Cáritas inicia projeto para auxiliar famílias afetadas por parques eólicos no Nordeste

Cáritas inicia projeto para auxiliar famílias afetadas por parques eólicos no Nordeste

Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2 (Cáritas NE2), organismo vinculado ao Regional Nordeste 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB NE2) deu início ao projeto “Promoção e Defesa de Diretos na perspectiva da construção de sociedades do Bem Viver”. A iniciativa, desenvolvida em parceria com a instituição católica alemã Misereor, tem o objetivo de auxiliar agricultores que têm seus direitos violados com a instalação de parques eólicos.

Em todo o Brasil, existem mais de 520 parques eólicos, o que significa 13 gigawatts de capacidade instalada. Desse total, 80% está instalado no Nordeste, sendo a Bahia e o Rio Grande do Norte os maiores estados produtores e, portanto, os mais afetados. Além dos impactos nos ecossistemas, como o desaparecimento de espécimes nativas da fauna, as turbinas e hélices gigantes provocam danos irreversíveis à saúde de quem vive próximo dessas estruturas que vão desde problemas auditivos até depressão.

“Tem pessoas aqui que estão tomando remédios controlados, tendo problemas de memória e insônia, tudo por conta do barulho das hélices. Fora que, de vez em quando, ela [a turbina] faz um barulho estranho. Uma vez teve um vazamento de óleo e a gente achou que ia explodir”, relata a agricultora Ana Maria de Araújo, moradora do Sitio Santa Rita, no município de Lagoa Nova (RN).

Em Pernambuco, a empresa Casa dos Ventos inaugurou em 2015 o maior complexo eólico do Estado com 107 aerogeradores nos municípios de Caetés, Pedra e Paranatama. Desde então, as famílias dessas localidades têm relatado os problemas que vem afetando a saúde dos agricultores. Seu Simão Salgado, agricultor da cidade de Caetés (PE), afirma que mesmo com os apelos que foram feitos pelos moradores e com a intervenção do Ministério Público, as soluções oferecidas pela empresa não minimizam os impactos causados pelos parques.

“Só nós que sabemos os efeitos que esses parques têm causado para as comunidades e nos tirado a paz desde que foram instalado”, diz o trabalhador rural. Seu Simão ainda denuncia que as empresas se aproveitam da inocência de muitos agricultores para assinar os contratos de concordância com a instalação dos aerogeradores.

Cáritas inicia projeto para auxiliar famílias afetadas por parques eólicos no Nordeste

A ameaça da chegada do vizinho indesejado também tira o sono de muitos nordestinos. Na Paraíba e em Alagoas, já há a especulação de terras para a instalação de parques eólicos. Na comunidade de Serra Bonita, município de Palmeira dos Índios (AL), foram instaladas as antenas para medição dos ventos para avaliar a viabilidade da construção das estruturas.

“Essa antena foi colocada a menos de mil metros das primeiras casas da comunidade. Estamos preocupados com o que isso pode nos causar, já que não temos informações nem do município e nem do fazendeiro aonde essa antena está”, declara a agricultora Vera Lúcia Félix.

Na Serra do Bom Bocadinho, na cidade paraibana de Cuité, a especulação também preocupa as famílias que estão para receber os parques praticamente em seus quintais. “A gente fica com medo porque nós não sabemos o que esperar, acredito que vai trazer um grande transtorno para comunidade. Ninguém vai querer ficar num lugar onde não se tem sossego. A gente já não quer ir para a cidade por conta dos barulhos, e agora vem aparecer isso aqui? É muito ruim só de pensar”, lamenta dona Maria Risoneide Silva Cardoso.

Empoderamento das comunidades locais

Seja nos locais que já tenham a presença de parques eólicos, seja nas áreas em estudo para a implantação, a Cáritas NE2 tem realizado discussões acerca da temática, promovendo o debate com as famílias agricultoras e comunidades. Por meio do projeto “Promoção e Defesa de Diretos na perspectiva da construção de sociedades do Bem Viver”, o organismo fará a aplicação de diagnósticos e levantamentos para mapear a situação dessas localidades.

A ação prevê ainda a visita de acompanhamento para revisão dos contratos assinados pelos agricultores, encontros de aprofundamento temáticos sobre e consolidação de dados e a realização de atos públicos para a sensibilização social sobre o tema, culminando em um seminário formativo sobre política ambiental e a relação com os megaprojetos.

Com informações e fotos da Cáritas NE2

Notícias relacionadas

Cáritas inicia projeto para auxiliar famílias afetadas por parques eólicos no Nordeste

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter