Confira nossa versão impressa

Bruno Covas fala sobre o enfrentamento ao novo coronavírus na capital

Em tempos de pandemia pelo novo coronavírus, os meios de comunicação da Arquidiocese de São Paulo têm feito um extensivo trabalho para levar aos fiéis da grande metrópole e de outras localidades informações seguras sobre a doença. Neste sentido, o departamento de jornalismo da rádio 9 de julho entrevistou, no dia 23, o Prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB).

O gestor municipal conversou,  por telefone, com o Padre Edimilson da Silva, da equipe de jornalismo, e explicou as principais medidas implantadas na cidade para o enfretamento da COVID-19.

INVESTIMENTO

Bruno Covas agradeceu aos moradores que estão seguindo a orientação de isolamento como forma diminuir o número de afetados por coronavírus evitando, desta forma, um possível colapso na rede de saúde pública e privada.

O prefeito lembrou que a administração municipal vem aumentando as aç ões para os cuidados hospitalares: “Estamos fazendo a nossa parte com o número de leitos, sejam de UTI [unidade de terapia intensiva] e de enfermagem, para poder atender toda a população. Praticamente triplicamos a quantidade de leitos na cidade de São Paulo”, disse, completando que este investimento só trará resultados com apoio da população em aderir a quarentena.

REABERTURA DAS IGREJAS

Ao ser perguntado sobre a reunião on-line que realizou com a bancada dos vereadores cristãos da cidade, Bruno Covas afirmou que está em discussão formas para que os templos religiosos possam reabrir suas portas, respeitando as medidas de distanciamento social e higiene.

“A população da cidade de São Paulo tem muita fé. Nós temos aqui uma convivência pacífica entre todas as religiões. Reconhecendo o trabalho assistencial que precisa permanecer e o serviço religioso que as igrejas fazem, que é tão importante, é de forma adaptar para permanecerem abertas neste momento de pandemia”, frisou.

FLEXIBILIZAÇÃO DA QUARENTENA

O Prefeito de São Paulo reiterou que as medidas estabelecidas desde o início da pandemia foram pautadas em pesquisas e informações orientadas pela equipe da área da saúde – vigilância sanitária, médicos especialistas que “apontam as necessidades, por isso, começamos fechando alguns equipamentos públicos – teatros, museus, clubes, parque, escolas municipais. Depois, fomos ampliando para o setor privado, começando pelo comércio de bens e mercadorias e depois de serviços, tudo sempre apontado pela equipe médica”.

Segundo Bruno Covas, vem sendo estudada a necessidade de manter as restrições ou a flexibilização do isolamento social na cidade, e que um possível retorno gradativo irá depender das indicações médicas, tendo como prioridade a preservação da vida: “O vírus é uma realidade, um perigo que temos enfrentado e que precisa da atenção das pessoas. É nessa linha que nós vamos tomar nossas decisões”,

OUÇA A ENTREVISTA COMPLETA

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

A genialidade da ‘Missa Solemnis’ de Beethoven, em seus 250 anos

A “Missa Solemnis” foi estreada em abril de 1824, em São Petersburgo, na Rússia, por iniciativa do príncipe Nikolai Borisovich Galitzine. Tem...

Dom Ângelo Mezzari é ordenado Bispo

Nomeado pelo Papa Francisco Bispo Auxiliar de São Paulo em 8 de julho, o Monsenhor Ângelo Ademir...

Em Aleppo, na Síria, 2 padres morrem devido à COVID-19

Sacerdotes estavam entre os cinco da Ordem Franciscana que ainda está na cidade e desenvolve ações caritativas à população, fortemente afetada pela...

Monsenhor Ângelo Mezzari se tornará um sucessor dos apóstolos

Na tarde deste sábado, 19, às 15h, no Santuário do Sagrado Coração Misericordioso de Jesus, em Içara,...

Em cada árvore, muitas vidas beneficiadas

Crescem em São Paulo as ações da população para o plantio de árvores. Prefeitura lançará Plano Municipal de Arborização Urbana (PMAU) no...

Newsletter