Confira nossa versão impressa

Trechos do Rio Tietê mostram melhoras na qualidade da água, mas poluição ainda preocupa

Maior rio de São Paulo percorre 1.100 km no estado, desde sua nascente até a foz, no Rio Paraná, no município de Itapura

Trechos do Rio Tietê mostram melhoras na qualidade da água, mas poluição ainda preocupa
Agência Brasil

O Rio Tietê registrou água impropria para uso por 150km, o que equivale a 26,05% da extensão monitorada neste ano. Por outro lado, a condição de água boa e regular – o que permite vida aquática, abastecimento público, produção de alimentos, atividades de lazer e esportivas – foi encontrada em 382 km do rio, o que representa 66,32% do trecho monitorado.

Este percurso morto no ano passado que inclui a qualidade ruim ou péssima da água alcançou a marca de 163km. A menor mancha de poluição já registrada na série histórica do levantamento ocorreu em 2014, quando a extensão do trecho era considerado morto foi de 71km. Esses dados são do relatório “Observando o Tietê 2020 – O Retrato da Qualidade da Água e a Evolução dos Indicadores de Impacto do Projeto Tietê”, da Fundação SOS Mata Atlântica.

“É urgente promover a requalificação ambiental das bacias hidrográficas paulistas, com envolvimento de todos os usuários e governos, com ações que começam pela recuperação e a proteção de corpos d’agua urbanos e rurais e que formam a vasta rede de drenagem das bacias hidrográficas da Mata Atlântica”, disse Malu Ribeiro, gerente da Fundação SOS Mata Atlântica em entrevista à Agência Brasil.

TRECHO MONITORADO

O estudo abrange, desde 2010, 576km do rio, desde o município de Salesópolis, na sua nascente, até Barra Bonita, na Hidrovia Tietê-Paraná. O Tietê corta o estado por 1.100 km, desde sua nascente até a foz no Rio Paraná, no município de Itapura. As análises foram feitas pelos voluntários entre setembro de 2019 e fevereiro de 2020, e depois realizadas em agosto deste ano. A interrupção nas coletas entre março e julho se deu por conta da pandemia do novo coronavírus.

Por esse motivo, não foi possível analisar 44 km (7,63%) do trecho historicamente monitorado devido às dificuldades que impossibilitaram a saída a campo. Esse trajeto, compreendido entre os municípios de São Paulo e Barueri é bastante poluído e apresenta pouca variação na condição de qualidade da água nas séries históricas de monitoramento.

Segundo a SOS Mata Atlântica, se fosse considerado com qualidade de água ruim, com base nos indicadores aferidos na Ponte das Bandeiras, até o subsequente em Santana de Parnaíba, a mancha de rio considerado poluído e em condições impróprias atingiria 194km, ficando maior que no período anterior, de setembro de 2018 a agosto de 2019, quando estava contida, de forma contínua, em 163km.

MELHORAS E PIORAS

Trechos do Rio Tietê mostram melhoras na qualidade da água, mas poluição ainda preocupa
Marcos Santos/USP Imagens

A entidade realizou a coleta em 83 pontos – distribuídos em 47 rios de 38 municípios -, seis (7,2%) mantiveram qualidade de água boa de forma perene, 55 (66,3%) regular, 21 (25,3%) ruim e 1 (1,2%) péssimo. Nenhum ponto registrou qualidade de água ótima. Houve registro de trechos com qualidade de água péssima apenas em um de seus afluentes, o Córrego José Gladiador, na cidade de São Paulo.

O estudo apontou que as mudanças de comportamento da sociedade por conta da pandemia de COVID-19 contribuíram para a redução de poluição no maior rio do Estado de São Paulo, principalmente com a diminuição do lixo nas ruas e a fuligem de veículos.

Por outro lado, o aumento da mancha de poluição pode estar relacionada a uma operação de abertura de comportas e barragens ao longo do rio para escoar as águas dos temporais que causaram grandes enchentes em fevereiro na capital. Junto com a água, o Tietê levou para o interior lixo, lodo e outros poluentes que pioraram a qualidade da água em Porto Feliz e Laranjal, a 240km da capital.

O QUE ESTÁ SENDO FEITO

Segundo o Governo do Estado, desde que foi iniciado em 1992, o projeto Tietê já levou coleta e tratamento de esgoto a mais de 11 milhões de pessoas na Região Metropolitana de São Paulo.

Em nota, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) diz que tem realizado obras de despoluição do rio e que entre 2019 e 2020 “foram concluídos importantes empreendimentos que elevaram considerável volume de esgotos tratado contribuindo para este resultado.”

Além disso, a Sabesp afirma que as prefeituras têm que zelar pela gestão dos resíduos sólidos e limpeza urbana para que o lixo deixado nas ruas não vá para o rio com as chuvas e reiterou que a população desempenha um papel fundamental neste processo.

O estudo na integra pode ser consultado no site da SOS Mata Atlântica.

(Com informações de SOS Mata Atlântica, Agência Brasil e G1)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Capela do Hospital Municipal Infantil Menino Jesus: 80 anos de história

Na série de reportagens sobre as capelas católicas em unidades hospitalares da capital paulista, o destaque de...

Cátedra de Cultura Judaica da PUC-SP comemora dez anos

O evento transmitido pela internet nesta sexta-feira, 23, marcou as comemorações dos dez anos da Cátedra de...

São João Paulo II: um Santo e poeta da Igreja

Dando sequência a série especial que rememora santos poetas da Igreja ao longo da história, O SÃO...

Declaração de Consenso de Genebra: avanço na luta contra o aborto

Brasil é um dos 32 países que assinam o documento que reforça a autonomia dos país na proteção da vida dos nascituros

Relatório da Caritas SP mostra os impactos da pandemia em crianças refugiadas

A equipe de Proteção do Centro de Referência para Refugiados da Caritas Arquidiocesana de São Paulo (CASP) produziu um relatório sobre os...

Newsletter