ACN envia ajuda a Serra Leoa

40 padres da Arquidiocese de Freetown terão apoio para continuar suas atividades missionárias

ACN envia ajuda a Serra Leoa

O povo de Serra Leoa passou por grande sofrimento. Afinal, até hoje as consequências da guerra civil, que durou de 1991 a 2002, ainda são evidentes. Muitas vidas humanas foram perdidas e grande parte da infraestrutura do país foi devastada. aliás, a economia ficou totalmente destruída e em torno de 70% da população de sete milhões de habitantes vive hoje na pobreza.

A epidemia de Ebola de 2014 e uma série de desastres naturais pioraram a situação. E agora, em 2020, com a epidemia do coronavírus, a vida se tornou ainda mais difícil para as pessoas, especialmente devido à pobreza em que já viviam.

Como sempre, nestas situações graves, é a Igreja Católica que acolhe as pessoas. Há cem anos a Igreja tem apoiado os fiéis do país, não somente de forma pastoral, mas de forma prática, provendo cuidado médico, alimentando os famintos, promovendo ajuda ao desenvolvimento e dando acompanhamento às famílias em todas as suas muitas necessidades.

A Igreja é particularmente ativa no campo da educação. Até recentemente as escolas católicas eram os únicos centros educacionais em Serra Leoa; e isto apesar do fato de que 78% da população é muçulmana. A Igreja Católica é muito respeitada pelo povo por seus vários trabalhos de caridade e pelo fato de que ajuda a todos, sem considerar a religião ou a etnia.

Serra Leoa conta com a ajuda da Igreja

No entanto, ao mesmo tempo, a Igreja não pode negligenciar sua missão básica de proclamar o Evangelho, administrando os sacramentos e conduzindo as almas para Deus. Não é necessário dizer que as várias atividades em que a Igreja está envolvida têm que ser pagas de alguma forma. E, sendo a igreja local extremamente pobre, há necessidade urgente de apoio financeiro vindo de fora.

Esta é a situação da Arquidiocese de Freetown, a capital nacional. Os 40 padres da Arquidiocese estão ajudando as pessoas em suas necessidades espirituais e materiais. Mas muitos deles estão trabalhando em paróquias onde não há eletricidade, nem água corrente, nem meios de transporte e de comunicação. A própria Arquidiocese é muito pobre e não pode ajudar seus padres com tudo o que precisam.

O coronavírus tornou tudo pior. Agora que todas as missas públicas foram suspensas, até o apoio que vinha da coleta se extinguiu. Por isso, para compensar de alguma forma, a Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN) irá ajudar os 40 padres da Arquidiocese a continuarem sua missão.

Padre Emmanuel é um dos sacerdotes em Serra Leoa que receberam ajuda da ACN. Ele escreve e, sobretudo, agradece: “Todo dia, durante a crise, eu tinha que sair, antes da oração da manhã, para trabalhar com os pescadores para ganhar o meu pão diário. Minha igreja é perto da praia. Eu estou tão agradecido pelas ajudas que vocês nos mandaram. Possa o Senhor continuar lhes abençoando abundantemente!”

Em seu site, a ACN disponibiliza um canal de contato para os que queiram fazer doações

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter