Confira nossa versão impressa

Três advertências de Francisco

O Papa Francisco nos tem alertado contra três perigos que, a seus olhos, constituem as maiores ameaças à vida cristã na atualidade. As advertências contra essas três tentações se encontram principalmente nas exortações apostólicas Evangelii gaudium (EG) e Gaudete et exsultate (GE), porém são recorrentes em todo o ensinamento de Francisco e foram igualmente recolhidas na Carta Placuit Deo (PD), da Congregação para a Doutrina da Fé.

Esses perigos espirituais são a tentação neopelagiana, a tentação gnóstica e a ideologização da fé. Essas três ameaças estão íntima e logicamente relacionadas, como veremos a seguir.

A atitude neopelagiana: o pelagianismo é uma antiga heresia. Seu autor, Pelágio, negava o pecado original e seus efeitos negativos sobre a condição humana; ensinava que está no livre-arbítrio do homem salvar-se por suas próprias forças, sem a necessidade do auxílio sobrenatural de Deus, a graça. O pelagianismo exerceu no Ocidente cristão o mesmo papel do arianismo no Oriente: uma tentativa de destruir o que há de propriamente sobrenatural no Cristianismo. Enquanto o arianismo fazia isso pela negação da divindade de Jesus, o pelagianismo o fazia negando a necessidade da graça.

O neopelagianismo criticado por Francisco é menos uma falsa doutrina do que uma atitude viciosa. Em nossos dias, não mais contesta teoricamente a necessidade da graça. Entretanto, prega que se vive como se a graça não existisse ou não se precisasse dela. Constrói sua vida espiritual baseada em suas próprias forças. O paroxismo desse fenômeno é encontrado em certos jovens que, perplexos com os problemas internos da Igreja e com a hostilidade que ela sofre do mundo, pretendem salvá-la. Essa pretensão, todavia, desconhece o que a Igreja tem de sobrenatural e de mistério. Tratase da inversão completa das relações que deve haver entre a Igreja e seus filhos: a Igreja não precisa que eu a salve, eu é que preciso dela para me salvar. Uma Igreja que precisasse ser salva pelos homens não mereceria ser salva.

A tentação gnóstica: o gnosticismo, talvez a pior heresia de todos os tempos, acompanha a Igreja desde Simão, o Mago (cf. At 8,8-24). Foi denunciado por São Paulo Apóstolo (cf. 1Tm 4,1-5) e São João Evangelista (cf. 1Jo 4,1-6). Santo Irineu de Lião, no século II, o chamou simplesmente de “a Heresia”. Sua malignidade especial vem de seu caráter capcioso, pelo qual, como alerta Francisco, “disfarça-se de verdade católica” (GE, 35) ou, no dizer de Santo Irineu, “parece mais verdadeiro que a própria verdade”. O gnosticismo promete o encontro com Deus por meio de um conhecimento salvador que o homem encontraria, para além da lógica e da razão, no interior de si mesmo. Trata-se de um pseudomisticismo em que o indivíduo, buscando aderir a Deus, na verdade consegue apenas se inebriar de si mesmo, ao contrário da autêntica mística cristã, em que o homem se une a Deus pela caridade sobrenatural e pelo dom espiritual da sabedoria. Na medida em que dispensa a graça, o gnosticismo pode ser visto como uma forma sofisticada de pelagianismo, particularmente sedutora para aqueles interessados numa vida espiritual mais profunda.

A ideologização da fé: se a atitude neopelagiana na vida contemplativa acaba conduzindo ao gnosticismo, a ideologização da fé é o neopelagianismo em ação. O Cristianismo é reduzido a mero pretexto retórico para agir no mundo ou mesmo a um instrumento de manipulação das consciências e aquisição de poder. As exigências da vida cristã são assim prostituídas a conveniências políticas e a paixões partidárias, quando, na reta razão das coisas, a política é que deveria se subordinar à ordem moral, sem se comprometer a identidade cristã nas disputas ideológicas.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

‘Por que duvidaste?’

Certa vez, Jesus dormira na barca, durante uma forte tempestade. Acordado por discípulos desesperados, repreendeu-lhes a falta de fé e conjurou os...

‘Um padre pode celebrar um casamento fora da Igreja?’

O autor da pergunta preferiu não se identificar. Inicialmente, respondo que, claro, um padre pode celebrar casamentos fora da Igreja. Entretanto, há...

Escola e família em tempos de pandemia

Esta quarentena, que a princípio seria reduzida, prolongou-se muito e estamos há aproximadamente 150 dias vivendo uma rotina completamente diferente da habitual.

O Brasil precisa do compromisso cristão centrado no Evangelho

Diante das dificuldades que o Brasil está enfrentando, é preciso que todos os cristãos se mobilizem e exerçam a sua responsabilidade de...

Newsletter