Quem sou eu nas redes sociais?

Ver, sentir e agir com compaixão são posturas esperadas dos cristãos também no ambiente digital

Ao meditar o Evangelho, depara-se com a voz do Bom Samaritano ao tecer os relacionamentos. Inserido na comunidade do seu tempo, ele viu, sentiu e conduziu com compaixão. Com atitudes, age e recorre à ajuda daquele que tinha seu estabelecimento a mediar e amparar. Diz ao hospedeiro: “Trata dele” (cf. Lc 10,25-37). E assim, conecta uma rede de ação.

A equipe de redação do Caderno Pascom em Ação entrou em contato com alguns dos membros que participaram da elaboração do documento Rumo à presença plena: uma reflexão pastoral sobre a participação nas redes sociais, com o intuito de aprofundar o “redescobrindo o que nos une” (ponto 76 do documento) nas comunidades digitais.

‘O documento não é um manual’

Um dos participantes desse proces- so foi Moisés Sbardelotto, jornalista, professor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas) e membro do Grupo de Reflexão sobre Comunicação (Grecom) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Sbardelotto ressaltou que o documento apresenta questões atuais sobre as comunicações. Contou, também, que além dos membros oficiais, nomeados pelo Papa Francisco, diversos profissionais e pesquisadores trataram sobre a questão central do texto. “E eu tive a grata surpresa de ser um dos convidados”, recordou.

O especialista lembrou que o documento foi elaborado por “pessoas de várias partes do mundo, como Itália, Estados Unidos, Alemanha, África, enfim, com uma diversidade grande, entre jovens, adultos, padres e leigos; pessoas com pontos de vista diferentes. Foi uma dinâmica bem interessante entre encontros curtos, tempo de fala e tempo para reflexões em aberto”, acrescentou.

Sbardelotto ressaltou que o documento aborda problemáticas “quanto aos discursos de ódio, da violência verbal, inclusive dentro da Igreja. Questões urgentes que a Igreja precisava oferecer uma posição e também uma inspiração”.

“O próprio documento diz que não é um manual. Não quer propor diretrizes. São horizontes de reflexão, para que cada igreja local, cada pessoa, possa colocá-lo em prática no seu cotidiano; afinal, por exemplo, os desafios do digital aqui no Brasil não são os mesmos comparados a outros países”, comentou. “[o documento] vem num momento bem propício, com os 10 anos do pontificado de Francisco, e consegue trazer essa contribuição específica”.

Para inspirar e conectar pessoas

Outro participante das reflexões que culminaram no documento foi Filipe Domingues, jornalista, analista no Vaticano, mestre e doutor em Ciências Sociais. Ele é colaborador do jornal O SÃO PAULO em Roma. Domingues lembrou que o documento “nasce de um pedido dos jovens em relação ao ambiente digital e às redes sociais, uma nova realidade pelo menos, cada vez mais presentes na vida das pessoas”.

O jornalista destacou que o documento “é uma inspiração, um ponto de luz para nos guiarmos em relação a este tema. Trata sobre como podemos nos estabelecer e também manter relações significativas, profundas e de impacto. Não apenas criar conexões, não só aumentar uma rede, mas estabelecer e manter. Isso é um ponto que serve para todos, não só para quem é cristão”.

Domingues também comentou sobre como deve ser o comportamento do cristão nas redes sociais.

“O influencer cristão necessariamente não está influenciando milhares de pessoas, mas, sim, é um micro influencer na vida cotidiana, nos ambientes concretos. Ele deve ser um influencer na profundidade, não permanecer na superfície, mas estar imerso nas relações ou conexões; andar na profundidade, como um modelo de vida, com mensagens de esperança, o que muitas vezes se dá com uma palavra, com uma orientação, uma presença, palavras profundas e impactantes. Testemunhos, como a mensagem de Cristo. É por isso que o documento fala de uma plena presença, não superficial nem temporária ou efêmera!”, explica o jornalista.

Ao ouvir aqueles que colaboraram na redação do documento Rumo à presença plena, tem-se a certeza de que é necessário refletir sobre as redes sociais como lugar de partilha, colaboração e pertença, inspirados na confiança do Bom Samaritano.

guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Inês M
Inês M
8 meses atrás

Muito bom, todos podemos (e devemos) ser “micro influencers” no nosso círculo de amizades 👏🏻