Confira nossa versão impressa

Na Colômbia, congressistas se manifestam contra a legalização do aborto

‘Não se pode legalizar a morte de um ser humano que está por nascer, ressaltaram senadores e representantes de diferentes partidos em carta endereçada à Corte Constitucional do País

Na Colômbia, congressistas se manifestam contra a legalização do aborto
Foto: 40 Días por La vida – Colômbia

Aproximadamente 30 congressistas da Colômbia enviaram uma carta à Corte Constitucional do país manifestando-se contra a legalização do aborto e em favor da vida em qualquer circunstância, diante da ação proposta por um coletivo feminista que solicitou ao tribunal a descriminalização do aborto no país.

A carta foi assinada por senadores e representantes de vários partidos políticos e foi apresentada dentro do prazo, que venceu na quinta-feira, 12, para que qualquer cidadão se manifeste sobre a ação do coletivo feminista “Causa Justa”, proposta em outubro de 2019.

“Não se pode legalizar a morte de um ser humano que está por nascer, em especial, quando o aborto não é a solução a um déficit de políticas públicas a favor das mulheres; isso não resulta de um Estado Social de Direito, que deve garantir a proteção da vida humana desde a sua concepção”, afirmaram os congressistas.

Não há um prazo para a Corte decidir sobre a ação. Em 2006, a Corte Constitucional manteve o aborto um delito no país, entretanto, despenalizando-o em caso de estupro, má-formação da crianças ou perigo para a vida da mãe.

A favor da despenalização total do aborto manifestaram-se a Anistia Internacional e outros organismos internacionais, como a ONU.

Na carta, os congressistas afirmam que a ação desrespeita a separação de poderes. Além disso, medidas judiciais anteriores obrigaram o Executivo a regulamentar o aborto, naqueles casos em que a Corte o permitiu.

Os congressistas afirmaram que as decisões da Corte Constitucional “envolvem diretamente toda a comunidade que nos elegeu democraticamente e toda a população colombiana, que, em sua maioria, exige respeito e a proteção dos direitos fundamentais; em especial, os de um ser indefeso no ventre materno”.

“Reiteramos como congressistas, que é dever do Estado, e de suas entidades, proteger a vida em todas as suas etapas, a mulher e seu filho que está no ventre”, ressaltaram os signatários.

Fonte: ACI Prensa

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Câmara lança campanha de 21 dias pelo fim da violência contra a mulher

Além da violência física contra a mulher, deputadas destacam importância de se combater violência política e psicológica A Secretaria da Mulher e a Primeira-Secretaria...

Dom Odilo à TV Canção Nova: ‘Que Deus continue iluminando e fortaleça este trabalho’

Arcebispo Metropolitano presidiu missa na comemoração dos 20 anos da emissora na capital paulista Na noite da segunda-feira, 23, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo...

Em live, Cardeal Scherer refletirá sobre a encíclica Fratelli tutti

Nesta quarta-feira, 25, às 20h30, a Arquidiocese de São Paulo realizará mais uma edição do Diálogos com a Cidade, totalmente on-line, em virtude da...

Jovens se conectam a Assis para pensar em uma economia a serviço da vida

Mais de 2 mil jovens, de 115 países, participaram, entre os dias 19 e 21, do encontro internacional “Economia de Francisco”, atendendo ao convite...

Papa Francisco aos jovens: ‘Não fiquem fora de onde se produz o presente e o futuro!’

Em mensagem aos participantes de ‘Economia de Francisco’, o Papa defende uma nova abordagem econômica que inclua os pobres “Ou vocês se envolvem ou a...

Newsletter