Confira nossa versão impressa

Fratelli tutti e os artífices de um novo mundo

Quem é o protagonista da construção do bem comum e da justiça social? Essa pergunta percorre a história humana. Para muitos, numa grande consonância com o Cristianismo, seria o virtuoso, entendido como aquele que procura a justiça e o comportamento reto. Para outros, seriam os líderes “esclarecidos”, cuja sabedoria estaria acima daquela dos demais. O marxismo colocou não algumas pessoas, mas uma classe social, o proletariado, como a única capaz de uma revolução utópica. Muitos pensadores pró-mercado imaginaram que o próprio funcionamento da sociedade capitalista, democrática e liberal, resolveria os problemas sociais. O cientificismo colocou suas esperanças na ciência e na técnica. No século XX, pulularam líderes políticos autocráticos que se anunciavam como “salvadores do povo” ou “salvadores da pátria”.

Esse elenco de personagens não é meramente ilustrativo. Corresponde às tentações e desvios ideológicos com os quais lidamos todos os dias, quando nos deparamos com questões políticas. Na prática, nenhum deles consegue, por si só, construir o bem comum.

O Papa Francisco, na encíclica Fratelli tutti (FT), apresenta um outro protagonista: a pessoa solidária, aquela que vive um verdadeiro amor fraterno por todos. Essa é o artífice de um mundo novo, capaz de construir uma realidade mais justa e mais humana para todos.

Partindo do exemplo do Bom Samaritano (Capítulo II), a encíclica é construída a partir da relação entre essa pessoa solidária e o “forasteiro”–  aquele que não tem um lugar próprio no mundo, por ser estrangeiro ou por ser, em seu próprio território, um “descartado”, em função da pobreza, de questões de saúde ou da velhice.

Esses excluídos são as grandes vítimas da injustiça e do desamor na sociedade Para eles, particularmente, deve se voltar uma política baseada na “caridade social e política” (Capítulos III, IV e V).

O diálogo verdadeiro, que não é relativista, mas procura a verdade contida na posição de cada um, leva à cultura do encontro – em cujo contexto se compreende a necessidade do perdão e da reconciliação, que não esquecem ou deixam impune a injustiça sofrida, mas criam uma verdadeira superação que torna possível construir juntos (Capítulos VI e VII).

Francisco tem uma percepção aguda tanto dos dramas sociais quanto político-culturais de seu tempo. Identifica, justamente, os “sonhos despedaçados” e a falta de “um projeto para todos” (FT 11-17), consequências tanto do fracasso das utopias quanto da desilusão com as promessas da economia globalizada. Nesse sentido, procura, com a Fratelli tutti, assim como já havia feito com a Laudato si’, recuperar a esperança e o ímpeto de construção de um mundo melhor, que se encontram, às vezes sufocados ou esquecidos, no coração de todo ser humano.

Fratelli tutti contrapõe o amor, que gera fraternidade e solidariedade, com o individualismo, gerador de exclusão, sofrimento e solidão. Mas será a fraternidade uma possibilidade real ou apenas uma ilusão bondosa? Esse é o grande desafio que a realidade apresenta à mensagem do Papa e à experiência concreta de todos nós, cristãos e pessoas de boa vontade.

A ele, Francisco responde afirmando que “a partir do ‘amor social’, é possível avançar para uma civilização do amor a que todos podemos nos sentir chamados. Com o seu dinamismo universal, a caridade pode construir um mundo novo, porque não é um sentimento estéril, mas o modo melhor de alcançar vias eficazes de desenvolvimento para todos” (FT 183).

Francisco Borba Ribeiro Neto, sociólogo e biólogo, é coordenador do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP

Colunas relacionadas

Comentários

  1. Parabéns pelo excelente artigo que evidencia o quão nosso amado papa tem sido luz em um mundo conturbado. Destaco um trecho que ilumina e nos enche de esperança. “Identifica, justamente, os “sonhos despedaçados” e a falta de “um projeto para todos” (FT 11-17), consequências tanto do fracasso das utopias quanto da desilusão com as promessas da economia globalizada. Nesse sentido, procura, com a Fratelli tutti, assim como já havia feito com a Laudato si’, recuperar a esperança…”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Retirar-se para ouvir a voz de Deus

O SÃO PAULO apresenta indicações para quem deseja realizar um retiro espiritual de maneira solitária e pessoal

Marcha pela Vida 2020: a mulher e o bebê têm igual direito de viver

Não foi como nos anos anteriores, com centenas de pessoas nas ruas, mas a Marcha pela Vida...

São João Paulo II: um Santo e poeta da Igreja

Dando sequência a série especial que rememora santos poetas da Igreja ao longo da história, O SÃO...

Polônia inaugura mural gigante de São João Paulo II no ano do centenário

Uma cidade polonesa inaugurou um mural gigante de São João Paulo II, em homenagem ao centenário de...

Declaração do Papa sobre homossexuais foi editada com fragmentos de entrevista de 2019

Cineasta utilizou trechos retirados do contexto original de uma entrevista do ano passado para compor afirmação do Pontífice a respeito das uniões...

Newsletter