Promover o bem comum em vez de criar divisões nesta crise global

O Papa Francisco criticou, no dia 9, aqueles que se aproveitam da pandemia para “criar divisão” e se apropriar de possíveis soluções para a COVID-19, como, por exemplo, politizar as vacinas contra o coronavírus.

Na atual série de audiências gerais sobre a pandemia, ele falou sobre o “bem comum”. “Alguns se aproveitam da situação para alimentar divisões”, alertou. “Outros não se interessam pelo sofrimento dos outros”, ou “lavam as mãos”, como Pôncio Pilatos.

O amor é a única resposta cristã possível, disse o Papa. É o amor manifestado, inclusive, aos que são diferentes de nós. “Amo também os estrangeiros e os que me fazem sofrer”, declarou, definindo esse sentimento como “amor social”.

O princípio do “bem comum”, na Doutrina Social da Igreja, é a efetivação desse amor a todos, e não somente ao grupo social a que pertencemos, acrescentou. “O amor fecunda famílias e amizades, mas é bom lembrar que fecunda também as relações sociais, culturais, econômicas e políticas.”

A atual pandemia nos desafia, pois não aceita fronteiras. “O coronavírus nos mostra que o verdadeiro bem para cada um é um bem comum, e não só individual, e vice-versa”, afirmou Papa Francisco.

Ele também alertou acerca da necessidade de sair da crise mais fortes: não basta resolver a crise sanitária sem pensar na crise humana que se estabeleceu. Isso seria “construir sobre a areia”, enquanto a resposta correta é promover uma sociedade inclusiva, justa e pacífica, “sobre a rocha do bem comum”

Notícias relacionadas

Promover o bem comum em vez de criar divisões nesta crise global

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter