidente da regional de Ascoli Piceno das Associações Cristã de Trabalhadores Italianos (ACLI), Claudio Bachetti, afirma:

“Os prazos para a reconstrução serão muito longos de qualquer forma. De acordo mais ou menos com a ideia que temos, levará cerca de 10 anos até que possamos falar de comunidades reconstruídas do ponto de vista logístico.”

Os idosos, sublinha Bachetti, são a “categoria” de maior risco, justamente por causa dos laços com o território, pois são eles os que viveram mais tempo na região. Através da associação, finaliza o presidente, “tentamos oferecer atividades de apoio a essa categoria. Para o trabalho, estamos tentando ativar projetos para criar situações de turismo ambiental e sustentável, idealizando pacotes turísticos experimentais e acessíveis”.

(Com informações de Vatican News)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Uma nova tecnologia para o tratamento de esgoto na cidade

Microestação compacta poderá ofertar saneamento básico de qualidade às regiões carentes de São Paulo Maior cidade do Brasil, São Paulo possui 12,3 milhões de habitantes....

Dez dias de fé e devoção a Santa Cecília

Festa da padroeira aconteceu entre os dias 13 e 22 A Paróquia Santa Cecília celebrou a festa da padroeira entre os dias 13 e 22....

Bispos da Guatemala pedem diálogo e calma em protestos no país

Manifestações são motivadas pela forma controversa pela qual o orçamento público para 2021 foi aprovado

O Papa: num momento difícil, o Advento é a “grande esperança”

Na sua saudação aos fiéis de diversas línguas, no final da audiência geral, Francisco convidou-os a dedicar momentos de oração inspirados nas semanas que...

Dom Odilo: ‘Quem confia em Deus pode esperar a salvação’

Em missa na capela da residência episcopal na manhã desta quinta-feira, 26, transmitida pela rádio 9 de Julho e pelas plataformas digitais da Arquidiocese...

Newsletter