Confira nossa versão impressa

Bispos quenianos pedem o fechamento das clínicas de aborto no país

Há especial preocupação com a dita Lei de Saúde Reprodutiva, que permitir a ampliação de práticas abortistas em todo o país

Bispos quenianos pedem o fechamento das clínicas de aborto no país

“Nós não podemos dizer que Deus está em nosso meio quando, na realidade, estamos permitindo o mal de alguns indivíduos que talvez tenham matado sua consciência para legislar pelo assassinato de nossas crianças não-nascidas”, disseram os bispos do Quênia. Eles pediram ao governo o fechamento de todas as clínicas e unidades de saúde que estão oferecendo abortos e administrando anticoncepcionais a menores e adolescentes com o argumento de defendê-los

Em uma declaração conjunta lida pelo presidente da Conferência Episcopal do Quênia, Sua Excelência Philip Anyolo, no dia 29 de agosto, durante a consagração episcopal do novo bispo de Kitui, Sua Excelência Joseph Mwongela, os bispos declararam o aborto um mal e expressaram preocupação com a Lei de Saúde Reprodutiva (Reproductive Health Bill), cuja intenção é basicamente, segundo eles, introduzir disfarçadamente o aborto a quem desejar.

“É de máxima preocupação que em um país que acredita na santidade da vida humana e da dignidade humana, certas entidades terão permissão para propagar ideologias que degradam essa mesma dignidade em nome da liberdade de escolha”, disseram os bispos.

Além disso, eles instaram os pais a recordarem sua responsabilidade primária de incutir reta moral e bons hábitos em seus filhos, passando tempo suficiente com eles. “A paternidade é o maior investimento que qualquer pai pode fazer e exige habilidade, esforço, compromisso e paciência”, acrescentaram.

“Como um dever moral, as famílias devem assumir total responsabilidade pela educação de seus filhos na virtude e na moral, especialmente na educação sexual”, recordaram os bispos. Eles apelaram aos pais para que ensinem seus filhos a correta doutrina e para que evitem outras doutrinas, condenando a agressiva agenda anti-família que vem sendo vendida, como a “ideologia de gênero”, que é contrária aos ensinamentos de Jesus Cristo.

Este não é o primeiro pronunciamento dos bispos quenianos contra a agenda anti-família e anti-vida que vem sendo imposta no país por forças estrangeiras. Como já noticiado precedentemente pelo O SÃO PAULO, os pastores católicos têm falado com coragem e clareza sobre essa nova colonização, pela qual ideais doentes trazidos do Ocidente são introduzidos à força e sub-repticiamente em países mais pobres.

Fonte: Agência Fides

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

SP fecha último hospital de campanha para tratamento de covid-19

Os equipamentos utilizados serão doados para instituições assistenciais e unidades de saúde pública Com...

Arquidiocese terá paróquia em honra a Santa Dulce dos Pobres

No próximo sábado, 26, às 18h, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, presidirá...

Papa: cultura do descarte é um atentado contra a humanidade. ONU seja oficina de paz

Coronavírus, desigualdade, perseguição religiosa, armas, Amazônia e família: estes são alguns dos temas tratados pelo Papa Francisco...

Bíblia: alimento para a peregrinação dos filhos de Deus

Muitas pessoas afirmam ter dificuldade em ler e compreender as Escrituras, por não entender sua linguagem, símbolos e contextos. É por isso...

‘Economia de Francisco’: jovens dialogam com o Cardeal Scherer

Arcebispo de São Paulo participou de reunião virtual com três brasileiros integrantes ADCE que participam do evento internacional

Newsletter