CNBB, organizações eclesiais e entidades da sociedade civil realizam semana de mobilização para o enfrentamento ao tráfico de pessoas

O objetivo é mobilizar e sensibilizar a Igreja e toda a sociedade brasileira

CNBB

Até a próxima sexta-feira, 30 de julho, a Comissão Episcopal Pastoral Especial para o Enfrentamento ao Tráfico Humano (CEPEETH), da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em parceria com a Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM-Brasil), da Rede um Grito pela Vida da CRB Nacional e da Associação Brasileira de Defesa da Mulher da Infância e da Juventude (Asbrad) realizam a segunda edição da campanha “Quanto vale a vida?”.

O objetivo é mobilizar e sensibilizar a Igreja e toda a sociedade brasileira sobre o tráfico de pessoas e o trabalho escravo na semana do Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, 30 de julho. Por causa da pandemia, este ano a mobilização será on-line com debates, lives e celebrações virtuais.

A iniciativa conta ainda com vídeos, spot para rádio e materiais informativos sobre o tema que foram lançados na abertura da semana, nesta segunda-feira, 26 de julho.

Nesta quarta-feira, 28 de julho, haverá uma livre, às 20h, com a temática Tráfico Humano em Debate’A transmissão será pelas redes Sociais da CNBB e das entidades parceiras.

A temática também será lembrada na celebração de encerramento da campanha Amazoniza-te, nesta quinta-feira, 29 de julho, que celebra as conquistas da campanha e chama atenção para violações de direitos dos povos da Amazônia.

De acordo com a organização, o tráfico humano desumaniza e transforma as pessoas em objetos, arrancando-lhes a dignidade e a liberdade, dois direitos essenciais. O tráfico de pessoas tem várias finalidades, como a exploração sexual, o trabalho escravo, o trabalho doméstico, a comercialização de órgãos e a adoção ilegal, entre outras.

Ainda segundo a organização, a maioria das vítimas do tráfico de pessoas identificadas no mundo é composta por mulheres, crianças e adolescentes, aliciadas para a exploração sexual. Em segundo lugar, vem a finalidade do trabalho escravo.

Impactos da pandemia

Um levantamento do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (Unodc) alertou para os impactos de uma “pandemia de tráfico humano”. A pesquisa identificou um aumento no número de vítimas de tráfico humano durante a pandemia especialmente na exploração de crianças.

A articuladora da Comissão Episcopal Especial Pastoral para o Enfrentamento ao Tráfico Humano da CNBB, Alessandra Miranda, explica que a perda de renda, o desemprego e o isolamento social causado pela pandemia favoreceram a ação de criminosos, além de dificultar o acesso à justiça.

“A pandemia de Covid-19 criou condições que aumentaram o número de pessoas vulneráveis ao tráfico de pessoas e ao trabalho escravo. Então, neste contexto, promover a conscientização da sociedade e reforçar o combate à essas violências é muito importante”, ressaltou Alessandra.

Programação

26/07: mobilização digital Quanto Vale a Vida? A Vida Não é Mercadoria. Tráfico de Pessoas é Crime. Lançamento de Spots para rádio.
27/07: mobilização digital Adolescentes não são Mercadorias.
28/07: mobilização digital Meninas e Mulheres não são Mercadorias.
28/07: live 20h – Tráfico Humano em Debate (horário de Brasília).
29/07: mobilização digital Trabalhadores não são Mercadorias.

(Com informações de CNBB)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter