Confira nossa versão impressa

COVID-19: Vaticano pede investimentos em saúde em vez de armas

Ao relembrar os sete anos da primeira viagem de seu pontificado, quando foi à ilha italiana de Lampedusa, o Papa Francisco reiterou que é preciso deixar de lado o medo e buscar o rosto de Cristo naqueles que são diferentes. “À luz da Palavra de Deus, quero repetir que o encontro com o outro é também encontro com Cristo”, disse.

“É Cristo que bate à nossa porta, com fome, com sede, estrangeiro, nu, doente, prisioneiro, pedindo para ser encontrado e assistido”, acrescentou, com as mesmas palavras da histórica missa em Lampedusa.

Naquela ocasião, ele deixou uma forte mensagem de abertura aos migrantes – que, mais adiante, detalhou e pediu acolhimento, mas também proteção e integração.

Desde então, por inúmeras vezes, lembrou as milhares de vítimas do tráfico de pessoas, da pobreza, da guerra e da fome, que tentam uma vida melhor na Europa, migrando da África e do Oriente Médio, principalmente pelo Mar Mediterrâneo.

COM AS PALAVRAS DE JESUS

“Tudo aquilo que fizerem, no bem e no mal [farão a mim]”, afirmou Francisco, parafraseando Jesus, conforme o relato do Evangelho. “Esse aviso tem uma atualidade provocante. Devemos usá-lo como ponto fundamental do nosso exame de consciência, aquele que fazemos todos os dias.”

O Papa mencionou, pontualmente, os campos de detenção na Líbia, país conhecido como um dos principais pontos de passagem. Dali, muitos migrantes sobem em embarcações precárias no Mediterrâneo e seguem rumo a países europeus. No percurso, são “vítimas de abuso e violência” em sua “viagem de esperança”, disse Francisco.

BUSCAR O ROSTO DO SENHOR

Uma chamada “cultura do bem-estar” ou “cultura do descarte”, como costuma dizer Francisco, tende a tornar as pessoas insensíveis aos problemas dos outros. “Ela nos faz viver em bolhas de sabão, que são belas, mas não são nada, são ilusões, ilusões do fútil, do provisório, que leva à indiferença em relação a outros, ou melhor, leva à globalização da indiferença”, dizia ele, já em Lampedusa, naquela missa de 2013.

A reflexão foi inspirada no Salmo 104, que diz: “Buscai sempre o rosto do Senhor. Buscai o Senhor e a sua força. Buscai sempre o seu rosto”. Conforme declarou o Papa, “essa busca constitui um comportamento fundamental na vida daquele que crê, que compreendeu que a finalidade última da própria existência é o encontro com Deus”, exortou.

“A busca pelo rosto de Deus é a garantia do bom êxito da nossa viagem por este mundo, que é um êxodo rumo à verdadeira Terra Prometida, a pátria celeste. O rosto do Senhor é a nossa meta, e é também a nossa estrela polar, que nos permite não perder o caminho.”

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

‘Acolhamos com fé a semente e o fermento do Reino de Deus’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 27, na capela...

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre os 13 novos eleitores, os arcebispos de Washington (EUA) e Santiago do Chile

Capela São Camilo de Lellis é a presença da Igreja no Hospital do Mandaqui

O templo localizado no hospital da zona Norte de São Paulo é o último retratado na série especial de reportagens do O...

Santa Catarina de Sena: Doutora da Igreja e poeta

Nesta segunda-feira, O SÃO PAULO da sequência a série especial, que rememora santos da Igreja reconhecidos, também,...

Poupatempo amplia horário de funcionamento para realizar provas teóricas do Detran.SP

Serviço será oferecido nas unidades de Itaquera, Santo Amaro e Sé; ação se estende durante todo o mês de novembro

Newsletter