Teólogo ressalta que Matrimônio expressa o mistério do amor de Deus na vida da Igreja

As perspectivas teológico-sacramentais do Matrimônio foram o tema da segunda aula do curso de extensão cultural promovido pela Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), e a Faculdade de Direito Canônico São Paulo Apóstolo, na segunda-feira, 8.

Realizado on-line, o curso é destinado a sacerdotes, diáconos, seminaristas, religiosos, leigos, membros de mo- vimentos eclesiais, da Pastoral Familiar, de cursos de preparação para noivos e catequistas de jovens e adultos.

A aula foi ministrada pelo Padre Sidnei Fernandes Lima, Doutor em Teologia Dogmático-Sacramentária pelo Pontifício Ateneu Santo Anselmo, em Roma, e professor na Faculdade de Te- ologia da PUC-SP.

LEIA TAMBÉM:

Curso on-line aborda fundamentos teológicos, canônicos e pastorais do sacramento do Matrimônio

Mistério do amor de Deus

Padre Sidnei iniciou sua reflexão chamando a atenção para um desafio enfrentado atualmente sobre o Matrimônio, que, muitas vezes, não é compreendido pelos noivos como uma celebração sacramental que, como tal, é expressão do mistério do amor de Deus na perspectiva da salvação. Ele acentuou que, frequentemente, a celebração se torna um “espetáculo” social marcado por um forte apelo comercial que não valoriza o sentido sagrado da liturgia matrimonial.

Nesse sentido, o Professor salientou que existe uma parcela de responsabilidade pastoral e indicou a necessidade de que se invista na formação de comunidades conscientes do sentido sacramental do casamento, que ajudem os noivos a vivenciar concretamente o mistério desse sacramento. “Todo sacramento é um acontecimento da Igreja e a comunidade celebra com os noivos esse mistério e se compromete com o casal”, afirmou.

Teologia sacramental

Em seguida, o Teólogo apresentou alguns fundamentos da teologia sacramental a partir dos documentos eclesiais, como o Catecismo da Igreja Católica, que explica que a celebração litúrgica comporta sinais e símbolos que se referem à criação, à vida humana e à história da salvação. Tais gestos e memoriais “se tornam portadores da ação salvadora e santificadora de Cristo”.

“A liturgia nos coloca em contato com um mistério, com a realidade de salvação”, enfatizou Padre Sidnei, acrescentando que a liturgia não existe apenas para transmitir conceitos, mas por meio dos símbolos, gestos e ritos, vivencia-se concretamente a realidade do mistério celebrado.

No caso do Matrimônio, a realidade expressa por meio do sacramento é a do mistério da união do Cristo com sua Igreja, portanto, é o sinal visível e sensível do amor de Deus.

Sinal de comunhão

“O casal que recebe este sacramento demonstra a grandiosidade da unidade de Deus, reflexo do amor da própria Trindade. O Matrimônio é o sacramento da fecundidade, que gera vida e distribui amor às pessoas”, acrescentou o Professor, recordando que, ao lado da Ordem, o Matrimônio é um sacramento do serviço da comunhão.

Por essa razão, o Teólogo reforçou que esse sinal sacramental selado no rito do Matrimônio, por meio do consentimento dos noivos, os ministros deste sacramento, diante da testemunha qualificada da Igreja (sacerdote, diácono), não se limita àquele instante da liturgia, mas perdura por toda a vida do casal.

Padre Sidnei também recordou que a união entre o homem e a mulher existe desde a criação da humanidade. Contudo, ao pecar, o ser humano perdeu o equilíbrio, a harmonia e o amor. “Cristo, no entanto, veio reunir os homens no amor… Veio restaurar a harmonia entre o homem e a mulher”, enfatizou, explicando que Jesus elevou o matrimônio natural à dignidade de sacramento.

“O amor entre o homem e a mulher, que é unidade, doação, fonte de vida, que faz o ser humano semelhante a Deus, foi também escolhido por Cristo como sinal que recorda e celebra o seu grande amor pelos homens”, completou o Professor.

O Teólogo observou, ainda, que esse mistério salvífico celebrado no Matrimônio não diz respeito apenas à vida dos esposos, mas a toda a comunidade cristã, para a qual eles devem ser sinal do amor de Cristo pela humanidade. “A celebração do Matrimônio diante da comunidade deve significar tudo isso”, enfatizou o Padre.

Bênção nupcial

Para explicar melhor a teologia sacramental do Matrimônio, Padre Sidnei destacou a estrutura da bênção nupcial proferida durante a celebração matrimonial.

A oração se inicia com a memória da ação do amor de Deus pela humanidade e como Ele abençoou o amor entre o homem e a mulher desde a criação. “Ó Deus, santificastes misteriosa- mente a união conjugal, desde o princípio, a fim de prefigurar no vínculo nupcial o mistério de Cristo e da Igreja […] Vós unis a mulher ao marido e dais a esta união estabelecida desde o início a única bênção que não foi abolida, nem pelo castigo do pecado original, nem pela condenação do dilúvio”, diz um trecho da bênção.

A segunda parte da oração traz a invocação da graça do Espírito Santo sobre os noivos, “para que, impregnados da vossa caridade, permaneçam fiéis à aliança conjugal”. Na conclusão, apresenta intercessões em favor dos esposos, pedindo que permaneçam firmes na fé, amem os Mandamentos, conservem-se fiéis um ao outro: “Animados pela força do Evangelho, sejam entre todos verdadeiras testemunhas de Cristo”.

Por fim, Padre Sidnei incentivou que especialmente os sacerdotes dediquem um momento do curso de noivos para explicar o rito do sacramento do Matrimônio aos futuros esposos, para que estes tenham a oportunidade de compreender a grandeza do mistério que estão prestes a celebrar.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter