Prefeitura de SP apresenta resultados do primeiro Inquérito Sorológico em 2021

O mapeamento aponta um índice de prevalência da infecção pelo vírus de 14,1%

Prefeitura de SP apresenta resultados do primeiro Inquérito Sorológico em 2021
Prefeitura de SP

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), apresentou na quinta-feira, 14, os resultados da Fase 1 de 2021 do Inquérito Sorológico, realizado com os moradores da capital entre os dias 5  e 7  de janeiro. O mapeamento aponta um índice de prevalência da infecção pelo vírus de 14,1%. Entre os que testaram positivo, 36,1% estavam assintomáticos. Durante a coletiva também houve o anúncio dos resultados do estudo de sororreversão (retestagem da população).

Nessa primeira fase do inquérito de 2021, o índice da prevalência praticamente se manteve em relação à última fase do estudo semelhante, com a mesma metodologia, realizado pela SMS em 2020 (que indicou 13,6% dos testados haviam se contaminado com o vírus). Na primeira parte dessa nova pesquisa de 2020, merece destaque o aumento de casos na Coordenadoria Regional de Saúde Leste da capital, que apresentou índice de prevalência de 19,4%, seguida por 16,4 % de índice de prevalência na região Sul, 12,4 % na Sudeste, 10,9 % de contaminados na Norte e 8,1 % na região Centro-Oeste da cidade. Na última fase do inquérito de 2020, os índices de prevalência de contaminação de acordo com a região da cidade eram 19,8% na região Sul, 13,8% na região Norte, 11,7% na região Leste, 10,3% na Sudeste e 5,5% na região Centro-Oeste da capital. 

A contaminação se mostrou maior, com indicadores superiores à média, em pessoas com idade entre 35 e 49 anos (19% de prevalência) – seguidas pelas pessoas de 50 a 64 anos, que apresentaram 13,7 % de prevalência. Em relação à escolaridade, a fase 1 do inquérito de 2021 apontou que 16,6% das pessoas com testes positivos possuem ensino médio, 14,3% nunca estudaram e 13,2% possuem ensino fundamental. No levantamento por raça e cor, os pretos e pardos seguem com um maior índice de exposição ao vírus, 15,6%.

Quem mora em domicílios com apenas um ou dois moradores continua menos arriscado à contaminação do que os moradores de domicílios mais adensados, com maior número de residentes. A Prefeitura incluiu nesse novo inquérito de 2021 mais uma categoria de pesquisa, a relativa ao contato social. O levantamento indicou taxa de prevalência do vírus em 28,9% das pessoas que declararam não restringir contatos, contra 11,4% de contaminação entre os que afirmaram manter contatos apenas com quem reside no seu próprio domicílio. 

As pessoas que trabalham fora de casa são as mais expostas à contaminação (20,7% de prevalência), assim como os desempregados, que circulam em busca de recolocação profissional (17,1%), em comparação aos que conseguiram manter o teletrabalho (índice de 8,1% de prevalência). A máscara, usada regularmente por 95,2% dos testados, se manteve como fator preventivo fundamental para evitar crescimento ainda maior da pandemia na cidade.

CONFIRA A APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DOS ESTUDOS – Errata: Na página 22 da apresentação, onde se lê “30% assintomáticos”, a informação correta é “36,1% assintomáticos”, conforme lâmina anterior (página 21).

(Com informações de Prefeitura de SP)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter