Confira nossa versão impressa

‘Deus não deixa ninguém para trás’

Mesmo depois de os discípulos O terem abandonado em seus últimos dias, Jesus voltou e os encontrou. Na missa do Domingo da Divina Misericórdia, no dia 19, o Papa Francisco refletiu sobre as passagens bíblicas que contam os primeiros dias após a Ressurreição. Mesmo Tomé, o apóstolo inicialmente incrédulo, foi capaz de acreditar em Jesus ressuscitado diante de si e confessar: “Meu Senhor e meu Deus”.

Também nós, disse o Papa, somos acompanhados por Deus e não podemos deixar os mais fracos para trás. “Somos todos frágeis, todos preciosos”, declarou o Santo Padre. “Nesta provação que estamos atravessando, também nós, como Tomé, com nossos temores e dúvidas, nos encontramos frágeis”, afirmou, referindo-se à atual pandemia de COVID-19. “O Senhor, no entanto, o esperou. A misericórdia não abandona quem ficou para trás.”

Contra o ‘vírus do egoísmo’

Nas palavras de Francisco, mesmo na possibilidade de se retomar a vida normal lentamente após a pandemia do novo coronavírus, é necessário garantir que ninguém tenha ficado para trás, abandonado no caminho.

Ele alertou: “O risco é que nos atinja um vírus ainda pior, aquele do egoísmo indiferente. Ele se transmite a partir da ideia de que a vida melhora se está melhor para mim, que tudo vai ficar bem, se ficar bem para mim. Parte-se daqui e chega-se a selecionar as pessoas, a descartar os pobres, a imolar quem está atrás no altar do progresso”.

O Pontífice pediu que toda a comunidade humana trabalhe para dissolver as desigualdades e acabe com “a injustiça que mina pela raiz a saúde da humanidade inteira”. 

Apresentar fraquezas a Deus

Assim como os primeiros cristãos, que vivenciaram a presença de Jesus ressuscitado, também nós temos que apresentar a Ele as nossas “misérias”, as fraquezas de cada um, pois é Ele o caminho.

“O amor desarmado e desarmante de Jesus ressuscita o coração do discípulo”, disse. “Usemos a misericórdia com quem é mais fraco: só assim reconstruiremos um mundo novo.”

Após um mês fechado no Vaticano e sem eventos públicos, o Papa saiu dos limites do pequeno país e caminhou até a Igreja do Espírito Santo, em Sassia, que fica a alguns quarteirões de distância, onde celebrou a missa.

A basílica é dedicada à devoção da Divina Misericórdia, que se baseia nos escritos de Santa Faustina e a qual foi instituída na liturgia pelo Papa João Paulo II, em abril de 2000.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Mobilização propõe que escolas comunitárias e confessionais tenham pleno acesso ao Fundeb

Iniciativa tem o apoio do Vicariato Episcopal para a Educação e a Universidade da Arquidiocese de São Paulo

Dom Carlos Lema: constituir uma escola comunitária permitirá às famílias dar uma educação de acordo com seus valores religiosos

Em entrevista ao O SÃO PAULO, o Bispo Auxiliar da Arquidiocese e Vigário Episcopal para a Educação e a Universidade fala sobre mobilização para que escolas comunitárias, confessionais e filantrópicas possam ter pleno acesso aos recursos do Fundeb

Devemos recuperar a ‘centralidade do ser humano’, diz Cardeal

A crise humanitária provocada pela atual pandemia de COVID-19 é um convite a repensar prioridades e urge “recuperar a centralidade do ser...

Missa pelos 70 anos do movimento da Mãe Peregrina no Brasil

No sábado, 19, foi celebrada na Paróquia Imaculada Conceição a missa em ação de graças pelos 70...

4ª edição das “Jornadas de Teologia Pastoral” acontece na sexta-feira, 25

Evento on-line é promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Newsletter