Confira nossa versão impressa

Após atentado, Catedral de Santo Elias é reaberta e reconsagrada na Síria

Após atentado, Catedral de Santo Elias é reaberta e reconsagrada na Síria
Catedral Maronita de Santo Elias (crédito: ACN)

A recuperação da Catedral foi possível graças ao auxílio de vários, sobretudo da Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN), com uma doação de 400 mil euros. “Um sinal de esperança e de renascimento não só material, mas da inteira comunidade, não obstante o número dos cristãos aqui esteja ainda em redução, à causa da extrema pobreza, ligada às sanções que pesam sobre a população inerme”, disse Sua Excelência Joseph Tobij, Arcebispo Maronita de Alepo.

Em Alepo, Síria, foi reaberta e reconsagrada nesta segunda-feira, 20, a Catedral Maronita de Santo Elias, após mais de 7 anos sem missas. Construída em 1873, a catedral sofreu graves danos em 2013, quando já havia iniciado a guerra da Síria – que, infelizmente, continua. Tratou-se de um atentado realizado por um grupo jihadista que pretendia eliminar todos os símbolos do Cristianismo no país.

Em entrevista ao site Vatican News, o arcebispo falou das dificuldades para a reconstrução e dos atuais desafios enfrentados pela população. “A principal dificuldade da reedificação foi encontrar os fundos, o que foi facilitado e sustentado pela Ajuda à Igreja que Sofre. A reconstrução do teto de madeira, exatamente como o original, foi outro desafio. Nos faltavam competências locais nesse setor, razão pela qual pedimos a arquitetos italianos que desenhassem o projeto do teto de madeira”, disse.

“Sem a ajuda da ACN e a generosidade dos benfeitores, não teríamos tido condições de continuar a rezar e a difundir esperança nos corações dos fiéis através da reconstrução da catedral”.

SEGUEM TRECHOS DA ENTREVISTA

Dom Joseph: se trata da nossa catedral maronita, aqui paramos de celebrar 8 anos atrás, então para nós é um momento crucial para toda a Diocese e a sua abertura quer dizer que retomamos a vida; é, portanto, um sinal de esperança, uma mensagem de reconstrução, não só reconstrução de pedras, mas de comunidade. E, ademais, é um modo de dizer à gente em Alepo, na Síria e no mundo, que nós ainda estamos aqui, que ainda existimos, não obstante a queda tão grande no número dos nossos cristãos. Nós existimos

Segundo a ACN, os cristãos de Alepo são atualmente apenas 30 mil, sendo que, antes que a guerra iniciasse em 2011, eram 180 mil.

A catedral sofreu violência, como todo o território e toda a população. Mas agora, graças à beneficência, graças à colaboração e à solidariedade, renasceu: um acontecimento emblemático da história da Síria dos últimos anos?

Dom Joseph: De fato, foi uma participação de ‘comunidade’, participação do ‘corpo de Cristo espalhado no mundo’ e isso para nós é já um sinal de comunhão tão grande.

Essa inauguração acontece em um momento particular para o país: são 20 anos no poder de Bashar al-Assad, um longo período marcado frequentemente pela guerra e, além disso, vocês estão também em uma mudança com a renovação do Parlamento. Como vive hoje a população e como vê o futuro?

Dom Joseph: Do ponto de vista da segurança, exceto certas zonas do noroeste da Síria, a situação melhorou. Acontece, porém, uma guerra pior do que as bombas. É a guerra das sanções econômicas reforçadas ultimamente e a consequência direta disso é a pobreza, que aumentou em modo excessivo. Para dar um exemplo, um empregado estatal ganha cerca de 20 euros ao mês, então podem imaginar quanto sofrimento, ainda que sem bombas: falta de remédios, falta de maquinário de todos os gêneros, e tudo por causa das sanções e do embargo, com a roda da economia ainda parada. E isso dá à gente uma sensação de tristeza e de escuridão para o futuro, não sabemos o que será do nosso futuro. E, assim, tantos ainda desejam o sonho ocidental e escapar daqui e da fome.

A esse propósito, há uma mensagem que queira lançar por ocasião deste evento assim tão importante para vocês?

Dom Joseph: A minha mensagem é que, dado que a Igreja representa a comunidade, uma vez reconstruída a nossa Catedral, temos tanta esperança de reconstruir também a comunidade, a diocese em torno a ela, e a própria alma dos nossos fiéis, que espero extraiam alegria deste momento. Posso lançar um apelo aos nossos irmãos no mundo, de rezar por nós, porque a oração faz muito: é um fato real que vai além do humano. Lá é o Senhor que age.

Fonte: Vatican News

- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Notícias

Comunidade Canção Nova dá ‘abraço virtual’ em São Paulo

Transmitido pela TV e internet, evento de evangelização que costuma reunir multidões na capital paulista foi acompanhado em todo o Brasil e...

‘Vale a pena enfrentar a cruz e todo sofrimento por causa de Cristo’

Afirmou o Cardeal Scherer em missa na Catedral da Sé, nesta quinta-feira, 6, Dia de Oração pelos Cristãos Perseguidos

Mês vocacional é aberto com missa presidida por Dom Devair Araújo da Fonseca

No domingo, 2, Dom Devair Araújo da Fonseca, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia, presidiu missa...

Festa de São Pedro Julião Eymard, o apóstolo da Eucaristia

A Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição – Santa Ifigênia, Setor Pastoral Catedral, cuja igreja matriz tem...

Paróquia Santo Inácio completa 80 anos

Na sexta-feira, 31 de julho, a Paróquia Santo Inácio de Loyola, Setor Pastoral Paraíso, completou 80 anos de existência, hoje confiada aos...

Newsletter