Confira nossa versão impressa

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre eles estão os arcebispos de Washington (EUA) e de Santiago do Chile

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco
(Foto: Vatican Media)

Três franciscanos, o primeiro afro-americano, um sobrevivente de genocídio e o bispo de um país onde evangelizar é proibido. Essas são algumas características dos novos cardeais do Papa Francisco, anunciados no domingo, 25. Em 28 de novembro, será realizado o próximo consistório, ou seja, a reunião dos cardeais presentes em Roma com o Papa.

Serão criados 13 cardeais, nove dos quais eleitores, com menos de 80 anos, e que poderiam eleger um futuro Papa. Além deles, outros quatro clérigos não eleitores serão admitidos em gesto de reconhecimento pelo serviço à Igreja. 

Bispos de grandes dioceses

À frente da Arquidiocese de Washington dos Estados Unidos desde 2019, Dom Wilton D. Gregory é o primeiro negro americano a se tornar cardeal. Sua nomeação é particularmente importante num momento em que o país vive onda de protestos pela questão racial. Ele também foi Arcebispo de Atlanta, bispo auxiliar de Chicago e presidente da conferência episcopal americana.

Outro arcebispo de destaque é o de Santiago do Chile, Dom Celestino Aós Braco, capuchinho espanhol radicado no Chile. Foi bispo de Copiapó e, ao mesmo tempo, administrador apostólico de Santiago. Ganhou a confiança do Papa ao liderar a Igreja chilena no período da crise dos abusos, mas também na atual fase de protestos pela reforma constitucional.

Líderes da Cúria e italianos

Dois nomes são de bispos que acabam de assumir cargos no Vaticano. O primeiro é o novo Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, o italiano Dom Marcello Semeraro. Ele trabalhou no conselho de cardeais e foi Bispo de Albano (Itália).

O outro é o Secretário-geral do Sínodo dos Bispos, Dom Mario Grech (Malta), com a missão de abrir as portas do Vaticano para a Igreja de todo o mundo.

Mais dois dos novos cardeais são italianos. Um é o Arcebispo de Siena, Dom Augusto Paolo Lajudice, que foi bispo auxiliar em Roma e é responsável pela comissão sobre migrações da Conferência Episcopal Italiana (CEI).

Outro é o Frei Mauro Gambetti, até então responsável pela comunidade franciscana na cidade de Assis. Como ele está terminando seu mandato, especula-se que venha a assumir um dicastério na Cúria Romana. Por ser padre, deve receber a ordenação episcopal, conforme as normas da Igreja.

Líderes internacionais

O neo-cardeal Dom Antoine Kambanda, Arcebispo de Kigali (Ruanda), representa uma igreja sofrida. Ainda é recente o chamado “genocídio de Ruanda”, dos anos 1990, no qual estima-se que 1 milhão de pessoas tenham sido mortas por disputas étnicas e políticas. Ele perdeu toda a sua família, exceto um irmão. Foi ordenado por São João Paulo II.

Outra situação dramática é a de Dom Cornelius Sim, o único bispo de Brunei. O país é oficialmente muçulmano e a religião é lei. Só 10% da população é católica, a maioria descendente de filipinos e chineses, e a evangelização é proibida.

O terceiro líder internacional nessa lista é Dom José Advincula, Arcebispo de Capiz (Filipinas). Ele passa a ser a principal referência da igreja no seu país, já que o famoso Cardeal Antonio Tagle há pouco assumiu um dicastério no Vaticano.

Reconhecido merecimento

Os quatro clérigos com mais de 80 anos escolhidos pelo Papa passam a ser membros do colégio cardinalício e adquirem essa dignidade, mas não podem votar em um eventual conclave.

O mais famoso deles é o Frei Raniero Cantalamessa, de 86 anos, pregador da Casa Pontifícia desde os anos 1980 e autor de livros espirituais. Foi nomeado por São João Paulo II e confirmado por Bento XVI e Francisco. Ele prega na cerimônia da Sexta-feira da Paixão e em outras ocasiões. Capuchinho, ele é muito admirado pelos membros da Renovação Carismática Católica.

Os outros três são o Arcebispo Dom Silvano Tomasi, scalabriniano que por 13 anos foi observador da Santa Sé na ONU; o bispo emérito de San Cristóbal de las Casas (México), Dom Felipe Arizmendi Esquivel; e o Monsenhor Enrico Feroci, que por quase 10 anos foi diretor da Cáritas de Roma.

Também Cantalamessa e Feroci, que ainda não são bispos, teoricamente deveriam ser ordenados. Mas é comum que os nomeados após 80 anos peçam dispensa dessa obrigação e continuem servindo como sacerdotes.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Dom Luiz inaugura capela da medalha milagrosa na Paróquia São Felipe Néri

Também se comemorou o centenário do fundador da Congregação e da Paróquia, o Padre Aldo Giuseppe Maschi (1920-1999) Na sexta-feira, 27 de novembro, Dom Luiz...

Pastoral do menor da Região Sé promove encontro on-line

O missionário José Cícero conduziu o momento de espiritualidade A Pastoral do Menor da Região Episcopal Sé realizou um encontro on-line em 26 de novembro,...

Em busca da unidade: bispos terão manual da Santa Sé sobre ecumenismo

Nesta sexta-feira, 4, na Sala de Imprensa da Santa Sé, no Vaticano, será apresentado o documento intitulado “O bispo e a unidade dos cristãos:...

Carreata marca os 50 anos da Paróquia Nossa Senhora de Casaluce

A comunidade instalada no bairro do Brás a mais de um século, foi elevada paróquia no dia 19 de outubro de 1970 No sábado, 28...

Rede Mundial de Oração do Papa torna-se Fundação Vaticana

A Sala de Imprensa da Santa Sé divulgou nesta quinta-feira, 3, um comunicado informando que, por decisão do Papa Francisco, a Obra Pontifícia “Rede...

Newsletter