Confira nossa versão impressa

Moradores das periferias unem-se para minimizar impactos da COVID-19

Crescem iniciativas de solidariedade nas áreas mais afetadas pela COVID-19, com foco em conscientizar e auxiliar população mais vulnerável

Desde de que o mundo começou a sofrer com os impactos da pandemia do novo coronavírus, muitas iniciativas de caridade foram idealizadas por pessoas anônimas, personalidades públicas e empresas.

Nas principais periferias de São Paulo, o cenário é ainda mais emergente. As condições mínimas de saúde e de qualidade de vida têm resultado em um grande número de infectados e mortos por COVID-19. Esse cenário tem feito que as comunidades não fiquem apenas à espera de benfeitores, e os próprios moradores se tornaram a personificação da palavra altruísmo.

‘BRASILÂNDIA SOLIDÁRIA’

Formado por 41 bairros, o distrito da Brasilândia é o quarto mais populoso de São Paulo, com 264.918 habitantes, segundo dados do Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010. O território é também um dos mais vulneráveis da cidade e, em meio a pandemia de coronavírus, é o primeiro no número de mortes por COVID-19.

A falta de saneamento básico e as condições precárias de moradia podem explicar o grande número de óbitos. Na tentativa de diminuir os altos índices de coronavírus nos bairros contemplados pela região, há quase um mês, um grupo de moradores idealizou a rede “Brasilândia Solidária”.

Em entrevista à rádio 9 de Julho, o integrante Jabes Campos falou sobre o desenvolvimento das ações e contou que o projeto foi se intensificando na medida em que o número de diagnósticos e mortes cresceram.

O principal desafio, segundo Jabes, é fazer uma comunicação que gere o entendimento dos moradores sobre a necessidade de realizarem o isolamento social, dentro de suas possibilidades e que, quando não for possível ficar em casa, possam se proteger utilizando máscaras.

Atualmente, a rede é composta por 20 voluntários divididos em oito grupos: saúde, educação, comunicação, assistência social, captação de recurso, geração de renda, juventude e cultura. As discussões são pautadas em sintonia com cada área de atuação.

FAZER ECOARMoradores das periferias unem-se para minimizar impactos da COVID-19

Com apoio dos profissionais da saúde que já trabalhavam nos bairros, uma das ações concretas da rede é a comunicação por meio de um carro de som, que transita pelas ruas, informando sobre os métodos preventivos. Tem havido, também, a distribuição de máscaras, confeccionadas por costureiras voluntárias.

Contudo, Jabes reiterou que há o problema da aglomeração. O adensamento popular, a questão da moradia impõe uma situação muito difícil para que a comunidade possa praticar o isolamento. A nossa vulnerabilidade social, a falta de recursos financeiros, o espaço de convivência faz com que a pandemia encontre um ambiente de contaminação muito favorável”.

Outra atividade é a realização de Blitz’s, que tem como intuito sensibilizar a população sobre a crise: “Nós temos que formar uma corrente, para que todo mundo cuide de todo mundo, para que possamos poupar as vidas’, completou Jabes.

POUPAR VIDAS

A rede tem discutido sobre a criação de um espaço para o acolhimento de idosos e pessoas contaminadas pelo novo coronavírus. Jabes recordou que em outros locais, escolas públicas se transformaram em ambientes propícios para a realização da quarentena: “Se uma pessoa vai até o hospital, e é constatada com o vírus, ela não pode voltar para casa, pois, se ela volta, contamina a família inteira”, disse, ao lembrar que grande parte das residências na periferia são compostas por poucos e pequenos cômodos.

DO OUTRO LADO DA CIDADE

A segunda maior periferia de São Paulo, o bairro de Paraisópolis, desde o fim de março promove um projeto em que os próprios moradores buscam monitorar o isolamento social e as principais emergências das famílias locais.

Com os chamados “presidente da rua” e “vice-presidente da rua”, toda a população de Paraisópolis é contemplada pelo apoio dos voluntários.

Além disso, no território, duas escolas já se transformam em espaços de acolhimento e, desde o fim de abril, recebem os moradores que testam positivo para o COVID-19, para realizem a quarentena, evitando, com isto, o contato com os familiares, diminuindo o risco de novos contágios.

Os infectados são direcionados pelos profissionais das Unidades Básicas de Saúde locais, às escolas estaduais Maria Zilda Gamba Natel e Etelvina de Goes Marcucci.

Moradores das periferias unem-se para minimizar impactos da COVID-19SOCORRISTAS

No dia 6, aconteceu a formatura de 240 socorristas que formam a Primeira Brigada de Emergência de Primeiros Socorros da comunidade. A formação foi possível pela parceria entre a União dos Moradores e do Comércio de Paraisópolis, G10 das Favelas, Grupo Bombeiro Caetano (GBC) e a Associação Bombeiro Mirim Juvenil Voluntário (BMJV), que cedeu as Bolsas de Estudos.

O objetivo da iniciativa é atender a população com primeiros socorros, que respeitem os protocolos de emergência nacionais e internacionais, da American Heart Association e Emergency First Response, CA.

Dividida em seis microrregiões (Centro, Grotão, Grotinho, Brejo, Prédios e Antonico), e com o auxílio de 12 bombeiros contratados, os socorristas atuam em dez equipes de 60 bases, com brigadistas equipados com pranchas longas, kits de primeiros socorros, modelo cipa, e equipamentos de proteção individual (EPI´s).

Todos os valores para compra de equipamentos e custeio dos profissionais estão sendo angariados por meio de um financiamento coletivo.

SAIBA MAIS SOBRE AS INICIATIVAS EM:

Rede “Brasilândia Solidária” no Facebook

Financiamento coletivo do projeto socorristas de Paraisópolis

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Uma nova tecnologia para o tratamento de esgoto na cidade

Microestação compacta poderá ofertar saneamento básico de qualidade às regiões carentes de São Paulo Maior cidade do Brasil, São Paulo possui 12,3 milhões de habitantes....

Dez dias de fé e devoção a Santa Cecília

Festa da padroeira aconteceu entre os dias 13 e 22 A Paróquia Santa Cecília celebrou a festa da padroeira entre os dias 13 e 22....

Bispos da Guatemala pedem diálogo e calma em protestos no país

Manifestações são motivadas pela forma controversa pela qual o orçamento público para 2021 foi aprovado

O Papa: num momento difícil, o Advento é a “grande esperança”

Na sua saudação aos fiéis de diversas línguas, no final da audiência geral, Francisco convidou-os a dedicar momentos de oração inspirados nas semanas que...

Dom Odilo: ‘Quem confia em Deus pode esperar a salvação’

Em missa na capela da residência episcopal na manhã desta quinta-feira, 26, transmitida pela rádio 9 de Julho e pelas plataformas digitais da Arquidiocese...

Newsletter