Um ano após plebiscito, Irlanda bate recorde em número de abortos

Médicos que realizam abortos no país recebem mais que o dobro do que o valor necessário para cuidar da mãe e do bebê durante a gravidez

Um ano após plebiscito, Irlanda bate recorde em número de abortos
(Crédito: Vatican Media)

Em 2019, houve um total de 6.666 abortos na Irlanda, segundo dados divulgados pelo governo do país na terça-feira, 30 de junho. O número é maior que o dobro do ano anterior, quando foram registrados 2.879 abortos.

Em 25 de março de 2018, a população irlandesa votou em referendo acerca de uma emenda à constituição que permitiria que o aborto fosse legalizado no país. Anteriormente, o aborto era permitido apenas em casos em que a vida da mãe estivesse em risco. Ao todo, 66,4% da população votou a favor de mudança no texto constitucional. Depois do referendo, o Artigo 40.3.3 da constituição passou a ter a seguinte redação: “A lei poderá fazer provisões e regular o interrupção da gravidez”.

A partir da mudança no texto constitucional, em 13 de dezembro de 2018, o Parlamento passou uma lei que permite o aborto em qualquer caso até a 12ª semana de gravidez. A lei passou a vigorar no dia 1º de janeiro de 2019.

Logo no primeiro mês da lei em vigor, foram registrados 625 abortos, o maior número entre os 12 meses de 2019. Dos 6.666 abortos registrado em 2019, apenas 24 foram registrados como risco para a vida ou a saúde da mãe. No total, 6.542 se enquadraram na categoria de “abortos prematuros”, quando o procedimento é realizado dentro das 12 primeiras semanas de gravidez sem a necessidade de qualquer justificativa.

Maeve O’Hanlon, porta-voz da Campanha Pró-Vida no país, afirmou que os números revelam que a legalização do aborto causou uma desvalorização do valor da vida na Irlanda: “Aqueles que adotam uma atitude em relação a esses números de dizer ‘nada importante aconteceu, tudo está ocorrendo conforme o planejado’ estão desvalorizando a perda de vidas causadas pela recente introdução do aborto aqui”.

“De fato, podemos virar nossos olhos da verdade daquilo que agora é sancionado pela lei e vesti-la com palavras como ‘escolha’, mas isso não mudará em nada a profunda injustiça daquilo que a nova lei permite”, continuou Maeve.

Médicos que realizam abortos na Irlanda recebem do Estado 450 euros por procedimento, o que equivale R$ 3 mil. Esse numero é “mais que o dobro do que os médicos receberiam se cuidassem da mãe e do bebê durante a gravidez. Essa é a chocante realidade daquilo que agora é permitido na Irlanda, tudo em nome do progresso”, criticou a porta-voz.

“A marca de uma sociedade verdadeiramente progressiva é aquela que trata toda vida humana como ‘alguém’ com um valor inerente, e não como ‘algo’ sem valor que pode ser rejeitado pela escolha de outro”, concluiu a ativista.

Fontes: CNA/ Gov.ie

Notícias relacionadas

Um ano após plebiscito, Irlanda bate recorde em número de abortos

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter