Confira nossa versão impressa

Em 2019, número de abortos bateu recorde na Inglaterra e País de Gales

Grupos pró-vida lamentam que prática esteja se tornando normalizada sob a falsa retórica de ser ‘simples e segura’

Um número recorde de abortos foi registrado na Inglaterra e País de Gales em 2019, de acordo com dados oficiais divulgados no dia 12. Um total de 209.519 abortos foram feitos, o que representa o maior número desde a legalização da prática no Reino Unido em 1967, 4.224 a mais do que em 2018. 

Antonia Tully, diretor das campanhas da Sociedade para a o Proteção dos Bebês não Nascidos, descreveu os dados como “uma tragédia nacional”.

Em 2019, número de abortos bateu recorde na Inglaterra e País de Gales
(crédito: Reprodução da internet)

“Esses terríveis números mostram a nós que o aborto está se tornando cada vez mais normalizado. Propagandas que dizem às mulheres que o aborto é ‘simples e seguro’, junto a um mais fácil acesso a pílulas abortivas, estão aumentado o número de abortos”, afirmou Antonia.

Os dados do Departamento de Saúde e Assistência Social da Inglaterra mostram que o número de abortos no país aumentou em todas as faixas etárias a partir dos 25 anos. O aumento mais significativo ocorreu em mulheres entre 30 e 34 anos, que, em 2019, realizaram 15,7% mais abortos por mil mulheres do que em 2009.

Em 2019, 40% das mulheres que realizaram abortos já haviam passado pelo mesmo procedimento antes, um número 6% maior que o de 2009. No ano passado, 52.335 abortos foram feitos em casa, o que representa 36% do número total. Além disso, 3.183 abortos ocorreram por deficiências detectadas nos bebês.

Houve 126 abortos “selecionados”, nos quais o médico escolhe qual bebê será morto em uma gravidez com muitos bebês.

Outro dado é que 1.014 mulheres do Irlanda do Norte viajaram para o Reino Unido para abortar.

Liz Parsons, diretora da organização Life Charity, afirmou estar “extremamente chocada” com os números: “Estou chocada que, pelo segundo ano seguido, vimos um crescimento substancial no número de abortos”.

“Não pode haver dúvida que esse aumento significativo se deve, em parte, à retórica constante da indústria do aborto, que o descreve como um ‘necessário procedimento médico’ e oferece um acesso a ele ‘mais rápido e fácil’. Infelizmente, estamos vendo que dois em cinco abortos foram feitos por mulheres que já o fizerem pelo menos uma vez anteriormente”, afirmou Liz.

“Num período único da história em que estamos focados em salvar vidas, não podemos nunca esquecer que o aborto resulta na perda de uma vida e que, no ano passado, 210 mil bebês perderam suas vidas pelo aborto”, concluiu.

(Com informações de ACI e The National Catholic Register)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

No próximo sábado serão criados 13 novos cardeais

Dos 13 novos cardeais, dois não poderão participar das cerimônias por causa da emergência coronavírus: Dom Cornelius Sim, Vigário Apostólico de Brunei e Dom...

Dom Odilo: viver bem cada dia, na esperança de que o Senhor virá

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 24, na capela de sua residência, transmitida pela rádio 9...

Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a ordenação de cinco novos diáconos permanentes para a Arquidiocese no sábado, 21. A...

Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final

Os resultados sairão na primeira semana de dezembro Chegou à fase final o estudo clínico da CoronaVac, a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria...

Ministério reconhece estado de calamidade pública no Amapá

Estado ficou mais de 80 horas sem energia elétrica e até agora a situação não foi totalmente restabelecida O Ministério do Desenvolvimento Regional publicou portaria...

Newsletter