Confira nossa versão impressa

Exortação apostólica Verbum Domini, 10 anos: a Palavra de Deus na vida e missão da Igreja

Documento foi publicado pelo Papa Bento XVI em 30 de setembro de 2010

Exortação apostólica Verbum Domini, 10 anos: a Palavra de Deus na vida e missão da Igreja

Há dez anos, foi publicada a exortação apostólica pós-sinodal Verbum Domini, escrita por Bento XVI após a 12ª Assembleia Geral Ordinária dos Bispos sobre a “Palavra de Deus na vida e missão da Igreja”.

Em três grandes partes, o documento desenvolve pontos essenciais trazidos pelos bispos participantes do sínodo. A primeira delas, intitulada Verbum Dei, procura esclarecer a natureza, a origem e a interpretação da Palavra de Deus e como o homem pode responder a ela. A segunda parte, Verbum in Ecclesia, explicita a necessidade de a Palavra de Deus fazer-se viva no seio da Igreja, por meio da ação do Espírito Santo, principalmente na liturgia e na celebração dos sacramentos. A terceira e última parte, Verbum Mundo, enuncia o necessário anúncio da Palavra de Deus a todos os povos e culturas e que brota de uma autêntica vivência e intimidade com ela.

A base das reflexões do Papa é o prólogo do Evangelho de São João, que relata a eternidade do Verbo e sua Encarnação, pontos centrais para uma profunda compreensão da Palavra.

Verbum Dei

Na primeira parte do documento, o Papa esclarece o sentido analógico da Palavra de Deus, que não pode ser compreendida apenas como os textos contidos nas Sagradas Escrituras. Antes de adquirir esse sentido, Palavra ou Verbo de Deus significa a Segunda Pessoa da Trindade, o Verbo eterno de Deus, pelo qual tudo foi criado, o que é expresso logo no início do Evangelho de São João.

Essa palavra única e irrepetível de Deus, entretanto, pôs-se em diálogo com o homem de diversas maneiras, compondo, assim, “um cântico a diversas vozes”. A primeira dessas vozes é a própria criação, o liber naturae (livro da natureza), no qual o Verbo Se revela como princípio ordenador e causa da beleza e bondade de todas as coisas criadas, como afirmou São Boaventura: “Cada criatura é Palavra de Deus, porque proclama Deus”.

A “voz” mais importante do Verbo, entretanto, é a Sua Encarnação em Jesus Cristo, no seio da Virgem Maria. Jesus Cristo é a expressão perfeita do Verbo Eterno, pois Ele é a Palavra de Deus tornada carne. Nele, Deus se expressa por inteiro e todas as outras palavras dirigidas a nós, homens, por Ele devem ser interpretadas a partir de Cristo, princípio e cume de toda a Revelação. Assim, todos os textos da Escritura, tanto do Novo quanto do Antigo Testamento, devem ser interpretados tendo em vista a Encarnação e toda a vida de Cristo, especialmente a sua Morte e Ressurreição.

Por sua vez, uma correta interpretação da Palavra ocorre sempre com a ajuda do Espírito Santo, que foi quem fecundou o ventre de Maria na Encarnação e quem inspirou os autores dos textos sagrados. Por isso, a interpretação puramente pessoal e subjetiva das Sagradas Escrituras é impossível, já que são textos cujo sentido profundo só pode ser descoberto com a ajuda do Espírito Santo no seio da Igreja, tema que foi aprofundado no segundo capítulo da exortação apostólica.

Também a primeira parte da exortação explicita os cânones pelos quais deve ser abalizada a hermenêutica bíblica. A interpretação histórica crítica, louvável em si, não pode ser ocasião para se pôr em dúvida a origem divina dos textos e sua veracidade. Por isso, a interpretação espiritual é necessária, para não reduzir as Sagradas Escrituras a um texto qualquer.

Verbum in Ecclesia

A relação entre a Palavra de Deus e os homens não pode ser compreendida meramente como uma leitura de fatos do passado. A Palavra de Deus se faz viva e presente, e cada fiel é chamado a participar frutuosamente dela. A liturgia adquire, nesse contexto, um papel primordial, pois ela é o “âmbito privilegiado no qual Deus nos fala no momento presente da nossa vida: fala hoje ao seu povo, que escuta e responde”.

Na liturgia, principalmente na missa, Cristo Se faz realmente presente por meio da ação do Espírito Santo. A Palavra de Deus proclamada na liturgia e explicada pelo ministro na homilia garante ao fiel que sua vivência com as Sagradas Escrituras não caia num individualismo e subjetivismo estéreis, já que a Bíblia foi escrita e compilada para a edificação da Igreja, e apenas esta é capaz de transmitir com fidelidade seu sentido mais profundo. A leitura privada da Bíblia, muito estimulada pela exortação, deve ser extensão de uma participação frutuosa da liturgia, portanto. O papel da chamada Lectio Divina, método de meditação das Sagradas Escrituras, com origem na tradição monástica, é ressaltado pelo documento, pois a Palavra de Deus “está na base de toda espiritualidade cristã autêntica”.

Verbum Mundo

Na última parte da exortação apostólica, o Papa ressalta a estreita relação entre uma intimidade com a Palavra de Deus e o anúncio do Evangelho. A missão da Igreja não é facultativa, própria de apenas algumas vocações que se dedicam exclusivamente ao apostolado. Ao contrário, está imbricada na mensagem evangélica e na própria Encarnação do Verbo, que foi enviado a nós para a nossa salvação. Portanto, a missão é comum a todos os batizados.

“Como o Pai me enviou também Eu vos envio” (Jo 20,21). Da própria Palavra surge o impulso para a missão. “É a Palavra que ilumina, purifica, converte; nós somos apenas servidores”, escreveu o Papa Bento XVI.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Doação de Sangue: um gesto concreto em favor do próximo

Hemocentros de todo país se unem na campanha ‘Somos todos do mesmo sangue’, em vista do Dia Nacional do Doador de Sangue, em 25...

A Igreja terá 128 novos beatos e 6 novos veneráveis Servos de Deus

O Papa autorizou a Congregação das Causas dos Santos a promulgar os decretos de 128 novos beatos e 6 novos veneráveis Servos de Deus...

‘O embrião é uma pessoa humana’, recordam bispos costarriquenhos

No País da América Central, legisladores debatem projeto de lei que busca reconhecer os direitos dos nascituros

No próximo sábado serão criados 13 novos cardeais

Dos 13 novos cardeais, dois não poderão participar das cerimônias por causa da emergência coronavírus: Dom Cornelius Sim, Vigário Apostólico de Brunei e Dom...

Dom Odilo: viver bem cada dia, na esperança de que o Senhor virá

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 24, na capela de sua residência, transmitida pela rádio 9...

Newsletter