Confira nossa versão impressa

Papa pede o fim de armas nucleares e reza por vítimas de tragédia no Líbano

Duas mensagens de solidariedade marcaram a oração do Angelus do Papa Francisco, no domingo, 9. A primeira delas, a recordação do aniversário de 75 anos das bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki, no Japão. A segunda, uma mensagem para o Líbano, onde uma explosão recente matou mais de 200 pessoas e outras 110 estão desaparecidas.

Papa pede o fim de armas nucleares e reza por vítimas de tragédia no Líbano
Caritas presta auxílio às vítimas da tragédia em Beirute, que resulta em mais de 200 mortos // Foto: Caritas Lebanon

“Enquanto recordo com emoção e gratidão a visita que realizei àqueles lugares [Hiroshima e Nagasaki] no ano passado, renovo o convite a rezar e a se empenhar por um mundo totalmente livre de armas nucleares”, disse o Pontífice, após a oração dominical, na Praça São Pedro.

O Japão recordou na quinta-feira, 6, o primeiro ataque nuclear da história. Os Estados Unidos dispararam a bomba atômica contra a cidade de Hiroshima, em 6 de agosto de 1945. Quase 140 mil pessoas foram mortas. Em Nagasaki, outra bomba caiu três dias depois, deixando 74 mil mortos.

Nunca a humanidade havia visto um potencial destrutivo tão grande. Os ataques levaram à rendição do Japão, no fim da Segunda Guerra Mundial.

TRAGÉDIA NO LÍBANO

Sobre o Líbano, o Papa se referiu à calamidade que ocorreu no dia 4. Uma explosão na região do porto da capital, Beirute, destruiu todos os edifícios nos arredores e foi sentida a centenas de quilômetros de distância, inclusive na ilha de Chipre, deixando mortos, feridos e desabrigados.

Segundo o governo, ela ocorreu por causa do mau armazenamento de 2,75 mil toneladas de nitrato de amônio, substância química usada como fertilizante, mas também explosivo industrial. O primeiro-ministro Hassan Diab demitiu todo o seu ministério e renunciou na segunda-feira, 10, após uma onda de protestos no país.

Essa catástrofe “chama todos, a partir dos libaneses, a colaborar para o bem comum deste amado país”, disse o Papa: “O Líbano tem uma identidade peculiar, fruto do encontro de várias culturas, emersa ao longo do tempo como um modelo de viver juntos.”

Embora essa convivência seja “muito frágil” – uma vez que no Líbano prevalecem muitas divisões sectárias, baseadas em raça, origem e religião – o Papa disse rezar “para que, com a ajuda de Deus e a leal participação de todos, a convivência possa renascer livre e forte”.

Ele convidou a igreja local a se manter próxima do povo e pediu à comunidade internacional que ofereça ajuda humanitária. O Papa enviou uma doação de 250 mil euros (R$ 1,6 milhão) para a Igreja no país.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final

Os resultados sairão na primeira semana de dezembro Chegou à fase final o estudo clínico da CoronaVac, a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria...

Ministério reconhece estado de calamidade pública no Amapá

Estado ficou mais de 80 horas sem energia elétrica e até agora a situação não foi totalmente restabelecida O Ministério do Desenvolvimento Regional publicou portaria...

‘Que Deus nos dê um coração generoso, aberto para as necessidades dos irmãos’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa nesta segunda-feira, 23, na capela de sua residência, transmitida pela rádio 9...

Monsenhor Marcos Pavan é nomeado maestro da Capela Sistina

Neste domingo, 22, data em que a Igreja recorda a memória de Santa Cecília, padroeira dos músicos, o Papa Francisco nomeou o Monsenhor Marcos...

Papa aos jovens: ‘A beleza das escolhas depende do amor’

O Papa Francisco celebrou a missa na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, na Basílica de São Pedro, na manhã deste...

Newsletter