USP reforça que o consumo de pipoca de micro-ondas em excesso pode causar Alzheimer

Pesquisa avaliou cérebro de ratos após eles ingerirem por 90 dias seguidos composto responsável por dar gosto amanteigado ao produto

Reprodução

Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP indica que o consumo em excesso de pipoca de micro-ondas pode causar Alzheimer. Os cientistas identificaram moléculas associadas ao Alzheimer no cérebro de ratos que consumiram por 90 dias seguidos o diacetil, que é o composto responsável por dar o aroma e o gosto amanteigado à pipoca de micro-ondas. O resultado da pesquisa reforça que o consumo regular e em altas doses da substância pode gerar danos no cérebro. 

Lucas Ximenes, doutorando do IQSC e autor da pesquisa, explica que foram observados as ações do diacetil no cérebro, causando danos. “De 48 proteínas cerebrais que avaliamos após a exposição dos animais ao produto, 46 sofreram algum tipo de desregulação ou modificação em sua estrutura por conta do consumo prolongado do composto.” afirmou. 

O autor da pesquisa também ressalta que foi identificado o aumento da concentração de proteínas beta-amiloides, que são encontradas em pacientes com Alzheimer. Além disso, foram avaliadas outras alterações proteicas verificadas no cérebro dos ratos, que também podem estar relacionadas a outras doenças como o surgimento de demências e câncer. 

O cérebro dos ratos foram avaliados com a ajuda de dois equipamentos. O primeiro, chamado espectrômetro de massas, que faz a leitura e gera mapas de calor dos órgãos, formando uma espécie de impressão digital do cérebro. O segundo aparelho é o cromatógrafo, que ajuda a determinar se essas proteínas sofreram alterações. 

Reprodução

DIACETIL

O diacetil, amplamente empregado nos mais variados ramos da indústria, ganhou destaque no setor alimentício, por seu uso como conservante e flavorizante. Podendo ser encontrado naturalmente na composição de cafés, cervejas, chocolates, leites e iogurtes. Na pipoca de micro-ondas, o diacetil é utilizado em concentrações maiores.

Apesar de seu consumo ser aprovado pelas agências reguladoras, a exposição prolongada ao produto pode ser prejudicial à saúde e, por estar presente no cotidiano da população, diferentes estudos buscam compreender a influência do composto em organismos vivos e como ele pode alterar funções biológicas. 

PRÓXIMOS PASSOS

Nos próximos passos do estudo, os pesquisadores do IQSC pretendem realizar novos testes com um número maior de animais, visando ampliar o entendimento a respeito dos resultados obtidos até o momento. “A principal mensagem que nosso trabalho deixa é que precisamos tomar cuidado e nos preocupar cada vez mais com a qualidade da nossa alimentação. Claro que comer esporadicamente certos alimentos não tem problema, mas alguns prazeres em excesso podem fazer mal. Além disso, outro grande foco de nosso trabalho é fazer um alerta para o pessoal que trabalha nas fábricas de pipoca. Por mais que a gente coma o produto, nós temos muito menos contato com o diacetil do que os trabalhadores que lidam ou até inalam diariamente o composto”, finaliza o doutorando, que é co-orientado pelo professor Nilson Assunção, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Fonte: IQSC/USP

Deixe um comentário