Confira nossa versão impressa

‘Que sejamos o barro que se deixa moldar pelas mãos do divino oleiro’

‘Que sejamos o barro que se deixa moldar pelas mãos do divino oleiro’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa na manhã desta quinta-feira, 30, na capela de sua residência, transmitida pela rádio 9 de Julho e pelas mídias digitais da Arquidiocese.

No Evangelho do dia (Mt 13,47-53), Jesus compara o Reino do céus a uma rede lançada ao mar que apanha peixes de todos os tipos, que são recolhidos pelos pescadores e separados. Os peixes bons são colocados em cestos e “os que não prestam” são jogados fora.

Ao comentar esse trecho, Dom Odilo o comparou à parábola do joio e do trigo. “Na nossa vida, as pessoas más podem mudar de vida e se tornarem pessoas boas. É isso que Deus espera, que quem pratica o mal ao longo da vida se converta. Deus não quer a morte do pecador, mas que se converta e viva”, afirmou.

VASO NOVO

Na primeira leitura (Jr 18,1-6), o profeta Jeremias traz a imagem do oleiro que, quando o vaso que moldava com o barro se quebrava em suas mãos, ele novamente amassa o barro para fazer um vaso novo, até que fique perfeito. “Como é o barro na mão do oleiro, assim sois vós em minha mão, casa de Israel”, diz o Senhor, por meio do profeta.

“Nós somos o barro e Deus é o oleiro. Ele nos molda conforme sua graça e sua vontade para sermos, como diz São Paulo, ‘vasos eleitos’. Deus nos ajuda com sua graça e nos dá toda a possibilidade para sermos vasos bonitos e bem feitos. Mas, muitas vezes, somos rebeldes e nos revoltamos contra o oleiro”, destacou o Cardeal Scherer.

DEIXAR-SE MOLDAR

“Temos que estar mais atentos ao divino oleiro, obedecendo a Palavra de Deus, aos mandamentos, observar o que está errado em nós, o que não nos deixa ser aquele vaso que Deus gostaríamos que fôssemos e, portanto, deixar-nos moldar por ele”, continuou o Arcebispo.

Dom Odilo lembrou, ainda, que moldar o bairro é uma arte que, de certa maneira, causa sofrimento ao barro, que é amassado até que tome a forma desejada pelo oleiro. “Assim, Deus permite certos sofrimentos, às vezes, para nos educar na vida, para sermos aqueles vasos bonitos e dignos daquilo que somos chamados a ser”, afirmou, concluindo: “Que sejamos o barro que se deixa moldar pelas mãos do divino oleiro”. 

- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Notícias

Cardeal Scherer preside missa arquidiocesana com coroinhas

Este ano, o o evento organizado pela Pastoral Vocacional contou apenas com representantes dos coroinhas e foi transmitido pelas mídias digitais

CNBB: ‘Dom Pedro marcou sua vida pela solidariedade em relação aos mais pobres e sofridos’

Bispo emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia (MT) faleceu neste sábado, dia 8

Morre Dom Pedro Casaldáliga

A Prelazia de São Félix do Araguaia (MT), a Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de...

Plantas ganham cada vez mais espaço nas casas e apartamentos!

Uma quitinete de um grande centro urbano pode abrigar uma horta? Confira as histórias de quem cultiva plantas em casa e dicas...

‘O Direito Canônico existe para atender ao mistério da Igreja’

Afirmou o Padre Denilson Geraldo, em aula inaugural do semestre acadêmico da Faculdade de Direito Canônico São Paulo Apóstolo

Newsletter