Confira nossa versão impressa

Nova lei de segurança amplia repressão a dissidentes na China

Sob o argumento de manter a soberania nacional, governo chinês tem perseguidos críticos, como o empresário de mídia Jimmy Lai

Nova lei de segurança amplia repressão a dissidentes na China
Empresário Jimmy Lai é um dos opositores do governo chinês (Reprodução da internet)

Na noite de 11 de agosto, a polícia chinesa liberou da cadeia, sob fiança, o empresário Jimmy Lai, seus dois filhos, Ian e Timothy, e a ativista pró-democracia Agnes Chow.

Jimmy Lai e seus filhos haviam sido presos no início da semana sob a acusação de conluio com forças estrangeiras e conspiração contra a nova lei chinesa de segurança nacional. Agnes Chow, por sua vez, fora acusada de incitar a intervenção de forças estrangeiras por meio de seus posts na internet.

No momento da prisão, ao menos 200 policiais foram enviados ao jornal de Jimmy Lai. Se acusado e condenado, ele poderia passar dez anos de cadeia, ou até a prisão perpétua se seus “crimes” fossem considerados de natureza grave.

Jimmy Lai tem 72 anos, é católico e pai de cinco filhos. Fez fortuna investindo em empresas de mídia: fundou a Next Digital e o jornal Apple Daily, o mais conhecido periódico anti-Pequim de Hong Kong. Ele também é conhecido por apoiar personalidades católicas que têm criticado o governo chinês, principalmente após a aprovação da nova lei, que passou a vigorar dia 30 de junho.

A nova lei de segurança para Hong Kong, aprovada pelo governo Chinês, tem suscitado muitas reações de oposição. Ela teoricamente proíbe atos de secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras para pôr em risco a soberania nacional. Apesar de Hong Kong gozar de autonomia para a gestão política, na prática, com a nova lei, o governo chinês decidiu eliminar ou debilitar fortemente tal autonomia.

O governo chinês tem reprimido protestos e o trabalho de jornalistas. No começo da semana, houve novas multas a vários jornalistas, segundo a Associação de Jornalistas de Hong Kong. Além disso, foram anunciadas sanções contra organizações internacionais que atuam no país denunciando os abusos cometidos em Hong Kong e o genocídio da população Uigur, por meio de esterilização, aborto e planejamento familiar forçados.

Fontes: Crux e Religión en Libertad

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Prefeitura pede que no Dia de Finados cerimônias religiosas em cemitérios ocorram em espaços abertos

Em nota divulgada à imprensa na tarde da segunda-feira, 26, a Prefeitura de São Paulo recomendou que...

‘Acolhamos com fé a semente e o fermento do Reino de Deus’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 27, na capela...

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre os 13 novos eleitores, os arcebispos de Washington (EUA) e Santiago do Chile

Capela São Camilo de Lellis é a presença da Igreja no Hospital do Mandaqui

O templo localizado no hospital da zona Norte de São Paulo é o último retratado na série especial de reportagens do O...

Santa Catarina de Sena: Doutora da Igreja e poeta

Nesta segunda-feira, O SÃO PAULO da sequência a série especial, que rememora santos da Igreja reconhecidos, também,...

Newsletter