Confira nossa versão impressa

Papa: conquistam o Reino aqueles que são corajosos e não se apegam às seguranças materiais

JOÃO FOUTO

Papa: conquistam o Reino aqueles que são corajosos e não se apegam às seguranças materiais
Papa Francisco saúda fiéis da janela do Palácio Apostólico (Foto: Vatican Media)

“Procuradores irrequietos do Reino dos Céus”. Com estas palavras, durante o Angelus do domingo, 26, o Papa Francisco sintetizou a atitude daqueles que agradam a Deus. Diante de uma Praça de São Pedro ainda relativamente esvaziada por conta do coronavírus, o Papa refletiu sobre o Evangelho do dia, concentrando-se no homem que descobre o tesouro no campo e no mercador de pérolas.

Ambos manifestam um comportamento semelhante, a radicalidade. Para participar do Reino dos Céus é necessário dar tudo, isto é, chegar ao ponto de dar-se, de empenhar a própria vida. Segundo o Papa, participam do Reino os corajosos que abandonam as seguranças materiais. Ele não fez referência explícita ao coronavírus, mas suas palavras podem ser recebidas como um chamado a evitar medos infundados – “as seguranças materiais” – que nos afastem da Igreja e de Deus.

O Papa recordou que tudo é obra da graça divina, mas que, como mostra a passagem evangélica, ela não basta para a conquista do Reino, porque também é preciso a plena disponibilidade do homem. Isto é, a graça não exclui nossa responsabilidade. O gesto do homem do campo e do mercador são “gestos decididos, radicais e, além disso, com alegria”. São “procuradores irrequietos do Reino dos Céus”. Outras pessoas se apegaram a coisas ilusórias, que atraem no início e depois deixam na escuridão. Já “a luz de Cristo não é fogo de artifício, é luz. A luz do fogo de artifício dura um instante, a luz de Cristo dura para sempre”.

O Papa acrescentou que quem, como o homem e o mercador da parábola, encontrou o tesouro, “tem um coração criativo e pesquisador”. Essas pessoas são criativas porque buscam de verdade e, por isso, tem sempre para dar – dão a vida, nas palavras do Papa. A homilia terminou, como é costume, com aquela que melhor compreendeu as palavras de Cristo: “que a Virgem Santa nos ajude cada dia a procurar o tesouro do Reino dos Céus”.

            Depois, por ocasião da memória de São Joaquim e Sant’Ana, avós de Jesus – daí a celebração do dia dos avós –, o Papa Francisco disse que “gostaria de convidar os jovens a realizar um gesto de ternura para com os anciãos, sobretudo os mais sós”. E especificou quem são esses anciãos: “caros jovens, cada um desses anciãos é vosso avô”. “Eles são a vossa raiz. Uma árvore separada da raiz, não cresce, não dá flor e fruto”, completou. “Por isso é importante a união com suas raízes”. Trata-se de um tema caro ao Papa, por ele abordado algumas vezes: a importância de conhecer e amar as próprias origens – por mais que delas possam vir também feridas – para descobrir a própria identidade e vive-la plenamente – quem não o faz, não descobre a alegria do perdão. O Papa recordou as palavras de um poeta, segundo o qual aquilo que uma árvore tem de belo vem daquilo que ela tem de enterrado, das suas raízes.

(Com informações de Vatican News)

- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Notícias

O primeiro jornalista a ser beatificado

JOÃO FOUTO Manuel Lozano Garrido, incansável autor do meio jornalístico, nasceu há cem anos, em agosto de 1920

COVID-19: para o seu bem e pela vida do próximo, proteja-se!

Aos cristãos, de modo especial, cumprir as orientações sanitárias para evitar a proliferação do novo coronavírus é uma postura de coerência de...

A família é a primeira responsável do processo educativo

Este foi um dos destaques da live da quarta-feira, 12, na programação arquidiocesana da Semana Nacional da Família

Todos Somos Hum

Três amigas mostram a força da solidariedade, em projeto desenvolvido em favor das pessoas em situação de vulnerabilidade social, amplificada com a...

Cura d’Ars é modelo para aqueles que desejam ser bons pastores

É o que destacou o Cardeal Scherer, Arcebispo Metropolitano, em missa no Seminário Maior de Filosofia da Arquidiocese de São Paulo

Newsletter