Confira nossa versão impressa

Carmelita compartilha experiências missionárias em live com o Cardeal Scherer

Por dez anos, Frei Patrício Sciadini, OFM, viveu no Egito, país de maioria muçulmana

Carmelita compartilha experiências missionárias em live com o Cardeal Scherer

No contexto da celebração do Mês das Missões, o Cardeal Odilo Pedro Scherer tem promovido lives sobre diferentes testemunhos missionários dos cristãos. Na terça-feira, 13, pelas mídias sociais da Arquidiocese de São Paulo, o Frei Patrício Sciadini, da Ordem dos Frades Menores (OFM), compartilhou com o Arcebispo de São Paulo e os internautas seu testemunho missionário. Nascido na Itália, ele viveu 40 anos no Brasil, esteve por dez anos no Egito – país de maioria muçulmana – e já se prepara para ir ao monte Carmelo, em Israel.

No começo do encontro on-line, que também teve a participação do frade carmelita descalço Dom Rubens Sevilha, Bispo de Bauru (SP), Dom Odilo afirmou que a experiência de Frei Patrício ajuda a perceber que a ação missionária da Igreja é ampla, não devendo ser entendida apenas na dimensão da missão ad gentes.

Mandato de Jesus

Frei Patrício ressaltou, inicialmente, que ser missionário é um mandato de Jesus a todos os cristãos batizados, para que anunciem “a beleza da Palavra de Deus e da nossa fé”, sem que necessariamente precisem se deslocar, como foi o caso de Santa Teresinha, missionária dentro do Carmelo. “Ela dizia: ‘Quero amar a Deus e o fazer amado por todos’. Assim, não é suficiente amar a Deus sozinho. Devemos envolver os outros, transmitir a nossa fé e o nosso amor”, afirmou o Frade.

Para tal, é preciso ter disponibilidade de anunciar o Evangelho, mesmo em realidades nas quais os cristãos são minoria, como no Egito, onde, dos 100 milhões de habitantes, entre 15 e 18 milhões são cristãos, sendo que o número de católicos não é superior a 250 mil fiéis.

A oração e o anúncio pelo exemplo

Em realidades como a do Egito, destacou o Frade, o anúncio do Evangelho se dá mais pelo testemunho de vida e a coerência nas atitudes, do que por palavras, bem como pelas obras de misericórdia em favor dos que mais precisam: “Devemos estar atentos às necessidades das pessoas para poder, pelas obras, manifestar o Cristianismo, uma solidariedade de qualidade”.

Frei Patrício recordou o desejo de Santa Teresinha de disseminar a fé cristã pelos cinco continentes, o que não pôde fazer pelas missões ad gentes, mas o realizou com a oração e o sacrifício. “Por meio da oração, podemos abraçar todos os dias os cinco continentes, podemos viajar sem pagar passagem, sem passaporte, e ser uma presença orante”, afirmou, alertando que, quando a oração não é o fundamento do agir do cristão, “podemos cair em um aspecto social, político e perdemos o valor da transcendência”.

Missionariedade cotidiana

Carmelita compartilha experiências missionárias em live com o Cardeal Scherer
Frei Patrício (Reprodução da internet)

O Frade lembrou, ainda, que é possível viver a missionariedade nas situações cotidianas. “Onde formos, devemos revelar que somos cristãos, que somos apaixonados por Cristo e que, aquilo que fazemos, não é por lucro ou por autoprojeção, mas, simplesmente, por amor.”

Por fim, Frei Patrício recomendou a todos a leitura dos escritos de Santa Teresinha do Menino Jesus – “Ela fez do Evangelho a sua maneira de ser missionária” – e reforçou três aspectos centrais da missionariedade cristã: “Todo cristão que ama a sua fé e Jesus Cristo sente a necessidade e a alegria de anunciar o Evangelho; em qualquer lugar que estejamos, devemos dar um testemunho de vida coerente; e a missionariedade não é luxo, mas uma exigência da nossa fé. Sem a missionariedade, nós teremos, no futuro, uma Igreja sem vida e sem amor”.

Renovação missionária

Após a explanação inicial do Frade, Dom Odilo recordou que o Papa Francisco tem reiterado a necessidade da renovação e da conversão missionária na Igreja, algo que está no centro da atenção da Arquidiocese de São Paulo com a realização do sínodo arquidiocesano. “É uma questão crucial para a Igreja. Se ela não se faz missionária, torna-se uma instituição sem vida, vira museu, uma lembrança do passado. Não queremos isso. Queremos ser presentes, testemunhas do agora, neste tempo, no meio das nossas cidades, das nossas situações”, lembrou o Arcebispo de São Paulo.

Dom Rubens enfatizou que, na perspectiva missionária, todos são instrumentos, pois “é o Espírito que evangeliza, é o Senhor quem faz a obra. Somos operários. Hoje, nossa cultura ressalta muito o nosso eu, mas creio que precisamos pregar mais, com testemunho, sobretudo, dessa morte de si mesmo, desse renunciar a si”.

(Colaborou: Jenniffer Silva)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

As mulheres não devem ter voz na Igreja?

Hoje respondo a essa dúvida do Reginaldo de Assis, de São Roque (SP): “Gostaria de entender melhor um trecho da Bíblia que...

Sobre o terrorismo que destruiu templos católicos no Chile

Acordei com as cenas de uma igreja chilena ardendo em chamas. Em nome de ideologias, jovens terroristas...

Solenidade de Todos os Santos

Celebrando Todos os Santos e os Fiéis Defuntos, respectivamente, pedimos a intercessão da Igreja que já triunfa no Céu e oferecemos sufrágios...

Escolas comunitárias: um direito dos pais na educação de seus filhos

No dia 15 de outubro de 2020, o Papa Francisco enviou uma mensagem a todos os líderes mundiais envolvidos com a educação...

Comunhão dos Santos

Ao longo deste mês de outubro, o nome de Carlo Acutis – beatificado no último dia 10, em Milão, na Itália –...

Newsletter