Sub-Regional São Paulo realiza 1ª Assembleia Ampliada das Equipes Pastorais

Compõem este Sub-Regional a Arquidiocese de São Paulo e as Dioceses de Santo Amaro, Campo Limpo, Santo André, São Miguel Paulista, Guarulhos, Osasco, Santos e Mogi das Cruzes. 

Sub-Regional São Paulo realiza 1ª Assembleia Ampliada das Equipes Pastorais
Reprodução

A encíclica Fratelli tutti, do Papa Francisco, e a realização da Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) 2021, com o tema “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor” foram temas de destaque da 1ª Assembleia Ampliada das Equipes Pastorais Sub-Regional São Paulo do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada de modo on-line, no sábado, 27 de fevereiro.

Compõem este Sub-Regional a Arquidiocese de São Paulo e as Dioceses de Santo Amaro, Campo Limpo, Santo André, São Miguel Paulista, Guarulhos, Osasco, Santos e Mogi das Cruzes. 

O encontro, com duração de duas horas, contou com as presenças de bispos, padres coordenadores diocesanos de pastorais e leigos coordenadores do Sub-Regional São Paulo.

O Presidente do Sub-Regional São Paulo e Bispo de Osasco, Dom João Bosco; o Arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer; e o secretário do Sub-Regional São Paulo, Padre Joaquim Camargo, da Diocese de Santo Amaro, acolheram os participantes com a oração inicial e fizeram uma breve introdução sobre a importância e a relação entre os dois temas que foram apresentados pelo Secretário-Executivo de Campanhas da CNBB, o Padre Patriky Samuel Batista.

Fratelli Tutti

Inicialmente, Padre Patriky fez uma breve introdução sobre o significado de uma encíclica: “documento por meio do qual o papa reflete sobre um tema de interesse geral. Seu conteúdo está relacionado à Doutrina Social da Igreja ou então aos problemas que afetam o conjunto da sociedade na atualidade.”

Ele explicou que a Fratelli tutti é composta por oito capítulos e nela o Papa Francisco exorta os cristãos a colocar em ação o método ver, julgar e agir.

Nos dois primeiros capítulos – “As sombras de um mundo fechado” e “Um estranho no caminho” – destacam-se o olhar sobre “a pobreza, a violência e o egoísmo que produzem sequelas humanas, sociais e ambientais, gerando medo, desconfiança e insegurança. É preciso pensar em outro rumo para o mundo: “Deus continua a espalhar as sementes do bem na humanidade e a esperança é ousada. Sabe olhar para além das comodidades pessoais, das pequenas seguranças e compensações que reduzem o horizonte…” Capítulo 1 (Luzes 54-55) e “a inclusão ou exclusão que sofre na margem da estrada define todos os projetos  econômicos, políticos, sociais e religioso”, Capítulo 2 (69).

Os capítulos 3, 4 e 5 – “Pensar em gerar um mundo aberto”, “Um coração aberto ao mundo inteiro” e “A política melhor” – abordam pontos como “reconhecer, amar e valorizar todas as pessoas independentemente da sua proximidade física”, “para realizar a fraternidade a partir de povos e nações é necessário que a política seja colocada a serviço do verdadeiro bem comum” e “com uma política a serviço da caridade e da fraternidade” (176ss), “na política, há lugar também para amar com ternura” (194).

O capítulo 6 “Diálogo e amizade social” ressalta que o “diálogo perseverante e corajoso não faz notícia como as desavenças e os conflitos; e contudo, de forma discreta mas muitos mais do que possamos notar, ajuda o mundo a viver melhor” (198).

O capítulo 7 “Percursos de um novo encontro” exalta a identidade e contribuição cristã por meio de cinco pontos: recomeçar a partir da verdade, comunhão universal, violência não vem de Deus, perdão e reconciliação, memória e esquecimento.

Por fim, o capítulo 8 “As religiões a serviço da fraternidade no mundo”, com destaque para o Documento sobre a Fraternidade Humana em prol da paz mundial e da convivência comum (Abu Dhabi, 4 de fevereiro de 2019).

Campanha da Fraternidade Ecumênica

Padre Patriky lembrou que a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 tem uma forte ligação com a proposta da encíclica Fratelli tutti, uma vez que por seu tema  – “Fraternidade e Diálogo: Compromisso de Amor” – e lema – “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade” (Ef. 2.14) – que convida os cristãos, de modo ecumênico, a atuarem nas denúncias das violências, encorajar a justiça para restauração da dignidade das pessoas, promover a conversão para a cultura do amor e paz e, por meio do diálogo, fortalecer e celebrar a convivência ecumênica e inter-religiosa.

Entre os objetivos específicos estão a contribuição para superar as desigualdades, animar o engajamento em ações concretas de amor ao próximo, promover a conversão para a cultura do amor, como forma de superar a cultura do ódio; fortalecer a convivência ecumênica e inter-religiosa; estimular à convivência fraterna como experiências humanas irrenunciáveis, em meio a crenças, ideologias e concepções, em um mundo cada vez mais plural.

“A ponte que conduz ao diálogo é sustentada por duas colunas: comunicação não violenta e amor como Cristo nos ensina”, sintetizou o Padre Patricky. “O diálogo e a convivência fraterna é o nosso melhor testemunho”, concluiu.

(Com informações da Diocese de Santo André)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter