Íntegra da homilia de Dom Odilo na missa pelo centenário de nascimento de Dom Paulo

Saudações

Neste dia, em que a Igreja celebra na Liturgia a festa da Exaltação da Santa Cruz, recordamos também o centésimo aniversário do Cardeal Paulo Evaristo Arns, de ilustre e saudosa memória. Convido, pois, a todos para este momento de reflexão sobre a palavra de Deus e também sobre a esperança que animou Dom Paulo, 5º Arcebispo Metropolitano desta Sé de São Paulo.

A Igreja olha para a cruz salvadora de Cristo com profundo reconhecimento e gratidão Àquele que, condenado à dura morte de cruz, entregou a sua vida por amor à humanidade. A cruz lembra o cálice amargo, muito amargo, que nosso Salvador aceitou beber até o fim, derramando até à última gota o seu precioso sangue por nós.

E por que o fez? Por que ele, inocente e justo, que havia feito somente o bem, aceitou submeter-se a tão grande maldade humana, que o conduziu a morte tão dolorosa e infamante? O mistério da cruz de Cristo desafia a nossa compreensão humana, mas torna-se luminoso à luz da fé cristã. O próprio Jesus, no diálogo com Nicodemos, nos dá a chave de compreensão desse mistério de dor e ultraje, amor e redenção. “Tanto Deus amou o mundo, que lhe entregou seu Filho unigênito, para que não morra o que nele crer, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16).

Jesus aceitou seguir até o fim o caminho da cruz para nos mostrar até onde o amor misericordioso de Deus é capaz de ir, para nos alcançar e salvar. Deus podia ter intervindo na paixão e morte de Jesus, destruindo seus inimigos e resgatando seu amado Filho unigênito das mãos dos pecadores. No entanto, “Deus não enviou seu Filho ao mundo para o condenar, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (Jo 3,17). Deus não quer a morte do pecador, mas sim, que se converta e viva!”. Jesus, entregando a sua vida sobre a cruz, representa a mão de Deus perenemente estendida ao homem pecador e a certeza da sua misericórdia, que perdoa e salva.

Na ressurreição de Jesus, Deus mostrou que também não queria a morte de seu Filho na cruz, mas que ele manifestasse a plenitude do amor e da vida, o futuro pelo qual vale a pena estender nossas mãos para o Crucificado, acolhendo o amor de Deus e o Espírito Santo, hálito da vida nova, que Jesus entrega à humanidade mediante a sua paixão, morte de cruz e ressurreição. A cruz de Cristo, portanto, não é mais um símbolo de morte e aniquilamento, mas de esperança, misericórdia e vida. Como os hebreus no deserto olhavam com fé para a serpente de bronze e eram curados do veneno da serpente enganadora, assim nós olhamos para Cristo na cruz, cheios de fé e esperança, e somos curados do veneno da mesma serpente enganadora, que segue produzindo a morte. Jesus na cruz é sinal de esperança e vida.

Comemoramos o centenário do cardeal Dom Paulo Evaristo Arns e estamos aqui para recordá-lo, como um dom que Deus concedeu à humanidade e, particularmente, à Igreja e à comunidade de São Paulo. Entre os muitos aspectos da pessoa e da ação de Dom Paulo, desejo lembrar que ele foi um homem de esperança e seu serviço à Igreja e à comunidade humana teve sempre a marca da esperança, ainda que a cruz fosse pesada para ele e para o povo.

Seu lema episcopal – “de esperança em esperança” –, é inspirado na palavra de Deus e serviu de orientação para sua vida e ação episcopal. Sua nomeação episcopal deu-se em maio de 1966, menos de um ano após o encerramento do Concílio Vaticano II (1962-1965). O Concílio havia despertado grandes esperanças e trazido a promessa de uma nova primavera para a Igreja, que necessitava muito de renovação na sua vida interna, ainda marcada pelas circunstâncias vividas por ela no século anterior.

O magistério da Igreja havia feito severas desaprovações ao modernismo e ao racionalismo, avessos à dimensão religiosa da vida humana e da cultura. E condenou com firmeza as ideologias materialistas, não apenas pelo cerceamento à liberdade religiosa, mas também por causa da violação sistemática de outros direitos humanos fundamentais. Superados os dramas da 2ª. guerra mundial, a humanidade queria paz e os povos do “terceiro mundo” aspiravam à independência e a condições de vida dignas. Com o esforço internacional para tecer novas relações entre os povos, também a Igreja passou a rever suas relações com o mundo.

O papa São João XXIII, ao convocar o Concílio, queria deixar entrar ares frescos na Igreja, fazendo-a passar de uma postura fechada e defensiva para uma atitude mais acolhedora e dialogante em relação à cultura, à ciência, à política e às religiões. Ela não abdicou de suas convicções, mas dispunha-se a encontrar e ouvir mais, para perceber melhor as razões das outras partes. Propunha-se a somar com todos aqueles que buscassem sinceramente o bem da humanidade, ainda que as convicções fossem diferentes das suas. O início da Constituição Pastoral “Gaudium et Spes”, sobre a Igreja no mundo contemporâneo, expressou bem essa nova postura da Igreja: “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje são também as alegrias e as esperanças, aas tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo” (GS 1).

Foi no contexto desse tempo novo, marcado por otimismo e esperança, que Dom Paulo foi consagrado Bispo Auxiliar de São Paulo. Seu lema “ex spe in spem” – é inspirado na Carta aos Romanos (1,17) – “ex fide in fidem” – “da fé para a fé” (Rm 1,7) e na Carta aos Hebreus, onde o autor exorta a perseverar na esperança, sem esmorecer, “pois é fiel aquele que fez a promessa” (cf Hb 10,22-25).

As virtudes teologais da fé, esperança e caridade devem ser a marca distintiva do cristão. A esperança, como virtude humana, leva a uma atitude positiva diante da vida, desencadeando energias aptas à superação de dificuldades e a alcançar as metas, com dedicação e paciência. A esperança cristã nos projeta ainda para além daquilo que, humanamente, seríamos capazes de alcançar e sua base é a fidelidade de Deus, que se faz o “fiador” da nossa esperança (cf Hb 6,13). O objeto maior da esperança cristã são as promessas divinas, como a misericórdia, o perdão, a vida e a felicidade eterna. Esses bens, no entanto, não estão desvinculados das justas esperanças para esta vida: pelo contrário, tornam-se fonte de dinamismo e de paciente busca dos bens que expressam a dignidade, o valor e a beleza da vida neste mundo.

Com o passar dos anos, o lema de Dom Paulo mostrou-se cada vez mais inspirador e confortador para ele. Em 1970, com apenas 4 anos de episcopado, ele foi nomeado arcebispo de São Paulo pelo papa Paulo VI, que lhe conferiu o pastoreio de toda a metrópole paulistana. Na mesma época, São Paulo e o Brasil viveram anos difíceis, durante os quais Dom Paulo, com destemor e paciência, indicou caminhos de esperança e superação. Diante das situações aviltantes para a dignidade humana, ele empenhou-se na realização de pequenas e grandes esperanças das comunidades da periferia urbana e do povo empobrecido. Dom Paulo também se empenhou e encorajou muitos outros a se empenharem na normalização da vida democrática no Brasil.

As esperanças de Dom Paulo para o povo e para a Igreja continuam a valer em nossos tempos. Ele queria uma Igreja, povo de Deus, onde todos tivessem seu lugar e participassem da missão do testemunho de Jesus Cristo e do Evangelho. Hoje o Papa Francisco nos chama a sermos uma Igreja “sinodal e participativa”. Dom Paulo queria uma Igreja ao lado dos pobres e dos que sofrem, testemunhando o amor misericordioso de Deus e a dignidade de cada pessoa, amada por Deus e pela qual Jesus morreu na cruz. O Papa Francisco nos chama a sermos uma “Igreja em saída missionária”, qual “hospital em campo de batalha” ao lado dos feridos e caídos, e também comprometidos no cuidado da casa comum” e na fraternidade da grande família humana.

Queria Dom Paulo, a superação das grandes desigualdades e injustiças sociais e econômicas do Brasil e do mundo. Sonhava com a cidade sem ninguém abandonado nas periferias e pelas ruas e praças. Esperava que todos pudessem ter trabalho digno, moradia, educação e saúde. Esperava que o convívio urbano fosse sem violência e que todos pudessem viver em paz e harmonia nesta casa comum.

Seria demais esperar que também nós renovemos nossa disposição para lutar, a fim de que essas esperanças “normais” da humanidade, um dia, se tornem realidade? Animados pela grande esperança, que não desilude (cf Rm 5,5), continuemos a nos empenhar no dia a dia, com coragem e paciência, na edificação de um mundo melhor para todos. “Coragem”, repetia Dom Paulo sempre! Deus sustente nossa fé, esperança e caridade. Jesus na cruz nos dê coragem e perseverança!

Cardeal Odilo Pedro Scherer Arcebispo de São Paulo Catedral de São Paulo, 14.09.2021

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter