Confira nossa versão impressa

O dia a dia dos religiosos na pandemia

De Norte a Sul do Brasil, eles vivem o isolamento social e criam alternativas para continuar a vida em comunidade e as atividades missionárias

O dia a dia dos religiosos na pandemia
(crédito: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

A terceira semana do mês de agosto, de 16 a 22, será dedicada à vida consagrada, ou seja, às pessoas que fazem votos de castidade, pobreza e obediência.

Em 2020, pela primeira vez, acontecerá a Semana Nacional da Vida Consagrada, motivada pela Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB), cujo tema é “Amados e Chamados por Deus” (Chv, 112), que ganha ainda maior destaque diante da atual pandemia, que exige que os religiosos criem alternativas para manter as ações missionárias e a vida em comunidade.

Irmãs na linha de frente da COVID-19

O dia a dia dos religiosos na pandemia
Irmã Célia, camiliana, está em missão em Dois Lajeados (RS)/ Foto: Arquivo pessoal

Irmã Célia Luíza Araújo do Carmo, 42, nasceu em Registro (SP), mas cresceu em Feira de Santana (BA). Ela pertence à Congregação das Ministras dos Enfermos de São Camilo (Camilianas) e atualmente desempenha sua missão na cidade de Dois Lajeados (RS).

“Queria dedicar minha vida totalmente a Deus e ao serviço dos irmãos, quando conheci uma religiosa da Congregação à qual pertenço hoje, fundada por Maria Domingas Brun Barbantini e cujo carisma é o cuidado, sobretudo dos doentes”, contou Irmã Célia ao O SÃO PAULO, recordando seu chamado vocacional.

Diante da atual pandemia, Irmã Célia disse que as religiosas conversaram sobre as mudanças que precisariam ser feitas, como, por exemplo, a transferência das idosas para outra casa, as medidas de higiene e as saídas de casa somente em casos essenciais, bem como o distanciamento dentro da própria comunidade.

As atividades missionárias, porém, se intensificaram, pois, como enfermeiras do Hospital São Roque, único da cidade de Dois Lajeados e que atende também os municípios vizinhos, foi preciso criar protocolos e planos de contingência para o enfrentamento do vírus. “Além disso, tivemos que treinar e preparar todos os profissionais do hospital, para enfrentar a batalha que estava por vir. E não somente o preparo técnico, mas também espiritual, para que todos fossem fortes e não desanimassem diante da pandemia”, contou a Religiosa.

Às duas religiosas enfermeiras da comunidade, ambas com mais de 60 anos, foi sugerido que se afastassem das atividades. “Elas, porém, não aceitaram e se dispuseram a continuar atendendo os doentes, mesmo com risco de vida, tendo a oportunidade de viver o quarto voto, que é o de serviço aos doentes, pois o Mestre que seguimos não poupou a própria vida por amor”, acrescentou Irmã Célia.

Pela intercessão de Maria Imaculada

O dia a dia dos religiosos na pandemia
Irmã Sarah Reis, concepcionista, em missão em Brasília (DF)

Irmã Sarah Reis, 49, nasceu em Raposos (MG) e atualmente mora em Brasília (DF). Desde pequena, Sarah acompanhava sua mãe à igreja e brincava com suas amigas enquanto a mãe ensaiava no coral. E foi durante os encontros de preparação para o Crisma que, aos 14 anos, ela sentiu que queria seguir Jesus como religiosa.

“Procurei endereços de congregações para iniciar meu processo de resposta a Deus. Meu pai tinha receio de que fosse algo passageiro e se opôs logo no início. Também porque eu era a filha caçula e a primeira da família que queria seguir esta vocação. Fui crescendo, namorei alguns rapazes, porém, aos 18 anos, após um processo de acompanhamento e discernimento com as Irmãs Concepcionistas Missionárias do Ensino, ingressei na Congregação”, contou Irmã Sarah, que emitiu os primeiros votos religiosos em 1995.

O isolamento social na comunidade, em Brasília, começou em 13 de março. “Cheguei da Espanha no dia 15 daquele mês, para onde tinha ido para um encontro internacional da Congregação, e fiquei isolada por 14 dias. Depois disso, na comunidade, começamos com atendimento a distância”, explicou Irmã Sarah.

Como a missão das Concepcionistas é em um colégio, a pandemia trouxe muitos desafios, como a reorganização dos horários, a participação da missa pela televisão, além das reuniões, encontros e acompanhamento de alunos e suas famílias a distância. “Fisicamente, estivemos e estamos distantes de muita gente, mas mediante os meios digitais, fomos superando o distanciamento pela presença criativa e pela oração”, explicou a Religiosa.

Solidariedade e fé!

O dia a dia dos religiosos na pandemia
Padre Mario Cabral, espiritano, missionário em Fonte Boa (AM)

Mario Cabral Aguilar, 38, é padre da Congregação do Espírito Santo (Padres Espiritanos). Ele nasceu no Paraguai e trabalha como missionário na cidade de Fonte Boa (AM), a 850km de Manaus, subindo o Rio Solimões. Atualmente, é Pároco da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, da Prelazia de Tefé.

“Aos 18 anos, fiz os primeiros contatos com a Congregação e, após dois anos de discernimento, comecei o caminho com os Espiritanos. Toda a formação inicial aconteceu no Paraguai, e a Teologia, em São Paulo (SP). Meu estágio missionário foi no Quênia. Foi uma experiência muito forte e feliz, pois fiquei junto com uma tribo que está numa fase de primeira evangelização”, contou o Padre. Após a ordenação, foi enviado ao Amazonas, para uma região pobre, de difícil acesso e que conta com poucos missionários. Além da matriz, ele atende nove capelas urbanas e 38 comunidades ribeirinhas, sendo que a mais distante fica a 27 horas de barco da cidade, na comunidade indígena da etnia tikuna.

“O isolamento social aqui começou em meados de março, com restrições de transporte à cidade. Em abril, tivemos os primeiros casos e, hoje, já não temos números crescentes de contaminação. As pessoas não fazem mais isolamento e tememos uma segunda onda de contágios”, comentou o Padre.

Com a suspensão das atividades presenciais, a matriz paroquial alugou uma “boca de ferro” para que a missa pudesse ser ouvida pelas pessoas do centro da cidade. “A conexão de internet aqui não é suficiente para transmitir as celebrações. Por mais que investíssemos a fim de torná-la possível, o número de adesões seria baixo, pelo mesmo motivo da conexão. Estamos começando a reabertura das igrejas, com muita prudência”, explicou.

Mesmo com a matriz e as demais capelas fechadas, todas as contas foram pagas e os funcionários mantidos, graças à fidelidade dos dizimistas. Além disso, por meio do grupo de jovens, a Paróquia conseguiu arrecadar alimentos para ajudar mais de 650 famílias, com doações locais e até do exterior.

O Sacerdote contraiu a COVID-19, tomou as medicações recomendadas e, já recuperado, continua em missão.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Cardeal Scherer: ‘Fratelli tutti é uma síntese amadurecida de todo o ensino social da Igreja’

O Arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, participou de mais uma edição do evento Diálogos com a Cidade, na quarta-feira, 25. Promovido pelo...

Em reunião, CRP concretiza Plano de Ação Pastoral 2021

Dom Luiz Carlos Dias, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Belém, incentivou uma reflexão sobre o atual momento da sociedade e a atuação das...

Vatican News lança subsídio inspirado na vivência do Advento

A partir do próximo domingo, 29, e até o dia 24 de dezembro, internautas poderão acessar os conteúdos produzidos pelo Vatican News, o portal...

Uma nova tecnologia para o tratamento de esgoto na cidade

Microestação compacta poderá ofertar saneamento básico de qualidade às regiões carentes de São Paulo Maior cidade do Brasil, São Paulo possui 12,3 milhões de habitantes....

Dez dias de fé e devoção a Santa Cecília

Festa da padroeira aconteceu entre os dias 13 e 22 A Paróquia Santa Cecília celebrou a festa da padroeira entre os dias 13 e 22....

Newsletter