Confira nossa versão impressa

Música para os ouvidos, o coração e a alma

22 de novembro é o Dia do Músico e de Santa Cecília, Padroeira dos Músicos

Música para os ouvidos, o coração e a alma
Camerata Sé e Coro Luther King, durante apresentação realizada em janeiro deste ano na cidade de São Paulo (foto: Luciney Martins/ O SÃO PAULO)

No dia 22 de novembro comemora-se o Dia do Músico, coincidindo com a celebração da Padroeira da Música, Santa Cecília. No Brasil, a data ganhou ainda mais relevância quando, em 1960, em Tatuí (SP), Yolanda Rigonelli,  professora e diretora do Conservatório Musical da cidade, realizou a Semana da Música. Desde então, a comemoração ocorre em todos os estados, de diferentes formas.

Composta de elementos como melodia, harmonia e ritmo, a música é uma prática humana e varia de acordo com o tempo, o lugar e a cultura. Pode ser erudita, clássica, popular, folclórica, religiosa ou sacra.

Em sua conhecida “Carta aos Artistas”, escrita em 1999, São João Paulo II afirmou que a Igreja valoriza os músicos e conta com eles: “A Igreja tem necessidade dos músicos. Quantas composições sacras foram elaboradas, ao longo dos séculos, por pessoas profundamente imbuídas pelo sentido do mistério! Crentes sem número alimentaram a sua fé com as melodias nascidas do coração de outros crentes, que se tornaram parte da Liturgia ou pelo menos uma ajuda muito válida para a sua decorosa realização. No cântico, a fé é sentida como uma exuberância de alegria, de amor, de segura esperança da intervenção salvífica de Deus”.

História de Santa Cecília

Música para os ouvidos, o coração e a alma
Foto: Facebook da Paróquia Santa Cecília

A mártir Santa Cecília era de uma família romana pagã, nobre, rica e influente. Estudiosa, adorava se aprofundar em música, principalmente a sacra, além de filosofia e o Evangelho. Desde criança, sentiu-se chamada a seguir a vocação religiosa consagrada, mesmo estando prometida em casamento por intermédio dos pais, que não acreditavam em sua decisão de se consagrar a Deus.

O casamento aconteceu, mas Cecília contou ao marido a respeito de seu compromisso de castidade. Comovido, o esposo prometeu respeitar sua pureza, mas, para isso, queria ver o anjo a quem Cecília estava sob a guarda. A esposa o aconselhou a visitar o Papa Urbano, que estava refugiado nas catacumbas. O jovem foi ao local acompanhado de seu irmão. Os dois ouviram a pregação e, no final, converteram-se e foram batizados. Quando chegou a sua casa, viu Cecília rezando e, ao seu lado, o anjo da guarda. Ele cumpriu sua promessa.

Os três, porém, foram denunciados e presos. Julgados, recusaram-se a renegar a fé e foram decapitados. Primeiro, Valeriano, o esposo; depois Turíbio, irmão de Valeriano e, por último, Cecília.

O corpo da mártir foi enterrado nas catacumbas romanas. No terreno do seu antigo palácio foi construída a Igreja de Santa Cecília, onde, já no século VI, era celebrada a sua memória, todos os anos, em 22 de novembro. Seu corpo permaneceu intacto por séculos e Santa Cecília tornou-se cada vez mais conhecida e reverenciada em todo o mundo.

Música sacra

Em Roma, aos participantes do Congresso Internacional de Música Sacra, em 4 de março de 2017, o Papa Francisco disse que “a música sacra e o canto litúrgico têm a tarefa de nos conferir o sentido da glória de Deus, da sua beleza e da sua santidade, que nos envolve como uma ‘nuvem luminosa’”.

A constituição conciliar Sacrosanctum concilium, sobre a Sagrada Liturgia, de 4 de dezembro de 1963, foi o primeiro documento do Concílio Vaticano II a ser aprovado. Nele, há disposições sobre a música sacra, os instrumentos musicais sagrados e normas para os compositores.

O artigo 121 do documento orienta que “os compositores possuídos do espírito cristão compreendam que são chamados a cultivar a música sacra e a aumentar-lhe o património”.

O texto afirma, ainda, que as composições devem se apresentar “com as características da verdadeira música sacra, possam ser cantadas não só pelos grandes coros, mas se adaptem também aos pequenos e favoreçam uma ativa participação de toda a assembleia dos fiéis”.

Ainda sobre o tema, o documento recorda que os textos destinados ao canto sacro devem estar de acordo com a doutrina católica e se inspirar sobretudo na Sagrada Escritura e nas fontes litúrgicas.

O músico precisa se reinventar!

“Ser músico representa vida e transformação, conexão com pessoas muitas vezes desconhecidas, levando sentimento e emoções com uma linguagem universal”, disse, em entrevista ao O SÃO PAULO, Vitor Carvalho Cavalhero, que é baixista e backing vocal.

Vitor toca em eventos promovidos pela Igreja Católica e tem como referências músicos como Monsenhor Jonas Abib, Eugênio Jorge, Anjos de Resgate, Valmir Alencar e Celina Borges.

Para ele, Santa Cecília é uma devoção cotidiana: “Santa Cecília sempre é lembrada e reverenciada em nossas orações para intercessão antes, durante e depois de nossas missões”.

E, embora reconheça que a música foi muito importante durante a quarentena, pois com ela muitas pessoas foram alcançadas por meio de lives, publicações em mídias sociais, rádios e tantos outros canais de comunicação, Vitor reconhece que não tem sido fácil viver como profissional da música.

“Os músicos precisaram reinventar-se mais uma vez, pois o consumo ficou mais fácil, se tornando gratuito em diversas plataformas, o que atingiu também as grandes gravadoras. A saída foi criar conteúdo relevante para as redes sociais, YouTube e venda de faixas exclusivas. Além disso, com a pandemia, houve a suspensão de shows, e muitos músicos tiveram que voltar para o mercado de trabalho ou dar aulas”, afirmou.

SOBRE A MÚSICA SACRA

O documento 79 da CNBB – Documentos sobre a música litúrgica – enfatiza que o verdadeiro objetivo da música sacra é “a gloria de Deus e a santificação dos fiéis” e “sendo criada para a celebração do culto divino, é dotada de santidade e beleza das formas”. (CNBB, 2005, p. 158); PIO X, já em 1903, exemplificava que “A música [no templo] deve ser santa, e por isso excluir todo o profano não só em si mesma, mas também no modo como é desempenhada pelos executantes”. (PIO X, 1903, p.3).

Informações complementares do Maestro Delphim Porto, regente do coro da Catedral da Sé

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Maradona jogou pela paz a pedido de Francisco

Campeão do mundo com a seleção da Argentina, em 1986, um dos maiores jogadores de todos os tempos morreu nesta quarta-feira, 25. Ele encontrou-se com o Papa, no Vaticano, em 2014

Câmara lança campanha de 21 dias pelo fim da violência contra a mulher

Além da violência física contra a mulher, deputadas destacam importância de se combater violência política e psicológica A Secretaria da Mulher e a Primeira-Secretaria...

Dom Odilo à TV Canção Nova: ‘Que Deus continue iluminando e fortaleça este trabalho’

Arcebispo Metropolitano presidiu missa na comemoração dos 20 anos da emissora na capital paulista Na noite da segunda-feira, 23, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo...

Em live, Cardeal Scherer refletirá sobre a encíclica Fratelli tutti

Nesta quarta-feira, 25, às 20h30, a Arquidiocese de São Paulo realizará mais uma edição do Diálogos com a Cidade, totalmente on-line, em virtude da...

Jovens se conectam a Assis para pensar em uma economia a serviço da vida

Mais de 2 mil jovens, de 115 países, participaram, entre os dias 19 e 21, do encontro internacional “Economia de Francisco”, atendendo ao convite...

Newsletter