Confira nossa versão impressa

Em 2019, número de abortos bateu recorde na Inglaterra e País de Gales

GUSTAVO CATANIA RAMOS (ESPECIAL PARA O SÃO PAULO)

Grupos pró-vida lamentam que prática esteja se tornando normalizada sob a falsa retórica de ser ‘simples e segura’

Um número recorde de abortos foi registrado na Inglaterra e País de Gales em 2019, de acordo com dados oficiais divulgados no dia 12. Um total de 209.519 abortos foram feitos, o que representa o maior número desde a legalização da prática no Reino Unido em 1967, 4.224 a mais do que em 2018. 

Antonia Tully, diretor das campanhas da Sociedade para a o Proteção dos Bebês não Nascidos, descreveu os dados como “uma tragédia nacional”.

Em 2019, número de abortos bateu recorde na Inglaterra e País de Gales
(crédito: Reprodução da internet)

“Esses terríveis números mostram a nós que o aborto está se tornando cada vez mais normalizado. Propagandas que dizem às mulheres que o aborto é ‘simples e seguro’, junto a um mais fácil acesso a pílulas abortivas, estão aumentado o número de abortos”, afirmou Antonia.

Os dados do Departamento de Saúde e Assistência Social da Inglaterra mostram que o número de abortos no país aumentou em todas as faixas etárias a partir dos 25 anos. O aumento mais significativo ocorreu em mulheres entre 30 e 34 anos, que, em 2019, realizaram 15,7% mais abortos por mil mulheres do que em 2009.

Em 2019, 40% das mulheres que realizaram abortos já haviam passado pelo mesmo procedimento antes, um número 6% maior que o de 2009. No ano passado, 52.335 abortos foram feitos em casa, o que representa 36% do número total. Além disso, 3.183 abortos ocorreram por deficiências detectadas nos bebês.

Houve 126 abortos “selecionados”, nos quais o médico escolhe qual bebê será morto em uma gravidez com muitos bebês.

Outro dado é que 1.014 mulheres do Irlanda do Norte viajaram para o Reino Unido para abortar.

Liz Parsons, diretora da organização Life Charity, afirmou estar “extremamente chocada” com os números: “Estou chocada que, pelo segundo ano seguido, vimos um crescimento substancial no número de abortos”.

“Não pode haver dúvida que esse aumento significativo se deve, em parte, à retórica constante da indústria do aborto, que o descreve como um ‘necessário procedimento médico’ e oferece um acesso a ele ‘mais rápido e fácil’. Infelizmente, estamos vendo que dois em cinco abortos foram feitos por mulheres que já o fizerem pelo menos uma vez anteriormente”, afirmou Liz.

“Num período único da história em que estamos focados em salvar vidas, não podemos nunca esquecer que o aborto resulta na perda de uma vida e que, no ano passado, 210 mil bebês perderam suas vidas pelo aborto”, concluiu.

(Com informações de ACI e The National Catholic Register)

- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Notícias

Cardeal Scherer preside missa arquidiocesana com coroinhas

Este ano, o o evento organizado pela Pastoral Vocacional contou apenas com representantes dos coroinhas e foi transmitido pelas mídias digitais

CNBB: ‘Dom Pedro marcou sua vida pela solidariedade em relação aos mais pobres e sofridos’

Bispo emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia (MT) faleceu neste sábado, dia 8

Morre Dom Pedro Casaldáliga

A Prelazia de São Félix do Araguaia (MT), a Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de...

Plantas ganham cada vez mais espaço nas casas e apartamentos!

Uma quitinete de um grande centro urbano pode abrigar uma horta? Confira as histórias de quem cultiva plantas em casa e dicas...

‘O Direito Canônico existe para atender ao mistério da Igreja’

Afirmou o Padre Denilson Geraldo, em aula inaugural do semestre acadêmico da Faculdade de Direito Canônico São Paulo Apóstolo

Newsletter