Confira nossa versão impressa

O cemitério criado em razão da gripe espanhola em São Paulo

O cemitério criado em razão da gripe espanhola em São Paulo
Ademilson Sales (administrador), Felipe (assistente administrativo) e José Oliveira (sepultador)

Localizado na Vila Leopoldina, na zona Oeste da capital paulista, o Cemitério Municipal da Lapa, popularmente conhecido como “Cemitério da Goiabeira”, foi construído às pressas, há 102 anos. Em 1918, a Prefeitura de São Paulo precisou abrir muitas valas comunitárias em um terreno no qual havia uma plantação de goiaba, a fim de sepultar o alto número de pessoas que faleceram, em um curto período de tempo, em razão da epidemia da gripe espanhola.

Conforme recordou o atual administrador do cemitério, Ademilson Sales, em conversa com a Pastoral da Comunicação da Região Lapa, a construção e organização da necrópole foi feita por Antonio Pereira Marques, que também fundou o semanário O Progresso, em 1º de setembro de 1918, e por meio deste abraçou a constituição do cemitério, sendo nomeado seu primeiro administrador.

Sales está no cargo há menos de dois anos, e tem a ajuda da diretora técnica do Departamento de Cemitério, Mônica Graciela Tobola, e do superintendente, Thiago Dias. O administrador apontou as dificuldades superadas, entre as quais a retirada de pessoas que residiam em túmulos vazios e o furto de lápides. Atualmente, a Guarda Civil Metropolitana monitora o local de dia e uma empresa de segurança faz esse trabalho à noite. Na área administrativa, trabalham Felipe Thiago Silva Oliveira e mais dois funcionários; e, na área operacional, nove sepultadores e cinco pessoas responsáveis pelos velórios.

Foram realizadas obras de conservação, como o recapeamento das ruas e calçadas e podas de árvores, e há constante limpeza dos velórios e dos sanitários. Sales participa das reuniões mensais do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) da Lapa, apresentando relatórios dos atos no cemitério, e afirma ter o apoio do subprefeito da Lapa, Leonardo Casal Santos.

O administrador salientou que, após 102 anos de existência, o cemitério enfrenta novamente uma epidemia, a do novo coronavírus. No entanto, isso não mudou o número de sepultamentos: a média semanal é de 15 a 30, sendo que, de quatro a seis desses são vítimas da COVID-19.

Para finalizar, Ademilson Sales destacou que, no Dia de Finados, 2 de novembro, e nos dias próximos, cerca de 5 mil pessoas visitam o cemitério.

Texto: Benigno Naveira / COLABORADOR DE COMUNICAÇÃO DA REGIÃO

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Seminário Redemptoris Mater São Paulo Apóstolo comemora dez anos de origem

Na última quarta-feira, 16, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo presidiu a missa pelos...

Cresce entre os católicos a prática da Leitura Orante da Bíblia

Nos últimos anos, muitos têm redescoberto uma das práticas mais antigas do Cristianismo, a Lectio Divina, método pelo qual a pessoa vive...

Estação de trem em São Paulo recebe lixo eletrônico

Projeto visa conscientizar sobre descarte correto. Os equipamentos recolhidos serão reciclados e depois serão doados para alunos de escolas públicas

Rede Eclesial Pan-Amazônica tem novo Secretário Executivo

Anúncio foi feito durante coletiva de imprensa on-line, realizada na segunda-feira, 14, em celebração pelos seis anos de criação da entidade

Semana Nacional de Trânsito foca a preservação de vidas

A meta é conscientizar a população sobre a importância da mudança de atitude, ressaltando que cada um é responsável pela segurança de...

Newsletter