Confira nossa versão impressa

Deslocamento forçado atinge 79 milhões de pessoas

Relatório da ONU aponta crescimento em 2019 de 12% no número de deslocados em relação ao ano anterior. Crise humanitária na Venezuela e a guerra civil na Síria são as maiores responsáveis pelo crescimento.

Deslocamento forçado atinge 79 milhões de pessoas
(Crédito: ACNUR)

Em relatório divulgado na quinta-feira, 18, pela Agência da ONIU para Refugiados (ACNUR), no final de 2019, 1% da humanidade estava em deslocamento forçado de suas casas. Os números são os maiores já registrados e correspondem a 79,5 milhões de pessoas. Além disso, foi registrado o menor número de refugiados que voltaram às suas casas.

O relatório da ACNUR, “Tendências Globais 2019”, foi lançado dois dias depois do Dia Mundial dos Refugiados, e aponta que há 26 milhões de refugiados do mundo. Outras 45,7 milhões de pessoas fugiram para regiões de dentro de seus próprios países e 4,2 milhões buscam asilos em outros países. Na última década, 390 mil pessoas voltaram às suas casas em média, por ano. Um número bem menos do que a média de 1,5 milhão no anos 1990.

Destaca-se, no relatório, a situação dos refugiados venezuelanos, que correspondem a 3.6 milhões de pessoas. O país sul-americano é o segundo do mundo com maior número de pessoas deslocadas, atrás apenas da Síria, atualmente em guerra civil. Apenas cinco países são responsáveis por 68% do total de pessoas deslocadas: Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Myanmar.

“Testemunhamos uma nova realidade na qual o deslocamento forçado não é mais simplesmente algo que cresce e se espalha, mas deixou de ser um fenômeno temporário e de curto prazo”, afirmou o Alto Comissário da ONU para os Refugiados, Filippo Grandi. “Não se pode esperar que as pessoas vivam em um estado de convulsão por anos a fio, sem chances de voltar para casa e sem esperança de construir um futuro onde estão”, complementou.

Os dados também mostram que a situação dos refugiados afeta diretamente as crianças, que representam 40% do forçados a se deslocar. Em número absolutos, são 34 milhões de crianças deslocadas, um número maior que as populações da Austrália, Dinamarca e Mongólia somadas.

Os idosos de acima de 60 anos são 4% dos deslocados e estão em proporção menor em relação à sua participação na população mundial (12%). Entretanto, esse número revela que muitas famílias se separam de seus entes queridos para fugir, pois os idosos, muitas vezes, não conseguem empreender grandes viagens.

Em 2019, houve um aumento de 8 milhões de pessoas em deslocamento em relação ao ano anterior. O número é quase o dobro do registrado em 2010, quando houve 41,1 milhões de pessoas deslocadas. O aumento entre 2018 e 2019, segundo relatório, ocorreu, principalmente, pelos deslocamentos na Venezuela, Congo, Iêmen e Síria, que entrou no décimo ano de guerra civil.

“Precisamos de uma atitude fundamentalmente nova, com maior aceitação a todas e todos que são forçados a fugir, e determinação muito maior para resolver os conflitos que duram anos e que causam um sofrimento tão imenso”, concluiu o Alto Comissário da ONU.

Coisas que você precisa saber sobre deslocamento forçado
 

  • Pelo menos 100 milhões de pessoas foram forçadas a fugir de suas casas na última década, buscando refúgio dentro ou fora de seus países. São mais pessoas forçadas a se deslocar do que toda a população do Egito, o 14º país mais populoso do mundo.
     
  • O deslocamento forçado praticamente dobrou na última década: eram 41 milhões de pessoas em 2010, contra 79,5 milhões em 2019.
     
  • 80% das pessoas deslocadas no mundo estão em países ou territórios afetados por grave insegurança alimentar e desnutrição – e muitas enfrentam riscos relacionados ao clima e desastres naturais.
     
  • Mais de três quartos dos refugiados do mundo (77%) estão em situações de deslocamento de longo prazo – por exemplo, a situação no Afeganistão, agora em sua quinta década.
     
  • Mais de oito em cada dez refugiados (85%) estão em países em desenvolvimento, geralmente um país vizinho ao de onde fugiram.
     
  • Cinco países contabilizam dois terços das pessoas deslocadas além das fronteiras nacionais: Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Mianmar.
     
  • O relatório “Tendências Globais” reúne todas as principais populações deslocadas e refugiadas, incluindo 5,6 milhões de refugiados palestinos que estão sob os cuidados da Agência da ONU de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA).

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Cardeal Scherer envia saudação ao prefeito reeleito de São Paulo

Em mensagem enviada a Bruno Covas, Arcebispo de São Paulo reitera a necessidade de um governo que não se esqueça dos mais pobres e...

Bruno Covas é reeleito prefeito de São Paulo

Ele foi o mais votado em 50 das 58 zonas eleitorais da cidade, tendo mais de 3,1 milhões de votos O candidato do PSDB à...

Padre Vitor Bertoli: uma vida dedicada à caridade e à promoção humana

No cruzamento da Avenida Rebouças com a Rua Henrique Schaumann e a Avenida Brasil, encontra-se a Igreja Senhor Bom Jesus dos Passos, na Praça...

Católicos coreanos abrem jubileu dos 200 anos do nascimento de São Kim Degun

Na manhã deste domingo, 29, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu uma missa na matriz da Paróquia Pessoal Coreana São...

Como denunciar as fake news e outras irregularidades nas Eleições 2020?

Em sites específicos e até pelas redes sociais é possível ajudar a combater a desinformação neste dia de eleições Neste dia de eleição, eleitores que...

Newsletter