Confira nossa versão impressa

Papa pede o fim de armas nucleares e reza por vítimas de tragédia no Líbano

Duas mensagens de solidariedade marcaram a oração do Angelus do Papa Francisco, no domingo, 9. A primeira delas, a recordação do aniversário de 75 anos das bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki, no Japão. A segunda, uma mensagem para o Líbano, onde uma explosão recente matou mais de 200 pessoas e outras 110 estão desaparecidas.

Papa pede o fim de armas nucleares e reza por vítimas de tragédia no Líbano
Caritas presta auxílio às vítimas da tragédia em Beirute, que resulta em mais de 200 mortos // Foto: Caritas Lebanon

“Enquanto recordo com emoção e gratidão a visita que realizei àqueles lugares [Hiroshima e Nagasaki] no ano passado, renovo o convite a rezar e a se empenhar por um mundo totalmente livre de armas nucleares”, disse o Pontífice, após a oração dominical, na Praça São Pedro.

O Japão recordou na quinta-feira, 6, o primeiro ataque nuclear da história. Os Estados Unidos dispararam a bomba atômica contra a cidade de Hiroshima, em 6 de agosto de 1945. Quase 140 mil pessoas foram mortas. Em Nagasaki, outra bomba caiu três dias depois, deixando 74 mil mortos.

Nunca a humanidade havia visto um potencial destrutivo tão grande. Os ataques levaram à rendição do Japão, no fim da Segunda Guerra Mundial.

TRAGÉDIA NO LÍBANO

Sobre o Líbano, o Papa se referiu à calamidade que ocorreu no dia 4. Uma explosão na região do porto da capital, Beirute, destruiu todos os edifícios nos arredores e foi sentida a centenas de quilômetros de distância, inclusive na ilha de Chipre, deixando mortos, feridos e desabrigados.

Segundo o governo, ela ocorreu por causa do mau armazenamento de 2,75 mil toneladas de nitrato de amônio, substância química usada como fertilizante, mas também explosivo industrial. O primeiro-ministro Hassan Diab demitiu todo o seu ministério e renunciou na segunda-feira, 10, após uma onda de protestos no país.

Essa catástrofe “chama todos, a partir dos libaneses, a colaborar para o bem comum deste amado país”, disse o Papa: “O Líbano tem uma identidade peculiar, fruto do encontro de várias culturas, emersa ao longo do tempo como um modelo de viver juntos.”

Embora essa convivência seja “muito frágil” – uma vez que no Líbano prevalecem muitas divisões sectárias, baseadas em raça, origem e religião – o Papa disse rezar “para que, com a ajuda de Deus e a leal participação de todos, a convivência possa renascer livre e forte”.

Ele convidou a igreja local a se manter próxima do povo e pediu à comunidade internacional que ofereça ajuda humanitária. O Papa enviou uma doação de 250 mil euros (R$ 1,6 milhão) para a Igreja no país.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

SP fecha último hospital de campanha para tratamento de covid-19

Os equipamentos utilizados serão doados para instituições assistenciais e unidades de saúde pública Com...

Arquidiocese terá paróquia em honra a Santa Dulce dos Pobres

No próximo sábado, 26, às 18h, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, presidirá...

Papa: cultura do descarte é um atentado contra a humanidade. ONU seja oficina de paz

Coronavírus, desigualdade, perseguição religiosa, armas, Amazônia e família: estes são alguns dos temas tratados pelo Papa Francisco...

Bíblia: alimento para a peregrinação dos filhos de Deus

Muitas pessoas afirmam ter dificuldade em ler e compreender as Escrituras, por não entender sua linguagem, símbolos e contextos. É por isso...

‘Economia de Francisco’: jovens dialogam com o Cardeal Scherer

Arcebispo de São Paulo participou de reunião virtual com três brasileiros integrantes ADCE que participam do evento internacional

Newsletter