Em SP mais de 500 mil pessoas não compareceram para a 2º dose da vacina contra COVID-19

Proteção contra o coronavírus só é garantida semanas após a pessoa receber as duas doses do imunizante

Agência Brasil

O Governo do Estado de São Paulo alertou na quinta-feira, 27, que 501,6 mil pessoas ainda não compareceram aos postos de vacinação para tomar a 2a dose da vacina contra COVID-19.

Idosos de mais de 80 anos são a maioria entre os que não tomaram o imunizante da Fiocruz/Astrazeneca.

Os dados consolidados até o dia 27, mostram que 501.693 pessoas que já receberam a 1a dose dos imunizantes disponíveis e ainda precisam completar o esquema vacinal, ou seja, receber a 2a dose. O total inclui 212.403 pessoas que não tomaram a vacina da Fiocruz/Astrazeneca e outros 289.290 referentes à vacina do Butantan (Coronavac).

“O organismo precisa de tempo para fabricar os anticorpos. Estima-se que o potencial completo da vacina seja atingido em cerca de duas semanas após a imunização. E é importante lembrar que para as duas vacinas disponíveis no Brasil são necessárias duas doses”, enfatizou a Sociedade Brasileira de Imunizações, em comunicado, no começo do mês.

Mais da metade das pessoas que se enquadram nestes públicos reside na Grande São Paulo, que registra 262.286 faltosos (confira a tabela com dados por região e tipo de imunizante). Do total de pessoas que não tomaram as doses da Fiocruz/Astrazeneca, 80% são idosos de 80 a 89 anos de idade. O restante do público são profissionais de saúde.

“Os dados de eficácia conhecidos e comprovados referem-se a esquemas com duas doses, portanto, não podemos nos considerar protegidos com apenas uma dose”, reforça a Sociedade Brasileira de Imunizações.

Cronograma

Com base nas estatísticas populacionais previstas pelo Ministério da Saúde para cada faixa etária ou público específico, o Governo de São Paulo define as remessas de doses necessárias para cada uma das 645 cidades avançar em cada etapa da campanha.

Os quantitativos de 1a e 2a dose são idênticos, realizados em duas entregas diferentes, para que o município realize a aplicação e conclua a imunização das pessoas.

As grades de vacinas são enviadas com base no cronograma do Programa Estadual de Imunização (PEI) e com todas as orientações técnicas para uso dos imunizantes, em conformidade com o intervalo de tempo de aplicação entre doses (até 28 dias para a vacina do Butantan e até 12 semanas para a da Fiocruz).

Ainda assim, a pasta encaminhou na semana passada 279.815 doses extras de Vacina do Butantan para cerca de 500 cidades. Os imunizantes são exclusivos para a aplicação da 2a dose. Este número foi informado à pasta estadual pelas próprias prefeituras, em consulta realizada aos 645 municípios pelo Cosems (Conselho de Secretários Municipais de Saúde) na última semana.

O que fazer se a segunda dose atrasar?

“Para garantia da eficácia esperada e documentada nos estudos, as vacinas devem ser aplicadas de acordo os intervalos estipulados para cada uma, mas não é preciso recomeçar o esquema em caso de atraso. Basta tomar a dose que falta, completando o esquema e obtendo a expectativa de proteção documentada. É preciso lembrar que não temos conhecimento sobre a proteção conferida entre as doses”, consta no comunicado da Sociedade Brasileira de Imunizações.

(Com informações de Governo do Estado de SP e da Sociedade Brasileira de Imunizações)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter